Programa de incentivo ao aleitamento materno em creches de Curitiba-PR: percepção de profissionais da educação infantil

Palavras-chave: Aleitamento Materno, Lactentes, Alimentação materna, Creches

Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar a percepção de profissionais da educação infantil quanto ao programa de incentivo ao aleitamento materno em creches do município de Curitiba-PR. Estudo transversal, de caráter quantitativo, realizado em 40 centros municipais de educação infantil (CMEI) participantes do Programa Mama Nenê. Ao todo, participaram do estudo 108 profissionais. Para a coleta de dados, foram aplicados questionários estruturados com perguntas fechadas. Foi realizada análise descritiva dos dados. Com base na percepção dos profissionais entrevistados, as creches analisadas incentivam o aleitamento materno por meio do Programa Mama Nenê, utilizando estratégias significativas. Contudo, foi verificada baixa adesão das mães à iniciativa de usar os espaços físicos das creches para amamentar, conhecidos como “cantinhos da amamentação”. Para a criação de condições mais favoráveis à continuidade da amamentação nestas instituições, a educação em saúde e a adequação das leis que protegem mulheres trabalhadoras que amamentam são questões fundamentais.

Biografia do Autor

Lais dos Santos, Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba

Nutricionista Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba-PR

Rubia Daniela Thieme, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Docente da Universidade Positivo (UP) e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Referências

1. World Health Organization. Metas mundiales de nutrición 2025: documento normativo sobre lactancia materna [Global nutrition targets 2025: breastfeeding policy brief]. Geneva: World Health Organization; 2017.

2. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

3. Victora C, Bahl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016; 387(10017): 475-90.

4. Black RE, Victora CG, Walker SP, Bhutta Z, Christian P, de Onis M, et al. Maternal and child undernutrition and overweight in low-income and middle-income countries. Lancet. 2013; 382(9890):427–51

5. World Health Organization. World Health Statistics 2013. Geneva: World Health Organization; 2013.

6. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. II Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno nas Capitais Brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

7. Javanparast S, Newman L, Sweet L, McIntyre, E. Analysis of breastfeeding policies and practices in childcare centres in Adelaide, South Australia. Matern Child Health J. 2012; 16(6):1276-83.

8. Javanparast S, Newman L, Sweet L, McIntyre, E. A Survey of child care centers about breastfeeding support in Adelaide, South Australia. J Hum Lact. 2013; 29(2):230–35.

9. Mangrio E, Persson K, Bramhagen AC. Sociodemographic, physical, mental and social factors in the cessation of breastfeeding before 6 months: a systematic review. Scand J Caring Sci. 2018 Jun;32(2):451-465.

10. Nkrumah, J. Maternal work and exclusive breastfeeding practice: a community based cross-sectional study in Efutu Municipal, Ghana. Int Breastfeed J. 2017 Fev 10;12:10

11. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. Brasília: Ministério da Saúde; 2013

12. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.130, de 5 de agosto de 2015. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 6 Ago 2015 [acesso em 2019 Out 11]. Seção 1, p. 37. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1130_05_08_2015.html.

13. Prefeitura Municipal de Curitiba. Mama Nenê dez anos: educação certifica 128 creches que apoiam a amamentação [Internet]. Prefeitura Municipal de Curitiba. 2017 Mar 28 [acesso em 2017 Ago 20]. Disponível em http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/educacao-certifica-128-creches-que-apoiam-a-amamentacao/41662.

14. Prefeitura Municipal de Curitiba. Educação: Mama Nenê garantiu o benefício da amamentação para quase 5 mil bebês [Internet]. Prefeitura Municipal de Curitiba. 2016 [acesso em 2017 Ago 20]. Disponível em http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/mama-nene-garantiu-o-beneficio-da-amamentacao-para-quase-5-mil-bebes.

15. Longo-Silva, G, Taddei, JAAC, Konstantyner, T, Tolini, MHA. Percepções de educadores de creches acerca de práticas cotidianas na alimentação de lactentes: impacto de um treinamento. Ciênc Saúde Colet. 2013;18(2):545-52.

16. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno Estatístico do Município de Curitiba [Internet]. Curitiba: IPARDES; 2017. [acesso em 2017 Ago 29]. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/cadernos/MontaCadPdf1.php?Municipio=80000.

17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010 [Internet]. Brasília: IBGE; 2010 [acesso em 2017 Ago 29]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm.

18. Brasil, Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar de Educação Básica 2016 [Internet]. Brasília: INEP; 2017. [acesso em 2017 Ago 29]. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatistics/2017/notas_estatisticas_censo_escolar_da_educacao_basica_2016.pdf.

19. Curitiba, Secretaria Municipal da Educação. Localização das unidades educacionais [Internet]. Curitiba: Prefeitura Municipal de Curitiba; 2017 [acesso em 2017 Ago 29]. Disponível em https://educacao.curitiba.pr.gov.br/unidades/.

20. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. Nosso bairro: Cidade Industrial [Internet]. Curitiba: IPPUC; 2015 [acesso em 2017 Ago 29]. Disponível em: http://www.ippuc.org.br/nosso%20bairro/anexos/75-Cidade%20Industrial%20de%20Curitiba.pdf.

21. Region of Waterloo Public Health. Creating a breastfeeding friendly workplace strategy: a toolkit for employers. Kitchener: Region of Waterloo; 2015 [acesso em 2017 Ago 29]. Disponível em: https://www.regionofwaterloo.ca/en/doing-business/resources/Documents/Breastfeeding_Friendly_Workplace_Toolkit.PDF.

22. Ministério da Saúde; Universidade do Estado do Rio de Janeiro. A creche como promotora da amamentação e da alimentação adequada e saudável: livreto para os gestores. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

23. Population Health, Southern NSW Local Health District. Encouraging & supporting breastfeeding In childcare: resource kit [Internet]. New South Wales: NSW Ministry of Health; 2014 [acesso em 2017 Set 01]. Disponível em: http://thespoke.earlychildhoodaustralia.org.au/wp-content/uploads/2015/11/EncouragingSupportingBreastfeedingInChildcareResourceKit.pdf.

24. Wisconsin Department of Health Services. Ten steps to breastfeeding friendly child care centers [Internet]. Madison: Wisconsin Department of Health Services; 2016 [acesso em 2017 Set 01]. Disponível em: https://www.dhs.wisconsin.gov/publications/p0/p00022.pdf.

25. Tsai, S. Impact of a breastfeeding-friendly workplace on an employed mother’s intention to continue breastfeeding after returning to work. Breastfeed Med. 2013;8(2):210-16.

26. Fernandes VMB, Santos EKA, Erdmann AL, Pires DEP, Zampieri MFM, Gregório VRP. Implantação de salas de apoio à amamentação em empresas públicas e privadas: potencialidades e dificuldades. Rev Gaucha Enferm [Internet]. 2016 [acesso em 2019 Out 10];37(esp):e2016-0044. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1983-14472016000500419&script=sci_abstract&tlng=pt.

27. Brasil. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola – PSE, e dá outras providências. Portal da Legislação: Decretos. 2010 [acesso em 2019 Out 10]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Decreto/D6286.htm.

28. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [Internet]. Saúde Legis-Sistema de Legislação da Saúde. 2017 [acesso em 2019 Out 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

29. Bezerra LCA, Frias PG, Vidal AS, Macedo VC, Vanderlei LC. Aleitamento materno: avaliação da implantação do programa em unidades básicas de saúde do Recife, Pernambuco (2002). Ciênc Saúde Colet. 2007;12(5):1309-17.

30. Barbosa MB, Palma D, Domene SMA, Taddei JAAC, Lopez FA. Fatores de risco associados ao desmame precoce e ao período de desmame em lactentes matriculados em creches. Rev Paul Pediatr. 2009;27(3):271-81.

31 Maciel AF, Veríssimo MLOR. Conhecimentos e práticas de trabalhadores de uma creche acerca do aleitamento materno. Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. 2010,20(3):688-98

32. Osis MJD, Duarte GA, Pádua KS, Hardyb E, Sandoval LEM, Bento SF. Aleitamento materno exclusivo entre trabalhadoras com creche no local de trabalho. Rev Saude Publica. 2004;38(2):172-79.

33. Brasileiro AA, Ambrosano GMB, Marba STM, Possobon RF. A amamentação entre filhos de mulheres trabalhadoras. Rev Saude Publica. 2012;46 (2):642-48.

34. Fernandes VMB, Santos EKA, Zampieri MFM, Gregório VRP, Hernandes MJ, Ribeiro, LC. Condutas de gestores relacionadas ao apoio ao aleitamento materno nos locais de trabalho. Texto & Contexto Enferm. 2018;27(3):1-12.

35. Oliveira RL, Silva NA. Aspectos legais do aleitamento materno: cumprimento da lei por hospitais de médio e de grande porte de Maceió. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2003;3(1):43-8.
Publicado
2019-11-25
Seção
Artigos originais