Alterações de neuropsicológicas decorrentes de substâncias psicoativas

prejuízos cognitivos e implicações para o tratamento

Palavras-chave: Transtornos Relacionados ao Uso de Substâncias, Drogas Ilícitas, Córtex pré-frontal, Neuropsicologia

Resumo

O consumo abusivo de substâncias psicoativas (SPA) está associado a prejuízos no funcionamento das áreas frontais, especificamente do córtex pré-frontal sendo de grande importância o entendimento e descrição das alterações comportamentais, emocionais e cognitivas visando diagnóstico bem como prever o curso de tratamento adequado através da investigação neuropsicológica. Este trabalho teve o objetivo de identificar quais os impactos neuropsicológicos em decorrência do uso abusivo de substâncias psicoativas e analisar de que forma esses prejuízos influenciam no tratamento da dependência de substâncias psicoativas. A partir dos artigos analisados foi possível identificar a importância da avaliação neuropsicológica para o diagnóstico prognóstico do uso de substâncias psicoativas, além de identificar as alterações corticais (de córtex pré-frontal) afetadas pelo uso indevido de SPA bem como reflexo dessas alterações no desempenho e comportamento dos usuários de SPA. A realização desta pesquisa permite apontar que compreender esse contexto tem impacto direto no tratamento uma vez que as intervenções devem observar as capacidades e necessidades individuais dos usuários dos serviços de atenção objetivando a adesão ao tratamento e remissão dos sintomas.

Biografia do Autor

Aislan José de Oliveira, Universidade Metodista de São Paulo.

Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, doutorando em Psicologia da saúde pela Universidade Metodista de São Paulo, Mestre em Psicologia pela Universidade Tuiuti do Paraná e Especialista em Dependências Químicas. Atua como Psicólogo clínico e professor universitário com experiência na área de Psicologia clínica e Avaliação Psicológica, com ênfase em Dependências Químicas atuando principalmente nos seguintes temas: Tratamento (Comunidades Terapêuticas, Clínicas e Centro de Atenção Psicossocial), estruturação de serviços de tratamento, desenvolvimento, análise, avaliação e implementação de Programas Terapêuticos.

Look Skywalker Tida Lins, Centro Universitário Campos de Andrade.

Psicólogo Clínico.

Luiz Roberto Marquezi Ferro, Universidade Metodista de São Paulo.

Doutorando em Psicologia da Saúde pela Universidade Metodista de São Paulo. Mestre em Promoção de Saúde pela Universidade de Franca. Possui pós graduação em filosofia e ensino de filosofia (2011) pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais; graduação em Teologia pelo Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirao Preto (2003), graduação em Psicologia pela Universidade Paulista - UNIP (2011), graduação em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais (2007) e graduação em Filosofia pelo Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirao Preto (1999). Foi professor no Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirao Preto.

Regina Fujiko Tagava, Universidade Metodista de São Paulo.

Doutorando em Psicologia da Saúde na Universidade Metodista de SP e mestre em Gestão de Negócios pela Universidade Católica de Santos. Graduada em Pedagogia com especialização em Orientação Educacional e Administração Escolar pela Fundação Santo André, com formação em Psicodrama e Sociodrama Pedagógico pelo GETEP e Pós-Graduações Lato Sensu em Gestão da Qualidade Total pela Fundação Getúlio Vargas; Administração em Recursos Humanos pela Universidade São Judas Tadeu; e Gestão Educacional pela PUC Campinas. Atuação em Recursos Humanos em empresas de grande porte durante 15 anos. Atualmente coordenadora pedagógica e supervisora educacional da instituição Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC/SP; e professora tutora nos cursos de educação à distância da Estácio/UniSeb. Pesquisadora da área de Gestão de Competência, no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Gestão de Negócios da Universidade Católica de Santos.

Marco Aurélio Ramos de Almeida, Universidade Metodista de São Paulo.

Possui graduação em Enfermagem pela União Social Camiliana (2006) e graduação em Tecnologia em Radiologia Médica pela União Social Camiliana (2003). Atualmente é especialista em Enfermagem Cardiovascular pela UNIFESP (2008), mestre em Psicologia da Saúde pela Universidade Metodista de São Paulo (2012), doutorando em Psicologia da Saúde pela Universidade Metodista de São Paulo e docente do curso de graduação de enfermagem na Universidade Cruzeiro do Sul.

Cristina de Fátima Ventura, Universidade Metodista de São Paulo.

Doutoranda em Psicologia da Saúde na Universidade Metodista de São Paulo e mestre em Educação pela Universidade Metodista de São Paulo com especialização em Administração Hoteleira no Centro Universitário SENAC. Graduada e Licenciada em Psicologia pela Universidade Católica de Santos. Experiência com psicologia organizacional nas áreas de recrutamento, seleção , treinamento e desenvolvimento de pessoal em empresas de grande porte. Relevante experiência na área de educação na gestão de cursos da educação profissional e também na pós-graduação latu senso. Gestão administrativa e pedagógica de cursos nas diversas áreas do conhecimento, com experiência em gestão de pessoas.

Manuel Morgado Rezende, Universidade Metodista de São Paulo.

Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1979), mestrado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1993) e doutorado em Saúde Mental pela Universidade Estadual de Campinas (1999). Pós-Doutorado em Psicologia da Saúde pela Universidade do Algarve. Professor Titular da Universidade Metodista de São Paulo. Professor convidado do Doutoramento em Psicologia da Universidade do Algarve, Portugal.Professor aposentado da Universidade de Taubaté. Presidente fundador da Associação Brasileira de Psicologia da Saúde (ABPSA) período ( 2006-2008). Presidente atual da Associação Brasileira de Psicologia da Saúde ( 2015 - 2017) Editor da revista Mudanças: Psicologia da Saúde ( 2008-2011). Membro da Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental. Lider do Grupo de Pesquisa do CNPq Processos psicossociais na promoção de Saúde. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em psicologia da saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: riscos à saúde mental e à vida, abuso de substâncias, prevenção e tratamento de dependência de drogas, paternidade e promoção de saúde grupal e comunitária. Faz parte da rede de pesquisas sobre drogas do SENAD. Editor Associado da Revista Psicologia Saúde & Doenças. Membro do Conselho científico das revistas; Boletim de Psicologia, Revista Latino-americana de Psicopatologia Fundamental.

Referências

1. Board INC. Report of the International Narcotics Control Board 2004: 2005: United Nations Publications; 2013.

2. Laranjeira R. organizador. II Levantamento Nacional de álcool e drogas: o uso de cocaína e crack no Brasil. São Paulo: Unifesp, Inpad/Uniad, 2012.

3. Solowij N, Stephens RS, Roffman RA, Babor T, Kadden R, Miller M, et al. Cognitive functioning of long-term heavy cannabis users seeking treatment. Jama. 2002;287(9):1123-31.

4. Kolling NdM, Silva CRd, Carvalho JCN, Cunha SMd, Kristensen CH. Avaliação neuropsicológica em alcoolistas e dependentes de cocaína. Avaliação Psicológica. 2007;6(2):127-37.

5. Andrade VM, dos Santos FH, Bueno OFA. Neuropsicologia hoje. Porto Alegre: Artes Médicas; 2004.

6. Serafim AP, Saffi F. Neuropsicologia forense: Porto Alegre: Artmed; 2015.

7. Cunha PJ, Novaes MA. Avaliação neurocognitiva no abuso e dependência do álcool: implicações para o tratamento. Rev. Bras. Psiquiatr. 2004;26(Supl 1):23-7.

8. Pope HG, Gruber AJ, Yurgelun-Todd D. Residual neuropsychologic effects of cannabis. Current psychiatry reports. 2001;3(6):507-12.

9. Eckardt MJ, Martin PR. Clinical assessment of cognition in alcoholism. Alcoholism: clinical and experimental research. 1986;10(2):123-7.

10. Allen DN, Goldstein G, Seaton BE. Cognitive rehabilitation of chronic alcohol abusers. Neuropsychology Review. 1997;7(1):21-39.

11. Miller EK, Freedman DJ, Wallis JD. The prefrontal cortex: categories, concepts and cognition. Philosophical Transactions of the Royal Society of London B: Biological Sciences. 2002;357(1424):1123-36.

12. Fuentes D, Malloy-Diniz LF, de Camargo CHP, Cosenza RM. Neuropsicologia-: teoria e prática: Porto Alegre: Artmed; 2014.

13. Lezak MD, Howieson DB, Loring DW, Fischer JS. Neuropsychological assessment. Oxford: Oxford University Press; 2004.

14. Malloy-Diniz LF, Capellini G, Malloy-Diniz D, Leite W. Neuropsicologia no transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Porto Alegre: Artmed; 2008.

15. Malloy-Diniz LF, Paula JJF, Sedó M, Fuentes D, Leite WB. Neuropsicologia das funções executivas e da atenção. In: Fuentes D, Malloy-Diniz LF, Camargo CHP, Cosenza RM. Neuropsicologia: teoria e prática. 2. ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. p. 115-38.

16. Guerra L, Cozenza R. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed; 2011.

17. Robbins TW. Dissociating executive functions of the prefrontal cortex. Phil Trans R Soc Lond B. 1996;351(1346):1463-71.

18. Binsfeld Hess AR, Martins de Almeida RM, Moraes AL. Comorbidades psiquiátricas em dependentes químicos em abstinência em ambiente protegido. Estud. Psicol. 2012;17(1): 171-8.

19. Goldstein RZ, Volkow ND. Dysfunction of the prefrontal cortex in addiction: neuroimaging findings and clinical implications. Nature reviews neuroscience. 2011;12(11):652.

20. Cunha PJ, Oliveira PAd, Cortezzi M, Busatto GF, Scivoletto S. Executive dysfunction and low academic attainment in adolescent substance abusers with a history of maltreatment. MedicalExpress. 2015;2(6).

21. Brasil, Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Tratamento da dependência de crack, álcool e outras drogas: aperfeiçoamento para profissionais de saúde e assistência social. Brasília: SENAD; 2012.

22. Domingues SCA, Mendonça JB, Laranjeira R, Nakamura-Palacios EM. Drinking and driving: a decrease in executive frontal functions in young drivers with high blood alcohol concentration. Alcohol. 2009;43(8):657-64.

23. MacDonald S, Erickson P, Wells S, Hathaway A, Pakula B. Predicting violence among cocaine, cannabis, and alcohol treatment clients. Addict Behav. 2008;33(1):201-5.

24. Bolla K, Eldreth D, London E, Kiehl K, Mouratidis M, Contoreggi C, et al. Orbitofrontal cortex dysfunction in abstinent cocaine abusers performing a decision-making task. Neuroimage. 2003;19(3):1085-94.

25. Woicik PA, Moeller SJ, Alia-Klein N, Maloney T, Lukasik TM, Yeliosof O, et al. The neuropsychology of cocaine addiction: recent cocaine use masks impairment. Neuropsychopharmacol. 2009;34(5):1112.

26. Robinson TE, Kolb B. Structural plasticity associated with exposure to drugs of abuse. Neuropsychopharmacol. 2004;47:33-46.

27. Verdejo-Garcıa AJ, López-Torrecillas F, de Arcos FA, Pérez-Garcıa M. Differential effects of MDMA, cocaine, and cannabis use severity on distinctive components of the executive functions in polysubstance users: a multiple regression analysis. Addict Behav 2005;30(1):89-101.

28. Hoff AL, Riordan H, Morris L, Cestaro V, Wieneke M, Alpert R, et al. Effects of crack cocaine on neurocognitive function. Psychiatry research. 1996;60(2-3):167-76.

29. Bechara A, Dolan S, Denburg N, Hindes A, Anderson SW, Nathan PE. Decision-making deficits, linked to a dysfunctional ventromedial prefrontal cortex, revealed in alcohol and stimulant abusers. Neuropsychologia. 2001;39(4):376-89.

30. Solowij N. Do cognitive impairments recover following cessation of cannabis use? Life Sci. 1995;56(23-24):2119-26.

31. Pope Jr HG, Gruber AJ, Hudson JI, Cohane G, Huestis MA, Yurgelun-Todd D. Early-onset cannabis use and cognitive deficits: what is the nature of the association? Drug Alcohol Depend. 2003;69(3):303-10.

32. Capovilla A, Montiel J, Macedo EC, Charin S. Teste de stroop computadorizado. Programa de computador. São Paulo: Universidade São Paulo; 2005.

33. Hamdan AC, Pereira APdA. Neuropsychological assessment of executive functions: methodological questions. Psicol Reflex Cri 2009;22(3):386-93.

34. Assef ECdS, Capovilla AGS, Capovilla FC. Avaliação do controle inibitório em TDAH por meio do teste de geração semântica. Psicol teor prat. 2007;9(1):61-74.

35. Montiel J, Seabra A. Teste de trilhas-partes A e B. In: Montiel JMM, Seabra AG, organizadores. Avaliação neuropsicológica cognitiva: atenção e funções executivas. São Paulo: Memnon; 2012. p. 79-85.

36. Cozza H. Avaliação das funções executivas em crianças e correlação com atenção e hiperatividade. Itatiba: Universidade São Francisco; 2005.

37. Almeida PP, Monteiro M. Neuropsicologia e dependência química. In: Diehl A, et al, organizadores Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas Porto Alegre: Artmed; 2011.

38. Jungerman FS. Terapia cognitivo-comportamental aplicada ao tratamento de dependentes de maconha. In: Zanelatto NA, Laranjeira R. O tratamento da dependência química e as terapias cognitivo-comportamentais. Porto Alegre: Artmed; 2013. p. 479-92.

39. Gonçalves PD, Malbergier A, Andrade AGd, Fontes MA, Cunha PJ. Evidence of persistent executive function deficits in cannabis dependence after one month of abstinence. Braz J Psychiatry. 2010;32(4):461-4.

40. Gonçalves PD. Xadrez motivacional: uma nova abordagem de estimulação das funções executivas em dependentes de cocaína/crack [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2014.

41. Atherton M, Zhuang J, Bart WM, Hu X, He S. A functional MRI study of high-level cognition. I. The game of chess. Brain Res Cogn Brain Res. 2003;16(1):26-31.

42. Cunha P. Neuropsychological impairments in addiction: focus on prefrontal cortex and on adolescence as a critical period for brain maturation. Arq Med Hosp Fac Cienc Med St Casa São Paulo. 2009;54:127-33.
Publicado
2019-07-17
Seção
Artigos de revisão de literatura