Revista de Saúde Pública do Paraná http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp <p>A Revista de Saúde Pública do Paraná<strong>&nbsp;</strong>(RSPP)<strong>&nbsp;</strong>trata-se de&nbsp;publicação periódica institucional da Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA), por meio da Escola de Saúde Pública do Paraná (ESPP), que tem por objetivo ser um veículo de comunicação científica de informação especializada em saúde pública, saúde coletiva e educação em saúde.&nbsp;</p> <p><strong>ISSN impresso:</strong>&nbsp;2595-4474.</p> <p><strong>ISSN online:&nbsp;</strong>2595-4482<strong><strong>.</strong></strong></p> pt-BR <div align="justify">Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</div> <div align="justify">A) Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</div> <div align="justify">B) Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</div> <div align="justify">C) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja O Efeito do Acesso Livre).<a name="privacidade"></a></div> revista_spp@sesa.pr.gov.br (Comissão de Editoração) revista_spp@sesa.pr.gov.br (Comissão de Editoração) Seg, 25 Jul 2022 20:40:25 +0000 OJS 3.1.0.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Estudo histórico da produção científica do Programa Pesquisa para o SUS (PPSUS) no Paraná http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/617 <p>Avaliação histórica da produção científica do Programa Pesquisa para o Sistema Único de Saúde: Gestão Compartilhada em Saúde executados no Paraná entre 2004 e 2016. Estudo de caráter descritivo, a partir da análise documental de 262 relatórios técnicos, por meio de Análise Exploratória de Dados. Em quase duas décadas, o Estado investiu R$ 16.970.645 em projetos de pesquisa em saúde. Possibilitou a formação e qualificação de 22 pós-doutores, 111 doutores e 274 mestres, a produção de 61 Trabalhos de Conclusão de Curso de Especialização, 236 de Conclusão de Curso de Graduação e 612 Projetos de Iniciação Científica. Tornou possível a publicação de 1.431 resumos em anais, 03 livros, 35 capítulos de livros, 568 artigos científicos e o depósito de 08 patentes registradas. 90,80% dos projetos foram totalmente executados, 9,20% parcialmente e 6,90% tiveram aplicabilidade. Essa ação supõe um novo olhar retrospectivo e avaliativo dos projetos que não apresentaram aplicabilidade.</p> Priscila Antunes Tsupal, Nilceu Jacob Deitos ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/617 Seg, 25 Jul 2022 20:39:26 +0000 Comunicação aumentativa e alternativa: ações do terapeuta ocupacional em um hospital público de ensino http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/652 <p>No contexto hospitalar, as características clínicas e/ou terapêuticas podem comprometer a comunicação verbal. A Comunicação Aumentativa e Alternativa é uma estratégia que possibilita ampliar o repertório de comunicação. Este estudo analisou o processo terapêutico ocupacional após pedidos de consulta para a implementação desse tipo de comunicação com pacientes hospitalizados. Trata-se de uma pesquisa observacional, descritiva e retrospectiva, com dados bibliográficos e documentais (pedidos de consulta e respectivos prontuários). Foram incluídos na amostra 16 pedidos de consulta e os seus prontuários correspondentes. Verificaram-se os prejuízos na comunicação verbal, principalmente pelo uso de traqueostomia (31,2%). O principal recurso prescrito pelos terapeutas ocupacionais foi a prancha de comunicação (50%). Foi constatada comunicação parcial em 37,5% dos casos e efetiva em 12,5%. A demora no envio dos pedidos de consultas durante a internação inviabilizou ações mais diretas relacionadas à comunicação, e à elaboração de registros mais adequados. A dificuldade de acesso aos prontuários foi uma limitação para este estudo.</p> Priscilla Luvizotto Ferreira Silva, Fernanda Zelinski, Rita Aparecida Bernardi Pereira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/652 Ter, 02 Ago 2022 18:32:22 +0000