A prevalência de transtornos mentais nos trabalhadores da APS no município de Curitiba/PR

Palavras-chave: Saúde do Trabalhador, Saúde Mental, Estratégia Saúde da Família, Atenção Primária à Saúde

Resumo

 Trata-se de uma pesquisa retrospectiva, transversal e descritivo de abordagem quantitativa, cujo objetivos foram pesquisar a prevalência de transtornos de saúde mental nos profissionais de saúde atuantes na APS no município de Curitiba, relacionar essa prevalência com as características epidemiológicas e realizar a comparação das prevalências entre os profissionais das Unidades Básicas de Saúde e os profissionais do modelo de Estratégia Saúde da Família. Para tanto, foram obtidos dados do setor de Saúde Ocupacional da Prefeitura Municipal de Curitiba. As variáveis faixa etária e cargo provaram ser um fator de relevância para o desenvolvimento dos transtornos mentais, e os resultados mostraram uma maior prevalência de afastamento por CID F nos profissionais das UBS do que entre os profissionais da ESF. Faz-se necessário, portanto, o investimento em estratégias de prevenção e tratamento dessas patologias entre os profissionais da APS do município de Curitiba/PR.

Biografia do Autor

Ellen Dalla Costa, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Enfermeira. Residente em Estratégia Saúde da Família.

Luiz Claudio Sobrinho do Nascimento, Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Enfermeiro na Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba e Mestre na Universidade Positivo.

Referências

1. Sampaio J dos R. Qualidade de vida no trabalho: perspectivas e desafios atuais. Rev Psicol Organ e Trab. 2012;12(1):121–36.
2. Suehiro, ACB, Santos AAA, Hatamoto, CT; Cardoso MM. Vulnerabilidade ao estresse e satisfação no trabalho em profissionais do Programa de Saúde da Família. Bol Psicol [Internet]. 2008 Dez[citado 2019 Maio 8];58(129):205–18. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S0006-59432008000200008&script=sci_arttext.
3. Naiara I, Soares L, Cavalcante L, De Souza G, Feitosa A, Castro L, et al. Análise do Estresse Ocupacional e da Síndrome de Burnout em Profissionais da Estratégia da Saúde da Família no Município de Maceió/ AL. Rev Semente. 2011;6(6):84–98.
4. Camelo SHH, Angerami ELS. Sintomas de estresse nos trabalhadores atuantes em cinco núcleos de saúde da família. Rev Lat Am Enfermagem. 2004;12(1):14–21.
5. Alves CFOA. Entre o cuidar e o sofrer: o cuidado do cuidador via experiência de cuidadores/ profissionais de saúde mental [dissertação]. Recife: Universidade Católica de Pernambuco;2005.
6. Braga CC, Delano F, Forte S. Acessibilidade ao serviço de saúde bucal na atenção básica: desvelando o absenteísmo em uma Unidade de Saúde da Família de João Pessoa-PB. R bras ci Saúde. 2011;15(3):309–18.
7. Brasil. Portaria n. 2036,21 setembro 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de Diretrizes para a organzação da atnção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível: http://bbvsms.saúde.gov.br/bvs/saúdelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em 20 abril 2018.
8. Silva SS, Martins DC, Camilo LSS. Riscos ocupacionais entre a equipe multidisciplinar na Atenção Básica. International Nursing Congress, 2017,Maio 9-12; Barcelona, Espanha.1–3.
9. Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos psicossociais no trabalho que podem levar ao estresse: uma análise da literatura. Ciência, Cuid e Saúde. 2008;7(2):232–40.
10. Silveira S, Amazarray MR. Preditores da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde na atenção básica de Porto Alegre / RS. Cad saúde colet. [Internet].2014 [citado 2018 Abr 22];22(4):386-392. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400040012.
11. Lima D, Pires P De, Elvira D, Forte N, Cristina E. Satisfação e insatisfação de profissionais de saúde da atenção básica. Esc Anna Nery [Internet]. 2014 Jan-Mar [citado 2018 Abr 22];18(1):17-24. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=127730129026. 2014.
12. Nogueira-Martins LA. Saúde mental dos profissionais de saúde. Rev Bras Med Trab Belo Horiz. 2003 Jul-Set;1(1):56–68.
13. De Jesus M. Abordagem multifatorial do absenteísmo por doença em trabalhadores de enfermagem. Rev Saúde Pública. 2012;46(2):259–68.
14. Carmo V, Ferreira S, Márcia S, Júnior M, Félix D, Sobrinho N, et al. Trabalho e saúde mental dos profissionais da Estratégia Saúde da Família em um município do Estado da Bahia, Brasil. Rev bras Saúde ocup São Paulo. 2012;37(126):306-15.
15. Trindade LDL, Lautert L, Lúcia C, Beck C, Amestoy SC, Elvira D, et al. Stress and burnout syndrome among workers of the Family Health team . Acta paul. enferm. 2010 Set-Out;23(5):684–9.
16. Miquelim JDL, Carvalho CBO, Gir E, Pelá NTR. Estresse nos profissionais de enfermagem que atuam em uma unidade de pacientes portadores de HIV-AIDS. J Bras Doenças Sex Transm. 2004;16(3):24–31.
17. Santana G, Carreiro P, De Oliveira M, Filha F, Lazarte R, Silva AO, et al. O processo de adoecimento mental do trabalhador da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletr Enf [Internet]. 2013 Jan-Mar [citado 2018 Abr 25];15(1):146–55. Disponível em :http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i1.14084.
18. Medeiros PA, Chequim L, Silva DA, De Amarante IM, Schimith MD. Condições de saúde entre profissionais da atenção básica em saúde do município de Santa Maria - RS. R bras ci Saúde. 2016;20(2):115–22.
19. Rossi SS, Santos PG, Passos JP. A síndrome de Burnout no enfermeiro:um estudo comparativo entre a Atenção Básica e setores fechados hospitalares. R Pesq Cuid fundam [Internet]. 2010 Out-Dez [citado 2018 Abr 25]; 2(4):1232-39. Disponível: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=565750833002.
20. Leonelli LB, Andreoni S, Martins P, Kozasa ES. Estresse percebido em profissionais da Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Epidemiol. 2017 Abr-Jun;20(2):286–98.
21. Carlotto MS. Transtornos mentais comuns em trabalhadores de Unidades Básicas de Saúde : prevalência e fatores associados. Psico Argum. 2016 Abr-Jun;34(85):133-46.
22. De Araújo TM, Mattos AIS, De Almeida MMG, Santos KOB. Aspectos psicossociais do trabalho e transtornos mentais comuns entre trabalhadores da saúde : contribuições da análise de modelos combinados. Rev bras epidemiol [Internet]. 2016 [citado 2018 Maio 25];19(3):645–57. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1980-5497201600030014.
23. Albuquerque FJB, Melo CF, Neto JLA. Avaliação da Síndrome de Burnout em Profissionais da Estratégia Saúde da Família da Capital Paraibana. Psicol Reflex Crit. 2012;25(3):542-49.
24. Moreira BJI, Horta JÁ, Duro LN, Borges DT, Cristofari AB, Chaves J, et al. Perfil sociodemográfico, ocupacional e avaliação das condições de saúde mental dos trabalhadores da Estratégia Saúde da Família em um município do Rio Grande do Sul, RS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016 Jan-Dez;11(38):1–12.
Publicado
2019-07-16
Seção
Artigos originais