Perfil epidemiológico da sífilis congênita em um município do sudoeste do Paraná

Palavras-chave: Sífilis congênita, Atenção Primária em Saúde, Doenças Sexualmente Transmissíveis, Enfermagem

Resumo

A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível com manifestações sistêmicas, curável e de ocorrência exclusiva do ser humano. O estudo teve como objetivo traçar o perfil epidemiológico da sífilis congênita no município de Pato Branco, Estado do Paraná. Estudo retrospectivo, de abordagem quantitativa. Foram analisados dados disponíveis no Datasus, referentes aos anos de 2014 a 2018. No período pesquisado, houve 56 notificações de sífilis congênita predominando na raça branca declarada, cuja idade foi 0 até 6 dias de vida. O acompanhamento de pré-natal, e a descoberta da sífilis materna neste período ocorreu na maioria dos casos. Evidenciou-se um crescimento expressivo de casos de sífilis congênita no município, que podem estar relacionados a possíveis falhas no tratamento e acompanhamento do pré-natal, além da dificuldade de tratamento da parceria sexual da gestante.

Biografia do Autor

Bruna Pilger, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Pato Branco -FADEP

Isabela Marques, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Pato Branco -FADEP

Cleunir de Fatima Candido De Bortoli, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Professora do curso de graduação em Enfermagem da Faculdade de Pato Branco – FADEP

Emi Elaine Stefanski Battisti, Faculdade de Pato Branco - FADEP

Enfermeira. Especialização em Decência no Ensino Superior. Aluno Especial do programa de mestrado em ciências da saúde- Universidade estadual do Oeste do Paraná. Professora do curso de graduação em Enfermagem da Faculdade de Pato Branco – FADEP

Referências

1. Lopes MH. Avaliação da Implantação das ações de prevenção da transmissão vertical da sífilis no pré-natal em unidades de saúde da família de Cuiabá [dissertação]. Rio de Janeiro. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca; 2010.

2. Navega DA, Maia ACB. Conhecer e saber: relatos de pessoas curadas da sífilis. Rev Bras Promoç Saúde [Internet]. 2018 [citado em 2019 Out 9];31(2):1-9. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6943

3. Padovani C, Oliveira RR, Pelloso SM. Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Rev Latinoam Enferm [Internet]. 2018 [citado em 2019 Out 9];26:e3019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692018000100335&lng=en&tlng=en.

4. Saraceni V, Pereira GFM, Silveira MF, Araujo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2017. [citado em 2019 Out 9];41:e44. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rpsp/2017.v41/e44/.

5. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2016 [citado em 2019 Out 9];32(6):e00082415. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605002&lng=pt&tlng=pt.

6. Azevedo AC, Drumond EF, Gonçalves RV, Machado CJ. Evolução da qualidade das informações das declarações de óbito com menções de sífilis congênita nos óbitos perinatais no Brasil. Cad Saúde Colet [Internet]. 2017 Jul [citado em 2019 Out 9];25(3):259-67. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-462X2017000300259&lng=pt&tlng=pt.

7. Soares LG, Zarpellon B, Soares LG, Baratieri T, Lentsck MH, Mazza VA. Sífilis gestacional e congênita: características maternas, neonatais e desfecho dos casos. Rev Bras Saúde Mater Infant [Internet]. 2017 Dez [citado em 2019 Out 9];17(4):781-89. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292017000400781&lng=en&tlng=en.

8. Brasil, Ministério da Saúde. Agenda nacional de prioridades de pesquisa em saúde. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

9. Dalfovo MS, Lana RA, Silveira A. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. RIC@, Rev Interdiscip Cient Apl. 2008;2(4):1-13.

10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Município 4118591: Pato Branco – PR, Censo 2010 [Internet]. Brasília: IBGE; [citado em 2019 Out 9]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/pato-branco/panorama.

11. Brasil, Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 98, p. 44-46, 24 mai. 2016.

12. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ed. Ministério da Saúde, 2012.

13. Brasil, Ministério da Saúde. Nota informativa n° 2–SEI/2017-DIAHV/SVS/MS. Altera os critérios de definição de casos para notificação de sífilis adquirida, sífilis em gestante e sífilis congênita [Internet]. Sistema Eletrônico de Informações do Ministério da Saúde. 2017 [citado em 2019 Out 9]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/nota-informativa-no-02-sei2017-diahvsvsms.

14. Cardoso ARP, Araújo MAL, Cavalcante MS, Frota MA, Melo SP. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc Saúde Colet [Internet]. 2018 Fev [citado em 2019 Out 9];23(2):563-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000200563&lng=pt&tlng=pt.

15 Organización Panamericana de La Salude (OPAS). ETMI PLUS: marco para la eliminación de la transmisión maternoinfantil del VIH, la sífilis, la hepatites y la enfermidade de chagas. Washington: OPAS, 2017.

16. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atenção integral às pessoas com infecções sexualmente transmissíveis (IST). Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

17. Boletim epidemiológico: sífilis 2017 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. Vol. 48, no. 36, 2017 [citado em 2019 Out 9]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/13/BE-2017-038-Boletim-Sifilis-11-2017-publicacao-.pdf.
Publicado
2019-11-25
Como Citar
1.
Pilger B, Marques I, Candido De Bortoli C, Battisti EE. Perfil epidemiológico da sífilis congênita em um município do sudoeste do Paraná. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 25nov.2019 [citado 1abr.2023];2(2):20-7. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/297
Seção
Artigos originais