Visibilidade do risco psíquico em crianças na atenção primária

Palavras-chave: Criança, Saúde Mental, Continuidade de Assistência ao Paciente, Desenvolvimento Infantil.

Resumo

A fim de sensibilizar e esclarecer possíveis sinais de sofrimento psíquico em bebês, ou algum tipo de risco à saúde mental, com vistas a uma estimulação a tempo, o presente Projeto Aplicativo tem como objetivo realizar um acompanhamento permanente de uma Unidade de Atenção Primária de Saúde (UAPS) de um território. A metodologia utilizada para elaboração foi pesquisa bibliográfica e de dados acerca da realidade do município e suas necessidades. Para a execução do projeto, a metodologia escolhida foi ações de matriciamento, através dos itens/sinais que estão contemplados nos Indicadores Clínicos de Risco para o Desenvolvimento Infantil (IRDI). Como resultado é esperada a conscientização dos profissionais da atenção primária acerca da necessidade de acompanhamento da saúde mental dos bebês e suas famílias, como também ações que possam envolver a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), para uma estimulação a tempo neste aspecto.

Biografia do Autor

Isabel Cristina Soder, Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Psicóloga pela UFPR. Especialista em Educação Especial pela UNIOESTE – campus Marechal Cândido Rondon e em Psicanálise Clínica pela PUCPR- campus Toledo.

Inês Terezinha Pastório, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).

Assistente Social pela UNIOESTE. Pesquisadora do Grupo de Estudo e Pesquisa em Políticas Ambientais e Sustentabilidade (GEPPAS) e do Grupo Interdisciplinar e Interinstitucional de Pesquisa e Extensão em Desenvolvimento Sustentável (UNIOESTE). Mestre e Doutoranda em Desenvolvimento Rural Sustentável (PPGDRS), pela UNIOESTE, Campus de Marechal Cândido Rondon.

Giseli Cipriano Rodacoski, Escola de Saúde Pública do Paraná.

Psicóloga, Mestre em Educação, Doutora em Biotecnologia - linha de pesquisa: Ensino na Saúde. Professora na Escola de Saúde Pública do Paraná. Curitiba-PR.

Referências

1. Kupfer MCM et al. (2009). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology Online, 6(1), 48-68. [ Links ]

2. Lancetti A. Curso de Aperfeiçoamento em Saúde Mental. Mod.3 – O Projeto Terapêutico Singular e o Trabalho de Matriciamento. ED. UNA – SUS/UNIFESP, 2015.

3. Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. PESQUISA SOCIAL: Teorias, métodos e criatividade. 30ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

4. Melo EA, org. Trabalho em equipe na perspectiva da organização e pactuação inicial do trabalho. In Melo, EA, org. Caderno do Curso de Apoio Matricial na Atenção Básica com Ênfase nos NASF: Aperfeiçoamento. 2ª Ed. Rio de Janeiro-RJ: EAD/ENSP/FIOCRUZ, 2016.

5. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de atenção à saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Fórum Nacional de Saúde Mental Infantojuvenil: Recomendações de 2005 a 2012. Brasilia –DF 2014.
Publicado
2019-07-18
Como Citar
1.
Soder I, Pastório I, Rodacoski G. Visibilidade do risco psíquico em crianças na atenção primária. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 18jul.2019 [citado 30set.2022];2:47-2. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/241