Percepções de um grupo de voluntários frente ao trabalho com pacientes oncológicos

Palavras-chave: Institutos de Câncer. Humanização da Assistência. Voluntários de Hospital.

Resumo

Este estudo teve como objetivo analisar a percepção de um grupo de voluntários frente ao trabalho com pacientes oncológicos. Trata-se de uma pesquisa descritiva-exploratória, com abordagem qualitativa. A população do estudo foi constituída por voluntários do Expresso Alegria. Foram selecionados voluntários que vão frequentemente às visitas hospitalares, pelo menos uma vez ao mês e que não estejam em fase de treinamento. A coleta de dados ocorreu após a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, por meio de um questionário aberto. A investigação foi realizada em três etapas: reunião com o responsável do Expresso Alegria; abordagem individual para formalização do convite e coleta de dados. Foram entrevistados nove participantes. Para interpretação, os dados foram submetidos à análise de conteúdo de Bardin. A partir dos resultados foram elaboradas três categorias empíricas. O estudo apresentou a importância do trabalho voluntário no tratamento dos pacientes oncológicos, levando alegria, conforto e humanização ao ambiente.

Referências

1.Diogo JSA importância do voluntário na instituição hospitalar: uma transformação social que auxilia na qualidade de vida e bem-estar do paciente. Psicologia.pt, p. 1-16, 2016. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1043.pdf
2.Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização. 1. ed. Brasília: 2013.
3.Brasil. Casa Civil. Lei nº 9.608, de 18 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências. 1998.
4.Yélamos C. et al. Mucho X Vivir: atención psicosocial para mujeres com cáncer de mama. Psicooncología. 2007;4(2):417-422.
5.Crippa A, Isidoro T, Feijó AGS. Voluntariado e saúde. Rev. da AMRIGS. 2014;58(3):247-251.
6.Caires S. et al. Palhaços de hospital como estratégia de amenização da experiência de hospitalização infantil. Psico-USF. 2014;19(3):377-386.
7.Utsunomiya KF. et al. MadAlegria: Palhaços de hospital. Rev Med, São Paulo. 2012;91(3):202-208. VOLUNTARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS. Relatório do Estado do Voluntariado no Mundo. 2011.
8.Bardin L. Análise de conteúdo. 6. ed. Lisboa: Edições 70; 2011.
9.Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466 de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre os aspectos éticos e legais envolvendo pesquisa com seres humanos. Brasília: publicada no DOU n.12, quinta-feira, 13 de junho de 2013 – Seção I – p. 59. 2013.
10.Assis KA. Doutores-palhaços: coping de trabalhadores voluntários em ambiente hospitalar. 42f. Monografia (Graduação em Psicologia) – Universidade Católica de Brasília. 2017.
11.Muckaden MA, Pandya SS. Motivation of volunteers to work in palliative care setting: A qualitative study. Indian Journal of Palliative Care. 2016;22(3):348.
12.Carvalho FGR, Rodrigues PRG. Dr. Amoroso: um trabalho de apoio social na humanização hospitalar. XI Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, 2007.
13.Santos EB. Nariz vermelho: fundamentos do Clown na ação da UT Riso. 86f. Monografia (Faculdade de Teatro) – Universidade Federal de Sergipe. 2013.
14.Castro DP. et al. Brincar como instrumento terapêutico. Pediatria. São Paulo. 2010;32(4):246-254.
15.Paz MB, Costa TTP. Voluntariado: o amor não acaba para quem é do bem. Memória do projeto experimental (Faculdade de Comunicação) – Universidade de Brasília. 2018.
16.Moreno Junior OL. Gestão do voluntariado em organizações não governamentais: uma aplicação do método de estudo de caso na ONG Amigos do Bem. 189f. Dissertação (Mestrado em Administração) - FACCAMP, 2014.
17.Latham GP, Pinder CC. Work motivation theory and research at the dawn of the Twenty-First Century. Ann. rev. psychol. 2005;56:485-516.
18.Flores DO, Sousa EG. Governança Corporativa no Terceiro Setor–Um Estudo de Caso. Encontro de Gestão e Negócios (EGEN), 2016. Disponível em: http://www.poncedaher.net.br/egen/sites/default/files/gestao-social-2016-OK-16- 31.pdf
19.Rodrigues KB, Meyer Júnior VM, Cruz JAW. Trabalho voluntário e seu gerenciamento: desafios para um hospital comunitário. RAHIS. 2014;11(4).
20.Jansen M, Santos RM, Favero L. Benefícios da utilização do brinquedo durante o cuidado de enfermagem prestado à criança hospitalizada. Rev. gaúcha enferm. 2010;31(2):247.
21.Maia EBS, Ribeiro CA, Borba RIH. Understanding nurses awareness as to the use of therapeutic play in child care. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011;45(4):839-846.
22.Martins MCFN, Bersusa AAS, Siqueira SR. Humanização e voluntariado: estudo qualitativo em hospitais públicos. Rev. saúde pública. 2010;44: 942-949.
Publicado
2020-07-08
Seção
Artigos originais