CNES como instrumento de gestão e sua importância no planejamento das ações em saúde

Palavras-chave: Instalações de Saúde, Sistemas de Informação em Saúde, Gestão da Informação

Resumo

Este artigo objetiva descrever as várias maneiras como o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) foi aplicado como instrumento de gestão, utilizando a base de dados BVS, SciELO e LILACS. O CNES surgiu em 2001 para suprir as deficiências no cadastro dos Sistemas de Informação Ambulatorial e Hospitalar. Além de atender o proposto, atualmente o CNES é um documento público e sistema de informação oficial de cadastro de todos os estabelecimentos de saúde no país. Mostra-se confiável e com relevância de dados podendo desenvolver estudos no tocante à capacidade instalada e mão-de-obra assistencial. Contudo, é necessária a conscientização dos gestores em mantê-lo atualizado, pois é através do banco de dados do CNES que os governantes são instrumentalizados com informações capazes de subsidiar decisões baseadas em evidências para o planejamento das ações em saúde.

Biografia do Autor

Marcia Regina Pelissari, Secretara de Estado da Saúde do Paraná.

Bacharel em Economia Doméstica, Especialista em Vigilância Sanitária de Alimentos, Especialista em Gestão em Redes de Atenção à Saúde.

Referências

1. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Regulação, Avaliação e Controle. Sistemas de informação da atenção à saúde: contextos históricos, avanços e perspectivas no SUS. Brasilia: Cidade Gráfica; 2015.
2. Rocha TAH, Silva NC, Barbosa ACQ, Amaral PV, Thumé E, Rocha JV. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde: evidências sobre a confiabilidade de dados. Ciênc. saúde coletiva. 2018;23(1):229-40.
3. Carvalho CAD. Cadastro nacional de estabelecimentos de saúde (CNES): seu desenvolvimento, implantação e uma proposta para sua atualização/manutenção [dissertação]. Rio de Janeiro: ENSP; 2004..
4. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria de consolidação nº 1, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde, a organização e o funcionamento do Sistema Único de Saúde [Internet]. 2017 [citado 2019 Maio 9]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prc0001_03_10_2017.html.
5. Tomasi ARP, Rizzoto MLF. Análise da distribuição e composição profissional dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no Paraná. Saúde debate. 2013 Set; 37(98): 427-36.
6. Eberhardt LD, Carvalho M, Murofuse NT. Vínculos de trabalho no setor saúde: o cenário da precarização na macrorregião Oeste do Paraná. Saúde Debate. 2015 Mar;39(104):18-29.
7. AMORIM AS, Pinto Junior VL, Shimizu HE. O desafio da gestão de equipamentos médico-hospitalares no Sistema Único de Saúde. Saúde Debate. 2015 Jun;39(105):350-62.
8. Lima CRA. Gestão da qualidade de dados e informações dos sistemas de informação em saúde: subsídios para a construção de uma metodologia adequada ao Brasil [tese]. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/ENSP; 2010.
9. Machado JP, Martins M, Leite, IC. Qualidade de bases de dados hospitalares no Brasil: alguns elementos. Rev. bras. epidemiol. 2016 Set;19(3):567-81.
10. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 118, de 18 de fevereiro de 2014. Desativa automaticamente no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES) os Estabelecimentos de Saúde que estejam há mais de 6 (seis) meses sem atualização cadastral [Internet]. 2014 [citado 2019 Mar 16]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2014/prt0118_18_02_2014.html.
Publicado
2019-07-17
Seção
Artigos de revisão