Revista de Saúde Pública do Paraná http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp <p>A Revista de Saúde Pública do Paraná<strong>&nbsp;</strong>(RSPP)<strong>&nbsp;</strong>trata-se de&nbsp;publicação periódica institucional da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA), por meio da Escola de Saúde Pública do Paraná (ESPP), que tem por objetivo ser um veículo de comunicação científica de informação especializada em saúde pública, saúde coletiva e educação em saúde.&nbsp;</p> <p><strong>CLASSIFICAÇÃO B4 QUALIS/CAPES/2017-2020</strong> em 11 áreas: Educação, Enfermagem, Ensino, Farmácia, Interdisciplinar, Medicina I, Medicina II, Medicina III, Odontologia, Psicologia e Saúde Coletiva.</p> <p><strong>ISSN impresso:</strong>&nbsp;2595-4474.<br><strong>ISSN online:&nbsp;</strong>2595-4482<strong><strong>.</strong></strong></p> Secretaria de Saúde do Estado do Paraná pt-BR Revista de Saúde Pública do Paraná 2595-4474 <div align="justify">Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</div> <div align="justify">A) Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</div> <div align="justify">B) Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</div> <div align="justify">C) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre).<a name="privacidade"></a></div> Mortalidade materna em hospital público do interior de um estado do nordeste brasileiro http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/823 <p>Objetivou-se identificar o perfil e as causas de morte em mulheres no ciclo gravídico puerperal na maternidade de um hospital público do interior do Piauí. Estudo retrospectivo, transversal com abordagem quantitativa com todas as mulheres que faleceram durante o ciclo gravídico puerperal período de janeiro de 2012 a julho de 2022. Utilizou-se um formulário no qual consta informações sobre as características epidemiológicas e clinicas das pacientes. Foram encontrados 13 óbitos maternos com uma taxa de incidência de 0.53%<sub>o</sub>, com maior número de óbitos durante o ano de 2013. Observou-se uma grande flutuação na razão de mortalidade materna em que não houve uma constância entre os anos. A maioria das mulheres que vieram a óbito na instituição estudada, eram jovens, pardas, lavradoras, com ensino médio completo, multíparas, estavam em uma união estável e no puerpério. A principal causa de mortalidade materna estava relacionada as síndromes hipertensivas no ciclo gravídico puerperal.</p> Alâine Macedo Cavalcanti Brenda Alves Santos Michele Mirela Silva Pereira Ramos Illana Lima Lessa Marília Macedo Cavalcanti Jefferson Torres Nunes ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-20 2024-02-20 7 1 1 14 10.32811/25954482-2024v7n1.823 Notificações de Violência: análise da situação de saúde de uma cidade litorânea do Paraná http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/871 <p>A violência é um problema de saúde pública e um agravo de notificação compulsória. Este artigo teve como objetivo analisar as notificações de violência em um município do Paraná. Trata-se de uma pesquisa retrospectiva descritiva, com série temporal entre os anos de 2016 e 2020. Utilizou-se a metodologia de pesquisa bibliográfica e documental, e os dados epidemiológicos foram coletados do Departamento de Informática do&nbsp;Sistema Único de Saúde. Os resultados demonstraram que a principal fonte notificadora é a urgência e emergência. O diagnóstico da situação de saúde no município apresentou-se crítico, pois, ao analisar os dados epidemiológicos, constatou-se que o território tem uma incidência de casos de violência acima da média nacional e estadual. Assim, o fortalecimento do combate às violências deve ser incluído na agenda de saúde local. Sugere-se a implantação do Núcleo de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde no território, para ações conjuntas que vão além do setor de saúde.</p> Eduarda Cristina Poletto Gonçalves Agnes Mendes Kaiser Debora Cynamon Kligerman Simone Cynamon Cohen Margio Cezar Loss ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-20 2024-02-20 7 1 1 18 10.32811/25954482-2024v7n1.871