Perfil epidemiológico da sífilis congênita em um município do sudoeste do Paraná

Palavras-chave: Sífilis congênita, Atenção Primária em Saúde, Doenças Sexualmente Transmissíveis, Enfermagem

Resumo

A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível com manifestações sistêmicas, curável e de ocorrência exclusiva do ser humano. O estudo teve como objetivo traçar o perfil epidemiológico da sífilis congênita no município de Pato Branco, Estado do Paraná. Estudo retrospectivo, de abordagem quantitativa. Foram analisados dados disponíveis no Datasus, referentes aos anos de 2014 a 2018. No período pesquisado, houve 56 notificações de sífilis congênita predominando na raça branca declarada, cuja idade foi 0 até 6 dias de vida. O acompanhamento de pré-natal, e a descoberta da sífilis materna neste período ocorreu na maioria dos casos. Evidenciou-se um crescimento expressivo de casos de sífilis congênita no município, que podem estar relacionados a possíveis falhas no tratamento e acompanhamento do pré-natal, além da dificuldade de tratamento da parceria sexual da gestante.

Biografia do Autor

Bruna Pilger, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Pato Branco -FADEP

Isabela Marques, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Pato Branco -FADEP

Cleunir de Fatima Candido De Bortoli, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Professora do curso de graduação em Enfermagem da Faculdade de Pato Branco – FADEP

Emi Elaine Stefanski Battisti, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Especialização em Decência no Ensino Superior. Aluno Especial do programa de mestrado em ciências da saúde- Universidade estadual do Oeste do Paraná. Professora do curso de graduação em Enfermagem da Faculdade de Pato Branco – FADEP

Referências

1. Lopes MH. Avaliação da Implantação das ações de prevenção da transmissão vertical da sífilis no pré-natal em unidades de saúde da família de Cuiabá [dissertação]. Rio de Janeiro. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2010.

2. Navega DA, Maia ACB. Conhecer e saber: relatos de pessoas curadas da sífilis. Rev Bras Promoç Saúde [Internet]. 2018 [citado em 2019 Out 9];31(2):1-9. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6943

3. Padovani C, Oliveira RR, Pelloso SM. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Rev Latinoam Enferm [Internet]. 2018 [citado em 2019 Out 9];26:e3019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692018000100335&lng=en&tlng=en.

4. Saraceni V, Pereira GFM, Silveira MF, Araujo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2017. [citado em 2019 Out 9];41:e44. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rpsp/2017.v41/e44/.

5. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2016 [citado em 2019 Out 9];32(6):e00082415. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605002&lng=pt&tlng=pt.

6. Azevedo AC, Drumond EF, Gonçalves RV, Machado CJ. Evolução da qualidade das informações das declarações de óbito com menções de sífilis congênita nos óbitos perinatais no Brasil. Cad Saúde Colet [Internet]. 2017 Jul [citado em 2019 Out 9];25(3):259-67. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2017000300259&lng=pt&tlng=pt.

7. Soares LG, Zarpellon B, Soares LG, Baratieri T, Lentsck MH, Mazza VA. Sífilis gestacional e congênita: características maternas, neonatais e desfecho dos casos. Rev Bras Saúde Mater Infant [Internet]. 2017 Dez [citado em 2019 Out 9];17(4):781-89. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292017000400781&lng=en&tlng=en.

8. Brasil, Ministério da Saúde. Agenda nacional de prioridades de pesquisa em saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

9. Dalfovo MS, Lana RA, Silveira A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. RIC@, Rev Interdiscip Cient Apl. 2008;2(4):1-13.

10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Município 4118591: Pato Branco – PR, Censo 2010 [Internet]. Brasília: IBGE; [citado em 2019 Out 9]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/pato-branco/panorama.

11. Brasil, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 98, p. 44-46, 24 mai. 2016.

12. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2012.

13. Brasil, Ministério da Saúde. Nota informativa n° 2–SEI/2017-DIAHV/SVS/MS. Altera os critérios de definição de casos para notificação de sífilis adquirida, sífilis em gestante e sífilis congênita [Internet]. Sistema Eletrônico de Informações do Ministério da Saúde. 2017 [citado em 2019 Out 9]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/nota-informativa-no-02-sei2017-diahvsvsms.

14. Cardoso ARP, Araújo MAL, Cavalcante MS, Frota MA, Melo SP. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2018 Fev [citado em 2019 Out 9];23(2):563-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000200563&lng=pt&tlng=pt.

15 Organización Panamericana de La Salude (OPAS). ETMI PLUS: marco para la eliminación de la transmisión maternoinfantil del VIH, la sífilis, la hepatites y la enfermidade de chagas. Washington: OPAS, 2017.

16. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST). Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

17. Boletim epidemiológico: sífilis 2017 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. Vol. 48, no. 36, 2017 [citado em 2019 Out 9]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/13/BE-2017-038-Boletim-Sifilis-11-2017-publicacao-.pdf.
Publicado
2019-11-25
Seção
Artigos originais