Desafios no atendimento a mulheres com risco e/ou tentativa de suicídio em uma maternidade de alto risco

Palavras-chave: Saúde pública, Suicídio, Mulheres, Tentativa de Suicídio

Resumo

Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS (2014), o suicídio é um grave problema de saúde pública. Esta pesquisa empenhou-se em analisar a ação profissional no atendimento a mulheres com risco e/ou tentativa de suicídio numa maternidade de alto risco do sul do Brasil. Estudo descritivo e quanti – qualitativo, com 20 profissionais de saúde de diversas áreas. Os dados foram coletados durante entrevista com cada profissional, utilizando questionário semiestruturado e pesquisa documental com as Fichas de Notificação de Violência Autoprovocada e registros internos do Serviço Social do local pesquisado. Os resultados revelam dificuldades nos atendimentos, relacionadas às condições e relações de trabalho, bem como a lacunas na formação profissional referentes à temática do suicídio. Devido à complexidade do tema, ratifica-se a necessidade de revisão da organização do trabalho para esses atendimentos no local e qualificação desses profissionais referente à temática, visto que instituir mudanças requer profissionais capacitados e qualificados.

Biografia do Autor

Larissa Bastos, Complexo Hospital de Clínicas - CHC/UFPR.

Assistente Social Residente do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Atenção Hospitalar – PRIMAH do CHC/UFPR. Bacharela em Serviço Social pela UFPR.

Silvana Maria Escorsim, Universidade Federal do Paraná.

Professora Adjunta do curso de Serviço Social da UFPR Litoral, doutora em Serviço Social pela PUC – São Paulo, tutora do Eixo Profissional de Serviço Social do PRIMAH – CHC/UFPR na área profissional de Serviço Social.

Maria Cristina Dias de Lima, Complexo Hospital de Clínicas - CHC/UFPR.

Assistente Social do CHC/UFPR, Coordenadora do Eixo Profissional de Serviço Social do PRIMAH–CHC/UFPR, mestre em Saúde Coletiva pela UFPR.

Nattany Caruline Santos Rodrigues, Complexo Hospital de Clínicas - CHC/UFPR.

Assistente Social do CHC/UFPR, preceptora na área de Serviço Social no Programa de Saúde da Mulher do PRIMAH – CHC/UFPR, especialista em Saúde da Mulher pelo CHC/UFPR.

Referências

1. World Health Organization. Global consultation on violence and health. Violence: a public health priority. Geneva: WHO; 1996 (document WHO/EHA/ SPI.POA.2).
2. Organización Panamericana de la Salud. Prevención del suicidio: un imperativo global [Internet]. Washington, DC: OPS; 2014 [citado 2017 Ago 6]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/136083/1/9789275318508_spa.pdf.
3. Vidal CEL, Gontijo ED. Tentativas de suicídio e o acolhimento nos serviços de urgência: a percepção de quem tenta. Cad Saúde Coletiva. 2013;21(2):108-14.
4. Freitas APA, Borges LM. Do acolhimento ao encaminhamento: o atendimento às tentativas de suicídio nos contextos hospitalares. Estud psicol 2017;22(1):1678-4669.
5. Minayo MCS, Teixeira SMO, Martins JCO. Tédio enquanto circunstância potencializadora de tentativas de suicídio na velhice. Estud psicol. [Internet]. 2016 [citado 2018 Jan 5];21(1):36-45. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-294X2016000100036&script=sci_abstract&tlng=pt.
6. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Perfil epidemiológico das tentativas e óbitos por suicídio no Brasil e a rede de atenção à saúde. Boletim Epidemiológico [Internet]. 2017 Set [citado 2017 Set 30];48(30):1-5. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/2017-025-Perfil-epidemiologico-das-tentativas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil-e-a-rede-deatencao-a-saude.pdf.
7. Stefanello B, Furlanetto LM. Ideação suicida em pacientes internados em enfermarias de clínica médica: prevalência e sintomas depressivos associados. J bras psiquiatr [Internet]. 2012 [citado 2017 Out 20];61(1):2-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v61n1/02.pdf.
8. Botega NJ. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015.
9. Ministério da Saúde. Sistema de informação de agravos de notificação Informações de Saúde (TABNET). Epidemiológicas e Morbidade. 2010 – 2015 [homepage na internet]. Brasília: Ministério da Saúde; [citado 2017 Out 25]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=29892176&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/Intox.
10. Associação Brasileira de Psiquiatria. Suicídio: informando para prevenir. Brasília: Conselho Federal de Medicina; 2014.
11. Bardin L. L’Analyse de contenu. Paris: Presses Universitaires de France ; 1977.
12. Oates M. Suicide: the leading cause of maternal death. Br J Psychiatry. 2003;183, 279-281.
13. Barraclough B, Bunch J, Nelson B, Sainsbury P. A hundred cases of suicide: clinical aspects. Br J Psychiatry. 1974;125:355-73.
14.Alves, ACR. Reflexões sobre o processo de trabalho na saúde e suas implicações no cotidiano profissional do serviço social na realidade do Hospital Universitário de Juiz de Fora. [Internet]. Libertas 2005 Jan [citado 2017 Out 20];Spec 4-5:264-86. Disponível em: https://libertas.ufjf.emnuvens.com.br/libertas/article/view/1762.
15. Dias EC. Condições de trabalho e saúde dos médicos: uma questão negligenciada e um desafio para a Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Rev Bras Med Trab. 2015;13(2):60-8.
16. Santana FR, Nakatani AYK, Freitas RAMM, Souza ACS, Bachion MM. Integralidade do cuidado: concepções e práticas de docentes de graduação em enfermagem do Estado de Goiás. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(1):1653-64.
17. Brito-Silva K, Bezerra AFB, Tanaka OY. Direito à saúde e integralidade: uma discussão sobre os desafios e caminhos para sua efetivação. Interface comun saúde educ. 2012 Abr;16(40):249-60.
18. Merhy EE, Franco TB. Trabalho em saúde. In: Pereira IB, Lima JCF. Dicionário da educação profissional em saúde. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: EPSJV; 2008. p.427-32.
19. Sá NNB, Oliveira, MGC, Mascarenhas MDM, Yokota RTC, Silva MMA, Malta DC. Atendimentos de emergência por tentativas de suicídio. [Internet] Rev med Minas Gerais. 2007 [citado 2019 Mai 8] ;20(2):145-52. Disponível em: http://www.rmmg.org/artigo/detalhes/307.
20. Brasil. Lei n. 6.259, de 30 de outubro de 1975. Dispõe sobre a organização das ações de Vigilância Epidemiológica, sobre o Programa Nacional de Imunizações, estabelece normas relativas à notificação compulsória de doenças, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 31 Out 1975. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6259.htm.
21. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n. 1.271, de 06 de junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Brasília (DF); 2014. Saúde Legis - Sistema de Legislação da Saúde. 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt1271_06_06_2014.html.
22. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n. 204, de 06 de fevereiro de 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Saúde Legis - Sistema de Legislação da Saúde. 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0204_17_02_2016.html.
23. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Saúde Legis - Sistema de Legislação da Saúde. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html.
Publicado
2019-07-16
Seção
Artigos originais