Grupos BALINT-PAIDÉIA

uma clínica reflexiva para as equipes de AP no âmbito da saúde mental

Palavras-chave: Balint, Paideia, Balint-Paideia, Clínica Reflexiva, Clínica Ampliada

Resumo

Os grupos Balint estudavam a relação médico-paciente, as transferências e contratransferências destas relações. Já o método grupal Paidéia trata-se de uma rede de apoio, com dispositivos de clínica ampliada, projeto terapêutico singular, equipe de referências e apoio matricial e institucional. O estudo em pauta propõe a implantação do grupo “BALINT-PAIDÉIA”1 como uma clínica reflexiva para as equipes de atenção primária no âmbito da saúde mental do município de Colombo, região metropolitana de Curitiba-PR. Acredita-se, conforme pesquisas, que o método contribua para a ampliação das análises de intervenções, e a redução das filas dos usuários com diminuição dos encaminhamentos equivocados; tendo-se como expectativas a melhora no atendimento aos usuários do serviço de saúde e na qualidade de vida da população, incluindo dos servidores. O estudo ainda inclui ferramentas para aplicação do projeto; por meio da revisão literária, da proposta metodológica e anexos que incluem roteiros de apresentação de casos clínicos e gerenciais.

Biografia do Autor

Maike Bruinjé

Psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS-II) Colombo-PR e Psicóloga Clínica e Psicopedagoga em Curitiba-PR.

Deivisson Vianna Dantas dos Santos

Médico, Psquiatra, Mestre e Doutor em Saúde Coletiva pela UNICAMP, Professor Doutor na Universidade Federal do Paraná. Curitiba-PR.

Referências

1. Cunha GT, Dantas DV. Uma contribuição para co-gestão da clínica: GRUPOS BALINT-PAIDÉIA - Manual de Práticas em Atenção Básica: Saúde Ampliada e Compartilhada – UNICAMP; 2010. Acesso em: 15/11/2016.

2. Correia VR, Barros S, Colvero LA. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(6):1501-6;www.ee.usp.br/reeusp/ . Acesso em: 26/03/2017.

3. Aosani TR; Nunes KG. A saúde mental na atenção básica: a percepção dos profissionais de saúde. Rev. Psicol. Saúde [online]. 2013, vol.5, n.2, pp. 71-80. ISSN 2177-093X. Acesso em: 26/03/2017. (Coimbra et al. (2007) apud Aosani e Nunes (2013))

4. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Tabelas e informações referentes a perfil socioeconômico e demográfico, 2009-2015 e senso de 2000 < http://www.ibge. gov.br>. Acesso em 01/05/2016.

5. INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (IPARDES). Tabelas e informações referentes a perfil socioeconômico e demográfico, 2010. 2000 < http://www.ipardes.gov.br>. Acesso em 01/05/2016.

6. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório sobre a saúde no mundo 2001- Saúde Mental: Nova Concepção, Nova Esperança. OMS, 2001, 150 f. . Acessado em 01/05/2016.

7. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS). Diretrizes Assistenciais em Saúde Mental na Saúde Suplementar, 2008. . Acesso em 01/05/2016.

8. COLOMBO – PREFEITURA MUNICIPAL- SECRETARIA DE SAÚDE. Instrumentos de Gestão: Plano Municipal de Saúde -2010-13.PDF. Disponível em Acesso em 01/05/2016.

9. ______________________________________________ __________________. Instrumentos de Gestão: Plano Municipal de Saúde -2014-17. PDF. Disponível em . Acesso em 01/05/2016.

10. DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA. Tabela de credenciamento e implantação das estratégias de Agentes Comunitários de Saúde, Saúde da Família e Saúde Bucal: Relatório de cobertura Município de Colombo. . Acesso em 28/10/2016.

11. BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Coordenação de Saúde Mental/ Coordenação de Gestão da Atenção Básica. Saúde mental e Atenção Básica: o vínculo e o diálogo necessários. Brasília: Ministério da Saúde; 2003. [Mimeo]. . Acesso em: 28/10/2016.

12. ____________________________________. Coordenação de Saúde Mental; Coordenação de Gestão da Atenção Básica Ministério da Saúde.(Obs. por favor verificar com os autores do texto, pois esta referência não encontrei na internet, para verificar se está tudo correto. Circular conjunta n. 01, de 13 de novembro de 2003. Saúde Mental e Atenção Básica: o vínculo e o diálogo necessários [Internet]. Brasília; 2003 [citado 2010 fev. 15]. < http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/diretrizes.pdf>. Acesso em 26/03/2017.

13. Figueiredo MD, Campos RO. Saúde Mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciência & Saúde Coletiva. ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva, v. 14, n. 1, p. 129-138,2009.. Acesso em 26/03/2017.

14. ____________________________________. Caderno de Atenção Básica, n0 34: Saúde Mental. Brasília-DF; 2013. . Acesso em 28/10/2016.

15. Campos RO et al. Saúde mental na atenção primária à saúde: estudo avaliativo em uma grande cidade brasileira. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 16, n. 12, p. 4643-4652, Dec. 2011 . Disponível em . http://dx.doi. org/10.1590/S1413-81232011001300013. Acesso em: 28/10/2016.

16. Santos, DVD. Uso de Psicotrópicos na Atenção Primária no Distrito Sudoeste de Campinas e sua Relação com os Arranjos da Clínica Ampliada: “UMA PEDRA NO SAPATO”. 2009. 96 f. Tese (Mestrado em Saúde Coletiva) - Departamento de Medicina Preventiva, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009. . Acesso em 28/10/2016.

17. Campos GWS, Oliveira MM. Apoios matricial e institucional: analisando suas construções. Temas Livres, 2013; p.229-238. DOI: 10.1590/1413-81232014201.21152013. . Acesso em 28/10/2016.

18. Campos GWS et al. A aplicação da metodologia Paidéia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface, comunicação saúde educação, 2014; 18 Supl 1:983-995. Artigos Unicamp. DOI: 10.1590/1807-57622013.0324.. Acesso em: 15/11/2016.

19. Campos GWS. et al. Espirais D´Ascenso: as contribuições de Balint e da Psicologia Grupal para a potencialização do Método da Roda - Manual de Práticas em Atenção Básica: Saúde Ampliada e Compartilhada – UNICAMP; 2010. Acesso em:28/10/2016.

20. Balint M. O médico, seu paciente e a doença. Rio de Janeiro: Atheneu, 1988.

21. Brandão J. Relação médico-doente: Sua complexidade e papel dos grupos Balint. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, [S.l.], v. 23, n. 6, p. 733-44, nov. 2007. ISSN 2182-5173. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2017.

22. CAMPINAS, SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Projeto Paidéia Saúde da Família. 2001. . Acesso em: 28/10/17.

23. Cunha GT. Grupos Balint Paidéia: Uma contribuição para a cogestão e a clínica ampliada na Atenção Básica. Campinas, SP: [s./n.], 2009, Tese (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas. . Acesso em: 15/11/2016.

24. Cardoso CFS. Como elaborar um projeto de pesquisa. Universidade Federal Fluminense - Centro de Estudos Gerais Instituto de Ciências Humanas e Filosofia;2015.. Acesso em: 30/04/2017.

25. PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO. Portal de Transparência: Cargos e salários.. Acesso em 30/04/2017

26. Amarante PDC, Torre EHG. 30 Anos de Reforma Brasileira: lutando por cidadania e democracia na transformação das políticas públicas da sociedade brasileira. Recife: Editora Universitária UFPE, 2010.

27. Brandt JA. Balint: Suas especificidades e seus potenciais para uma clínica das relações no trabalho; Rev. SPAGESP vol.10 n. 1 Ribeirão Preto jun. 2009. Universidade Bandeirante de São Paulo – UNIBAN . Acesso em: 28/10/2016.

28 Brotto TCA, Dalbello-Araujo M. É inerente ao trabalho em saúde o adoecimento de seu trabalhador? Rev. bras. saúde ocup. [online]. 2012, vol.37, n.126 [cited 2016-08-31], pp.290-305. Available from: . ISSN 0303- 7657. Acesso em: 26/03/2017.

29. CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE, 12., 2013. Contribuição dos grupos balint na relação médico-paciente: um relato de experiência. Anais...Belém: Congr Bras Med Fam Comunidade, 2013 Maio;12:22. . Acesso em 26/03/2017.

30.Pires ML. Entre a estratégia saúde da família e o núcleo de apoio à saúde da família: o que se nomeia demanda de saúde mental? Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva; 2014. http://hdl.handle.net/10183/108954. . Acesso em: 26/03/2017.
Publicado
2019-07-18