Educação entre pares e identificação de riscos durante a adolescência: uma revisão bibliográfica

UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Palavras-chave: Adolescente. Fatores de Risco. Educação entre pares.

Resumo

A Educação entre Pares (EP) tem se mostrado uma estratégia eficaz na identificação de fatores de risco na adolescência. Este trabalho tem como objetivos pesquisar na literatura científica a relação da EP com a identificação de fatores de risco no período da adolescência, bem como elucidar possíveis vantagens e limitações dessa estratégia na atenção básica. O estudo justifica-se por abordar questões que buscam melhorar o processo de transmissão e compreensão de informações, e consequentemente reduzir os fatores de risco desse grupo populacional. A metodologia adotada para o desenvolvimento dos objetivos referidos foi a revisão de literatura bibliográfica, que contou com quatro etapas de seleção até a amostra final de seis artigos. A revisão bibliográfica aponta que a EP, quando implementada de maneira adequada, pode ser considerada uma estratégia positiva na identificação e análise dos fatores de riscos durante a adolescência e, de modo consequente, facilitar o processo de ganhos em saúde.

Referências

1. Dias A, Saiter M, Cunha N. Avaliação de fatores de risco na adolescência. Revista Cientifica de Educação. 2015;1(1):115-32.
2. Molazem Z et al. Effects of a peer-led group education on fear, anxiety and depression levels of patients undergoing coronary angiography. Investigación y educación en enfermeira. 2018;36(1).
3. Grillo MFF et al. Efeito de diferentes modalidades de educação. Revista da Associação Médica Brasileira. 2013;59(4):400-5.
4. Laperrière H. Evaluation of STD/HIV/AIDS peer-education and danger: a local perspective. Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13 (6):1817-24.
5. Santos KB, Murta SG. Influência dos Pares e Educação por Pares na Prevenção à Violência no Namoro. Psicologia: Ciência e Profissão. 2016;36(14):787-800.
6. Santos MP et al. Promoting adolescent sexual and reproductive health: peer education. Revista Baiana Enfermagem. 2017;32(3).
7. Ayres JRCM et al. Adolescence and Aids: evaluation of a preventive education experience among peers. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2003;7(12)113-28.
8. BRASIL. Decreto nº. 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial da União, dez. 2007.
9. Santos CMC, Pimenta CAM, Nobre MRC. A estratégia pico para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-am Enfermagem. 2007;15(3).
10. Assis SG, Gomes R, Pires TO. Adolescência, comportamento sexual e fatores de risco à saúde. Rev Saúde Pública. 2014;48(1):43-51.
11. Brasil KT et al. Fatores de risco na adolescência: discutindo dados do DF1. Paidéia. 2006;16(35):377-84.
12. Cerqueira D, Coelho DSC. Democracia racial e homicídios de jovens negros na cidade partida. [acesso em: 16/10/18]. Disponível em:
13. Rosário AC, Candeias A, Melo M. Violência entre pares na adolescência: Um estudo com estudantes no início e no final do 3.º ciclo do ensino básico. Revista Psicologia. 2017;31(2):57-68.
Publicado
2020-07-08
Seção
Artigos de revisão