Identificação segura do paciente

adequação do uso da pulseira por impressão térmica em um Hospital Público Universitário do Norte do Paraná

Palavras-chave: Sistemas de Identificação de Pacientes, Segurança do Paciente, Auditoria de enfermagem, Enfermagem

Resumo

O trabalho teve como objetivo avaliar o percentual de adequação ao uso da pulseira de identificação por impressão térmica em pacientes de um hospital público de ensino do Norte do Paraná. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e transversal realizado em 12 unidades assistenciais, de março a dezembro de 2017, por meio de auditoria operacional visando avaliar a efetividade da implantação do protocolo de identificação segura do paciente. Foram avaliados 3.853 pacientes, e 94,59% encontravam-se com a pulseira de identificação, mas foi constatada ausência principalmente nas unidades de pronto-socorro e pediatria. Quanto à legibilidade dos dados na pulseira houve 96,5% de adequação e mais de 98,0% das pulseiras apresentavam dados de identificação, com a integridade da pele em conformidade. Os resultados demonstraram a adequação desta meta de segurança do paciente na instituição podendo-se afirmar que esta prática foi consolidada enquanto estratégia gerencial de melhoria da qualidade da assistência.

Biografia do Autor

Rodrigo Martins de Souza, Universidade Estadual de Londrina.

Contador. Especialista em Gestão Hospitalar. Técnico em Assuntos Universitários da Divisão de Finanças e Orçamento – Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina.

Dagmar W. Vituri, Universidade Estadual de Londrina.

Enfermeira. Doutora. Coordenadora do Núcleo Interno de Regulação de Leitos – Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina.

Elisana Agatha Iakmiu Camargo Cabulon, Universidade Estadual de Londrina.

Enfermeira. Mestra. Assessoria de Controle de Qualidade da Assistência de Enfermagem – Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina.

Leila Garcia de Oliveira Pegoraro, Universidade Estadual de Londrina.

Enfermeira. Especialista em Gerência de Serviços de Enfermagem - Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina.

Eliane Cristina Sanches Maziero, Escola de Saúde Pública do Paraná.

Enfermeira. Doutora. Escola de Saúde Pública do Paraná.

Referências

1. Oliveira RM, Leitão IMTA, Silva LMS, Figueiredo SV, Sampaio RL, Gondim MM. Estratégias para promover segurança do paciente: da identificação dos riscos às práticas baseadas em evidências. Esc. Anna Nery [Internet].2014 [citado 2018 jul 10]; 18 (1): 122-129. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n1/1414-8145- ean-18-01-0122.pdf.

2. Hemesath MP, Santos HB, Torelly EMS, Barbosa AS, Magalhães AMM. Educational strategies to improve adherence to patient identification. Rev Gaúcha Enferm. [internet]. 2015 [citado 2018 ago 10]; 36(4):43-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ rgenf/v36n4/1983-1447-rgenf-36-04-00043.pdf.

3. Souza FT, Garcia MC, Rangel PPS, Rocha PK. Percepção da enfermagem sobre os fatores de risco que envolve a segurança do paciente pediátrico. Rev Enferm UFSM [internet]. 2014[citado 2018 ago 12]; Jan/Mar; 4(1): 152-162. Disponível em: file:///C:/Users/ dagmar/Downloads/8781-64606-1-PB.pdf.

4. OMS. Organização Mundial de Saúde. Estrutura conceitual da classificação internacional sobre segurança do doente [Internet]. Lisboa: OMS;2011. Disponível em: file:///C:/Users/DOCUMENTOS/ Downloads/i015730.pdf.

5. Brasil. Ministério da Saúde – Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente – Brasília 2014 – [citado 2018 ago 10]; Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/documento_referencia_programa_nacional_seguranca. Pdf

6. Needleman J, Buerhaus P, Pankratz VS, Leibson CL, Stevens S, Harris M. Nurse staffing and inpatient hospital mortality. New Engl J Med. 2011;364(11):1037-45.

7. Curran CR, Totten MK. Governing for improved quality and patient safety. Nurs Econ. 2011;29(1):38-41.

8. World Health Organization. Joint Comission Resources. Joint Comission International. Patient Safety Solutions. Solution 2: patient identification [Internet]. Genebra; 2007 [citado em: 30 maio 2018]. Disponível em: http://www. jointcommissioninternational. org/WHO-Collaborating-Centre-for-Patient-Safety-Solutions.

9.Norris B, Ranger C. Standardising Wristbands Improves Patient Safety: guidance on implementing the safer practice notice (SPN 24, July 2007) and the related information stands approved by the Information Standards Board for Health and Social Care in March 2009 [Internet]. London: National Patient Safety Agency; 2009 [citado 20 jul 2018]. Disponível em: http:// www.npsa.nhs. uk/ Easysiteeeb/getresource.axd?AssetID=57989&type=Full&ser vicetype=Attachmen.

10. Consórcio Brasileiro de Acreditação, Joint Commission International. Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais [internet]. Rio de Janeiro: JCI; 2007. [citado 15 ago 2018]. Disponível em: https://www.jcrinc.com/assets/1/14/ EBJCIH14B_Sample_Pages.pdf.

11. Hoffmeister LV, Moura GMSS. Uso de pulseiras de identificação em pacientes internados em um hospital universitário. Rev. Latino- Am. Enfermagem jan.-fev 2015;23(1):36-43.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo de Identificação do Paciente. Brasília: Ministério da Saúde; 2013 [citado em: 12 ago 2018]. Disponível em: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/ index.php/publicacoes/item/identificacao-do-paciente.

13. Smith, AF., Casey K, Wilson J; Fischbacher-Smith D. Wristbands as aids to reduce misidentification: an ethnographically guided task analysis. Int J Qual Health Care. 2011; 23(5):590-9.

14. Porto TP, Rocha PK , Lessmann JC , Souza S, Kretzer L, Anders JC Identificação do Paciente em Unidade Pediátrica: Uma questão de segurança. Rev. Soc. Bras.[internet] Enferm. Ped. 2011; 11(2); 67-74. [citado em: 25 ago 2018]. Disponível em: http://www. sobep.org.br/revista/images/stories/pdf-revista/vol11-n2/v.11_n.2- art1.a-identificacao-do-paciente.pdf.

15. Wegner W, Pedro ENR. A segurança do paciente nas circunstâncias de cuidado: prevenção de eventos adversos na hospitalização infantil. Rev. latino-am. enferm.;[internet]. 2012; 20 (3): 427-434, [citado em: 10 ago 2018]. Disponível em: http://www. scielo.br/pdf/rlae/v20n3/pt_a02v20n3.pdf.

16. Santos CM, Caregnato RCA, Moraes CS. Surgical Team: Adherence To Goal One To a Safe Surgery. Rev. SOBECC, São Paulo. out./dez. - [internet] 2013; 18(4): 47-56 [citado em 28 ago 2018]. Disponível em: http://sobecc.org.br/arquivos/artigos/2014/pdfs/ revisao-leitureitura/Ano18_ n4_out _dezet2013-9.pdf.

17. Tase TH, Lourenção DCA, Bianchini SM, Tronchin DMR. Patient identification in healthcare organizations: an emerging debate. Rev Gaúcha Enferm. [internet] 2013;34(2):196-200 [citado em: 28 ago 2018]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v34n3/ en_a25v34n3.pdf.

18. Howanitz PJ, Renner SW, Walsh MK. Continuous Wristband Monitoring Over 2 Years Decreases Identification Errors. A College of American Pathologists Q-Tracks Study. Arch Pathol Lab Med. 2002;126: 809-15.

19. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 2.095, de 24 de setembro de 2013. Anexo 2: Protocolo de identificação do Paciente. Ministério da Saúde/ Anvisa/ Fiocruz, 2013. [citado em: 30 ago 2018]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/0SEGURANCA_DO_ PACIENTE /portaria_2095_2013.pdf.

20. Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente. Estratégias para a segurança do paciente: manual para profissionais da saúde. Porto Alegre: Edipucrs; 2013. [citado em: 23 set 2018]. Disponível em: https://www.rebraensp.com.br/images/publicacoes/ manual_seguranca_paciente.pdf.
Publicado
2019-07-17