Internações por condições sensíveis a atenção primária em municípios de uma regional de saúde

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde, Indicadores Básicos de Saúde, Gestão em Saúde

Resumo

O presente estudo teve por objetivo analisar a efetividade do acesso ao atendimento na atenção primária por meio do levantamento dos números de internamentos por condições sensíveis a atenção primária ocorridos nos municípios com menos de 100% de cobertura da estratégia saúde da família na 8ª Regional de Saúde do Paraná. Ademais, buscou-se encontrar relação entre a cobertura da estratégia saúde da família com o número de internamentos por condições sensíveis a atenção primária. Trata-se de um estudo ecológico com dados secundários do Ministério da Saúde. Diante dos resultados encontrados pode-se observar que nos municípios de Francisco Beltrão, Ampére e Dois Vizinhos, foi identificado relação entre o aumento da cobertura da estratégia saúde da família e a diminuição de internamentos por condições sensíveis a atenção primária, contudo, apenas para Francisco Beltrão essa correlação foi forte e significativa. Neste aspecto, se faz necessário incentivar estudos que visem a avaliação dos serviços de saúde para embasar as decisões dos gestores em relação aos investimentos nos serviços de atenção primária a saúde, objetivando promover a oferta de serviços de qualidade e resolutivos.

Biografia do Autor

Alessandro Rodrigues Perondi, Universidade Paranaense

Mestre, Professor Adjunto no Departamento de Enfermagem da Universidade Paranaense, Francisco Beltrão, Paraná.

Ana Paula Wilges, Hospital Policlínica São Vicente de Paula e Ceonc -Hospital do Câncer

Enfermeira no setor de UTI do Hospital Policlínica São Vicente de Paula e Ceonc -Hospital do Câncer.

Márcia da Silva Roque, Universidade Paranaense

Acadêmica do 4º ano do curso de Enfermagem da Universidade Paranaense, Francisco Beltrão, Paraná.

Cirlei Piccoli Cosmann, Universidade Paranaense

Acadêmica do 4º ano do curso de Enfermagem da Universidade Paranaense, Francisco Beltrão, Paraná.

Lediana Dalla Costa, Universidade Paranaense

Coordenadora do curso de Enfermagem da Universidade Paranaense, Francisco Beltrão, Paraná.

Referências

1 Rehem TCMSB, Silva AO, Vasconcelos AMN, Ciosak SI, Santos WS, Egry EY. Internações por condições sensíveis à atenção primária: percepção dos usuário e profissionais de saúde. Rev Investigação Qualitativa em Saúde. 2016;2:1039-48.

2 Alfradique ME, Bonolo PF, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS, et al. Internações por condições sensíveis a atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde (Projeto ICSAP- Brasil). Cad. Saúde Pública. 2009;25 (6):1337-9.

3 Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde, 2002. 725 p.

4 Figueiredo AM. Avaliação da Atenção Primaria à Saúde: análise e concordância entre os instrumentos AMQ e PCATool no município de Curitiba, Paraná [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011.

5 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção em Saúde, Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool pcatool - Brasil. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 8p p.

6 Brasil, Secretaria de Atenção Básica. Portaria nº 221, de 17 de abril de 2008. Diário Oficial da União, Brasília, abr. 2008.

7 Nedel FB, Facchini, LA, Martín-Mateo M, Vieira LAS, Thumé. Programa de Saúde da Família e condições sensíveis à atenção primária, Bagé (RS). Rev saúde pública. 2008;42 (6):1041-52.

8 Souza LL, COSTA JSD. Internações por condições sensíveis à atenção primária nas coordenadorias de saúde no RS. Rev saude publ. 2011;45 (4):755-72.

9 Macedo SEC, Menezes AMB, Albernaz E, Post P, Knorst M. Fatores de risco para internação por doença respiratória aguda em crianças até um ano de idade. Rev saúde pub.. 2007;41 (3):351-8.

10 Paixão ES, Pereira APCM, Figueiredo MAA. Hospitalizações sensíveis a atenção primária em menores de cinco anos. Rev Eletrônica Gestão & Saúde. 2013;04(2):224-36.

11 Cardoso CS, Pádua CM, Rodrigues-Júnior AA, Guimarães DA, Carvalho SF, Valentin RF et al. Contribuição das internações por condições sensíveis à atenção primária no perfil das admissões pelo sistema público de saúde. Rev panam salud pública. 2013;34(4):227-34.

12 Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS; 2015.

13 Pitilin EB, Gutubir D, Fernandes CA, Pelloso SM. Internações sensíveis à atenção primária específica de mulheres. Ciên Saúde Colet. 2015;20(2):441-8.

14 Fernandes VBL, Caldeira AP, Faria AA, Rodrigues Neto JF. Internações sensíveis na atenção primária como indicador da avaliação da Estratégia Saúde da Família. Rev saúde pública. 2009;43(06):928-36.

15 Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da Saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

16 Brasil VP, Costa JSD. Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Florianópolis, Santa Catarina - estudo ecológico de 2001 a 2011. Rev. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(1):75-84.

17 Santos VCF. Internações por condições sensíveis a atenção primária (ICSAP): discutindo limites à utilização deste indicador na avaliação da atenção básica em saúde. Rev Electron Inf Inov Saúde. 2013;7(02):1-16.

18 Wong RP, Perpetuo IHO, Berenstein CK. Atenção hospitalar por condições sensíveis à atenção ambulatorial (CSAA) no contexto de mudanças no padrão etário da população brasileira. In: Anais do XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais; 2006; Caxambu-MG. Belo Horizonte: ABEP; 2006.

19 Hartz ZMA, Felisberto E, Silvia LMV. Meta-avaliação da atenção básica em saúde: teoria e prática. Rio de Janeiro: Ed. FIOCRUZ; 2008. 409 p.
Publicado
2018-12-14
Seção
Artigos originais