Diretivas antecipadas de vontade na Atenção Primária

Palavras-chave: Saúde Mental, Saúde do Idoso, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Este Relato de Experiência apresenta o processo de elaboração de um Projeto de Intervenção no campo de concentração da Saúde Mental. Entre 2017 a 2018 foi realizada análise da situação de saúde da população local que resultou em um diagnóstico situacional e com base nos problemas foram propostas ações de saúde. O problema priorizado foi o processo de envelhecimento e morte da população de um município de médio porte. O objetivo foi apresentar possibilidades de intervenção para qualificação da equipe de saúde sobre as Diretivas Antecipadas de Vontade. Foi utilizada a matriz 6W3H para descrever a metodologia do projeto, que foi planejado para intervenção em uma Unidade de Saúde de referência na Atenção Primária para o cuidado de uma população com grande número de idosos. Foram planejadas ações de educação permanente, monitoramento, avaliação, bem como análise de viabilidade do projeto.

Biografia do Autor

Andressa Costa da Cunha

Médica na Atenção Primária no Município de Ponta Grossa - PR, especialista em Saúde da Família, Especialista em Saúde Mental na Atenção Primária.

Alexandre Carvalho Gliosci

Médico na Atenção Primária no Município de Curitiba - PR, Especialista em Psiquiatria, Especialista em Saúde Mental na Atenção Primária.

Marcio José de Almeida

 Médico. Professor nas Faculdades Pequeno Príncipe. Doutor em Saúde Pública.

Giseli Cipriano Rodacoski

Psicóloga na PUCPR: SEAP – Serviço de Apoio Psicopedagógico; Docente na Escola de Saúde Pública do Paraná. Curitiba-PR. Mestre em Educação, Doutora em Biotecnologia - linha de pesquisa: Ensino na Saúde.

Referências

1. Moreira MS. Diretivas Antecipadas de Vontade: um estudo sobre a declaração prévia para o fim da vida/ Análise a partir do contexto brasileiro contemporâneo. In: Dadalto L (coord). Diretivas Antecipadas de Vontade: ensaios sobre o direito à autodeterminação. Belo Horizonte: Letramento; 2013.

2. Neves MEO. Percepção dos enfermeiros sobre Diretivas Antecipadas de Vontade. Viseu, Portugal. Dissertação [Mestrado em Enfermagem Médico-Cirúrgica] - Escola Superior de Saúde de Viseu; 2013.

3. Conselho Federal de Medicina (Brasil). Resolução CFM n° 1995/2012. Brasília; 2012.

4. Botti NCL, Andrade WV. A saúde mental na atenção básica: articulação entre os princípios dos SUS e da Reforma Psiquiátrica. Cogitare enferm 2008 Jul-set;13(3):387-94.

5. Nepomuceno L.B, Brandão IR. Psicólogos na Estratégia Saúde da Família: caminhos percorridos e desafios a superar. Psicol Ciênc Prof 2011;31(4):762-777.

6. Nascimento GA. Saúde Coletiva e PSF: o campo de atuação do psicólogo. Monografia [Graduação em Psicologia] - Universidade Nove de Julho; 2015.

7. Conselho Federal de Medicina - CFM. Código de ética médica. Resolução nº 1.931, de 17 de setembro de 2009. Brasília; 2009.

8. Reich WT. Como surgiu o neologismo bioética? In: Pessini L, Barchifontaine CP. Problemas atuais de bioética. 10. ed. São Paulo: Centro Universitário São Camilo; 2012.

9. Callahan D. Bioética: alguns aspectos de sua gênese e de seu desenvolvimento. In: Pessini L, Barchifontaine CP. Problemas atuais de bioética. 10. ed. São Paulo: Centro Universitário São Camilo; 2012.

10. Pessini L. Dignidade humana nos limites da vida: reflexões éticas a partir do caso Terri Schiavo. Bioética 2005;13(2):65-76.

11. Kipper DJ. Medicina e os cuidados de final de vida: uma perspectiva brasileira e latino-americana. In: Pessini L, Garrafa V, organizadores. Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola; 2003.

12. Pessini L. Questões éticas-chave no debate hodierno sobre a distanásia. In: Pessini L, Garrafa V, organizadores. Bioética: poder e injustiça. São Paulo: Loyola; 2003.

13. Carvalho RT. Legislação em cuidados paliativos. In: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Cuidado paliativo. São Paulo; 2008.

14. Garcia JBS. Eutanásia, distanásia ou ortotanásia? Rev. Dor. 2011;12(1):3.

15. Penalva LD. Declaração prévia de vontade do paciente terminal. Bioética 2009;17(3):523-543.

16. Dadalto L. Distorções acerca do testamento vital no Brasil (ou o porquê é necessário falar sobre uma declaração prévia de vontade do paciente terminal). Bioética y derecho 2013;28:61-71.

17. Dadalto L. Reflexos jurídicos da Resolução CFM 1.995/12. Bioética 2013;21(1).

18. Dadalto L, Tupinambás U, Greco DB. Diretivas antecipadas de vontade: um modelo brasileiro. Bioética 2013;21(3):463-76.

19. Nunes R. Testamento vital. Pediatria do Centro Hospitalar do Porto 2012;21(4).

20. Dadalto L. Capacidade versus discernimento: quem pode fazer diretivas antecipadas de vontade? In: Dadalto L, coordenador. Diretivas Antecipadas de Vontade: ensaios sobre o direito à autodeterminação. Belo Horizonte: Letramento; 2013.

21. Rajão RBD. Diretivas Antecipadas de Vontade e a Eutanásia. In: Dadalto L, coordenador. Diretivas Antecipadas de Vontade: ensaios sobre o direito à autodeterminação. Belo Horizonte: Letramento. 281p. ; 2013.

22. Alves CA, Fernandes MS, Goldim JR. Diretivas antecipadas de vontade: um novo desafio para a relação médico-paciente. Rev HCPA 2012; 32(3):358-362.

23. Ribeiro DC. Autonomia: viver a própria vida e morrer a própria morte. Cad Saude Publica 2006;22(8):17-49.

24. CFM – Conselho Federal de Medicina. Resolução n.1.805/2006. Brasília: CFM, 2006. Acesso em 07 de abril 2018. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/ cfm/2006/1805_2006.htm

25. BRASIL. Código Civil. Lei 10406 de 10 de janeiro de 2002. Artigo nº15. Acesso em 07 de abril 2018. Disponível em: https:// presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/91577/codigo-civil-lei- 10406-02#art-15

26. CFM – Conselho Federal de medicina. Resolução CFM n° 1995/2012. Brasilia; 2012.

27. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/.
Publicado
2019-07-18
Como Citar
1.
da Cunha A, Gliosci A, Almeida M, Rodacoski G. Diretivas antecipadas de vontade na Atenção Primária. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 18jul.2019 [citado 30set.2022];2:26-7. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/239