Rede de cuidados no SUS e SUAS

fortalecimento da rede de atenção psicossocial para atendimento de demandas de saúde mental

  • Viviane Genovezzi Salatiel
  • Regina Coeli Lise
Palavras-chave: Sistemas de Identificação de Pacientes, Saúde da Família, Saúde mental, Atenção primária à saúde, Gestão da Qualidade em Saúde

Resumo

O presente artigo refere-se a um Projeto de Intervenção, cujo objetivo principal é organizar o processo de trabalho para inclusão do atendimento das demandas em Saúde Mental na Atenção Primária. Para propiciar tal intervenção, o Apoio Matricial e a Tecnologia Relacional são as metodologias indicadas, pois viabiliza o desenvolvimento de ações de sensibilização dos profissionais para fortalecimento da Rede de Cuidados às pessoas com sofrimento e/ou transtorno mental. Idealiza-se um trabalho de ação com práticas intersetoriais entre a Atenção Básica (Saúde – SUS) e a Proteção Básica (Assistência Social – SUAS), visto que ambos os campos de atuação são de suma importância na construção da Rede de Cuidados, assim como possuem muitos objetivos em comum. Não foi realizado projeto-piloto, contudo, espera-se amenizar o estigma e preconceito em relação aos pacientes com sofrimento psíquico e/ou transtorno mental, oferecendo cuidados aos mesmos na Atenção Primária e na Proteção Básica, aumentando assim a resolutividade do atendimento às demandas de Saúde Mental no próprio território do paciente, nos serviços de referência.

Biografia do Autor

Viviane Genovezzi Salatiel

Psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Pós graduação em Saúde Mental – Faculdades Itecne, 2013, Programa de Saúde da Família – Faculdades Estácio de Sá, 2015, Saúde Mental na Atenção Primária – Escola de Saúde Pública do Paraná, 2017.

Regina Coeli Lise

Psiquiatra.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 3ª ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

2. Paulin T, Luzio CA. A Psicologia na Saúde Pública: desafios para a atuação e formação profissional. Revista de Psicologia da UNESP 2009; 8(2): 98

3. Nepomuceno LB, Brandão IR. Psicólogos na estratégia saúde da família: caminhos percorridos e desafios a superar. Psicologia: Ciência e Profissão 2011; 31(4), 762-777

4. Nascimento, GA. Saúde Coletiva e PSF: O Campo de Atuação do Psicólogo.(Obs.? favor verificar com o responsável pelo texto, pois não consegui achar este nome na Internet) Dissertação Universidade Nove de Julho 2015

5. BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº. 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.

6. Klein KB. As possibilidades da psicologia dentro de um programa de saúde da família. CES Revista, p.177-185, 2009.

7. Cunha GT. A construção da clínica ampliada na atenção básica. São Paulo: Hucitec, 2005. 212p.

8. Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública 1999;2(15):345-53.

9. Hori AA, Nascimento AF. O Projeto Terapêutico Singular e as práticas de saúde mental nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) em Guarulhos (SP), Brasil. Ciênc. saúde coletiva [serial on the Internet]. 2014 Aug [cited 2015 Apr 11]; 19(8): 3561-3571

10. Gonçales CAV, Machado AL. As tecnologias do cuidado em saúde mental. Arq Med Hosp. Fac. Ciênc Med Santa Casa São Paulo. 2013;58(3):146-50.

11. Amarante PDC, Oliveira WF. A inclusão da saúde mental no SUS: pequena análise cronológica do movimento da reforma psiquiátrica e perspectivas de integração. Dynamis Revista Tecnocientífica. Blumenau, Editora da FURB. V.12, n.47, p.6-21, 2004.

12. Saraceno B. A concepção de reabilitação psicossocial como referencial para as intervenções terapêuticas em saúde mental. Rev Ter Ocup. 1998; 9:26-31

13. Boing E, Crepaldi MA. O Psicólogo na atenção básica: uma incursão pelas políticas públicas de saúde Brasileiras. Psicologia, Ciência e Profissão, v.30, n.3, p.634-649, 2010.

14. Souza J, Luis MAV. Demandas de saúde mental: percepção de enfermeiros de equipes de saúde da família. Acta Paul. Enferm 2012; 25(6): 852-858.

15. Amarante P, Lancetti A. Saúde Mental e saúde coletiva. In: Campos, Gastão Vagner de Sousa [et al.] Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2009.

16. Pande MNR, Amarante PDC. Desafios para os Centros de Atenção Psicossocial como serviços substitutivos: a nova cronicidade em questão. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2011 Apr [cited 2019 Apr 08] ; 16( 4 ): 2067-2076. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413- 81232011000400006&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413- 81232011000400006.

17. Costa-Rosa A. O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. In: Amarante P (org.). Ensaios – subjetividade, saúde mental, sociedade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000. p.141-168.

18. Cavalheri SC. Transformações do modelo assistencial em saúde mental e seu impacto na família. Rev. bras. enferm. 2010;63(1):51-7.
Publicado
2019-07-19