Percepções de um grupo de voluntários frente ao trabalho com pacientes oncológicos

Palavras-chave: Institutos de Câncer. Humanização da Assistência. Voluntários de Hospital.

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar a percepção de um grupo de voluntários frente ao trabalho com pacientes oncológicos. Trata-se de uma pesquisa descritiva-exploratória, com abordagem qualitativa. A população do estudo foi constituída por voluntários do Expresso Alegria. Foram selecionados voluntários que vão frequentemente às visitas hospitalares, pelo menos uma vez ao mês e que não estejam em fase de treinamento. A coleta de dados ocorreu após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, por meio de um questionário aberto. A investigação foi realizada em três etapas: reunião com o responsável do Expresso Alegria; abordagem individual para formalização do convite e coleta de dados. Foram entrevistados nove participantes. Para interpretação, os dados foram submetidos à análise de conteúdo de Bardin. A partir dos resultados foram elaboradas três categorias empíricas. O estudo apresentou a importância do trabalho voluntário no tratamento dos pacientes oncológicos, levando alegria, conforto e humanização ao ambiente.

Referências

1.Diogo JSA importância do voluntário na instituição hospitalar: uma transformação social que auxilia na qualidade de vida e bem-estar do paciente. Psicologia.pt, p. 1-16, 2016. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1043.pdf
2.Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. 1. ed. Brasília: 2013.
3.Brasil. Casa Civil. Lei nº 9.608, de 18 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências. 1998.
4.Yélamos C. et al. Mucho X Vivir: atención psicosocial para mujeres com cáncer de mama. Psicooncología. 2007;4(2):417-422.
5.Crippa A, Isidoro T, Feijó AGS. Voluntariado e saúde. Rev. da AMRIGS. 2014;58(3):247-251.
6.Caires S. et al. Palhaços de hospital como estratégia de amenização da experiência de hospitalização infantil. Psico-USF. 2014;19(3):377-386.
7.Utsunomiya KF. et al. MadAlegria: Palhaços de hospital. Rev Med, São Paulo. 2012;91(3):202-208. VOLUNTARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS. Relatório do Estado do Voluntariado no Mundo. 2011.
8.Bardin L. Análise de conteúdo. 6. ed. Lisboa: Edições 70; 2011.
9.Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466 de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre os aspectos éticos e legais envolvendo pesquisa com seres humanos. Brasília: publicada no DOU n.12, quinta-feira, 13 de junho de 2013 – Seção I – p. 59. 2013.
10.Assis KA. Doutores-palhaços: coping de trabalhadores voluntários em ambiente hospitalar. 42f. Monografia (Graduação em Psicologia) – Universidade Católica de Brasília. 2017.
11.Muckaden MA, Pandya SS. Motivation of volunteers to work in palliative care setting: A qualitative study. Indian Journal of Palliative Care. 2016;22(3):348.
12.Carvalho FGR, Rodrigues PRG. Dr. Amoroso: um trabalho de apoio social na humanização hospitalar. XI Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, 2007.
13.Santos EB. Nariz vermelho: fundamentos do Clown na ação da UT Riso. 86f. Monografia (Faculdade de Teatro) – Universidade Federal de Sergipe. 2013.
14.Castro DP. et al. Brincar como instrumento terapêutico. Pediatria. São Paulo. 2010;32(4):246-254.
15.Paz MB, Costa TTP. Voluntariado: o amor não acaba para quem é do bem. Memória do projeto experimental (Faculdade de Comunicação) – Universidade de Brasília. 2018.
16.Moreno Junior OL. Gestão do voluntariado em organizações não governamentais: uma aplicação do método de estudo de caso na ONG Amigos do Bem. 189f. Dissertação (Mestrado em Administração) - FACCAMP, 2014.
17.Latham GP, Pinder CC. Work motivation theory and research at the dawn of the Twenty-First Century. Ann. rev. psychol. 2005;56:485-516.
18.Flores DO, Sousa EG. Governança Corporativa no Terceiro Setor–Um Estudo de Caso. Encontro de Gestão e Negócios (EGEN), 2016. Disponível em: http://www.poncedaher.net.br/egen/sites/default/files/gestao-social-2016-OK-16- 31.pdf
19.Rodrigues KB, Meyer Júnior VM, Cruz JAW. Trabalho voluntário e seu gerenciamento: desafios para um hospital comunitário. RAHIS. 2014;11(4).
20.Jansen M, Santos RM, Favero L. Benefícios da utilização do brinquedo durante o cuidado de enfermagem prestado à criança hospitalizada. Rev. gaúcha enferm. 2010;31(2):247.
21.Maia EBS, Ribeiro CA, Borba RIH. Understanding nurses awareness as to the use of therapeutic play in child care. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011;45(4):839-846.
22.Martins MCFN, Bersusa AAS, Siqueira SR. Humanização e voluntariado: estudo qualitativo em hospitais públicos. Rev. saúde pública. 2010;44: 942-949.
Publicado
2020-07-08
Como Citar
1.
da Souza A, Alves A, Januário G, Ribeiro MI, Oliveira M, Silva A. Percepções de um grupo de voluntários frente ao trabalho com pacientes oncológicos. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 8jul.2020 [citado 24out.2021];3(1). Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/324
Seção
Artigos originais