Procuras não urgentes a um pronto-socorro hospitalar pediátrico: perspectivas dos usuários

PERSPECTIVAS DOS USUÁRIOS

Palavras-chave: Serviços Médicos de Emergência. Medicina de Emergência Pediátrica. Pronto-Socorro.

Resumo

 Causas não urgentes são frequentes entre os pacientes nos prontos-socorros (PS) pediátricos, com consequências aos pacientes, aos profissionais e ao sistema. Este estudo objetiva descrever as procuras não urgentes a um PS de hospital de referência pediátrico, sendo um estudo observacional descritivo. Dos 168 participantes, 63% haviam procurado previamente outros serviços de saúde. O principal motivo citado como razão de procura foi “ter o hospital como referência de resolutividade e confiança”. A maioria (68%) dos entrevistados classificaram os quadros como urgências. Enquanto 63% disseram não ter recebido orientações sobre sinais de alarme na criança, 83% não haviam recebido informações sobre diferenças entre os níveis de atenção em saúde. Assim, foi demonstrada que a compreensão das razões de procura ao PS deve ser avaliada conjuntamente ao contexto social, de educação e de acesso à saúde dos usuários.

Referências

1.Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 2077/14 de 24 de julho de 2014. Dispõe sobre a normatização do funcionamento dos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência, bem como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho.
2.Kovacs MH, Feliciano KVO, Sarinho SW, Veras AACA. Acessibilidade às ações básicas entre crianças atendidas em serviços de pronto-socorro. J Pediatr 2005; 81(3):251-258.
3.Caccia-Bava MC, Pereira MJB, Rocha JSY, Martine EZ. Pronto-atendimento ou atenção básica: escolhas dos pacientes no SUS. Medicina (Ribeirão Preto Online) 2011; 44(4):347-54.
4.Sturm JJ, Hirsh D, Weselman B, Simon HK. Reconnecting patients with their primary care provider: an intervention for reducing nonurgent pediatric emergency department visits. Clin Pediatr (Phila) 2014; 53(10):988 –994.
5.Wong AC, Claudet I, Sorum P, Mullet E. Why do parents bring their children to the emergency department? A systematic inventory of motives. Int J Family Med 2015; 2015:10p.
6.Rati RMS, Goulart LMHF, Alvim CG, Mota JAC. “Criança não pode esperar”: a busca de serviço de urgência e emergência por mães e suas crianças em condições não urgentes. Cien Saude Colet 2013; 18(12):3663-3672.
7.Vedovetto A, Soriani N, Merlo E, Gregori D. The burden of inappropriate emergency department pediatric visits: why Italy needs an urgent reform. Health Serv Res 2014; 49(4):1290-1305.
8.Rafael MS, Portela SL, Sousa P, Fernandes AC. Utilização do serviço de urgência pediátrica: a experiência de um centro português. Sci Med 2017; 27(1):1-8.
9. Phelps K, Taylor C, Kimmel S, Nagel R, Klein W, Puczynski S. Factors associated with emergency department utilization for nonurgent pediatric problems. Arch Fam Med 2000; 9:1086-1092.
10. Berry A, Brousseau D, Brotanek J M, Tomany-Korman S, Flores G. Why do parents bring children to the emergency department for nonurgent conditions? A qualitative study. Ambul Pediatr 2008; 8(6):360-367.
11. Kubicek K, Liu D, Beaudin C, Supan J, Weiss G, Lu Y, Kipke MD. A profile of nonurgent emergency department use in an urban pediatric hospital. Pediatr Emerg Care 2012. 28(10):977-984.
12. Fieldston ES, Alpern ER, Nadel FM, Shea JA, Alessandrini EA. A qualitative assessment of reasons for nonurgent visits to the emergency department - Parent and health professional opinions. Pediatr Emer Care 2012; 28(3):220-225.
13. Arrué AM, Neves ET, Buboltz FL, Jantsch LB, Zanon BP. Demanda de um pronto-socorro pediátrico: caracterização dos atendimentos de enfermagem. Rev enferm UFPE on line 2013; 7(4):1090-1097.
14. Oliveira, TMV. Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Rev Administração On Line [periódico na internet]. 2001 – Jul-Set [acessado 2018 Set]; 2(3): [cerca de 16p.]. Disponível em: https://www.fecap.br/adm_online/art23/tania2.htm
15. Marotti J, Galhardo APM, Furuyama RJ, Pigozzo MN, Campos TN, Laganá DC. Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2008; 20(2):186-194.
16. Carmo H, Ferreira MM. Amostragens não probabilísticas. In: Carmo H, Ferreira MM. Metodologia da Investigação: Guia para auto-aprendizagem. 2. ed. Lisboa: Universidade Aberta; 2008. p. 215-219.
17. Brousseau DC, Hoffmann RG, Nattinger AB, Flores G, Zhang Y, Gorelick M. Quality of primary care and subsequent pediatric emergency department utilization. Pediatrics 2007; 119(6):1131-1138.
18. Vinelli NF, Mannucci C, Laba NI, Del Vecchio L, Valerio A, Lago MI, Nieto MM. Consultas no urgentes al departamento de urgencias de un hospital pediátrico. Arch Argent Pediatr 2011; 109(1):8-13.
19. Benahmed N, Laokri S, ZhangWH, Verhaeghe N, Trybou J, Cohen L, De Wever A, Alexander S. Determinants of nonurgent use of the emergency department for pediatric patients in 12 hospitals in Belgium. Eur J Pediatr 2012; 171(12):1829–1837.
20. Schmitt BD. Fever phobia: misconceptions of parents about Fevers. Am J Dis Child 1980; 134(2):176- 181.
21. Crocetti M, Moghbeli N, Serwint J. Fever phobia revisited: have parental misconceptions about fever changed in 20 years? Pediatrics 2001; 107(6):1241-1246.
22. May M, Brousseau DC, Nelson DA, Flynn KE, Wolf MS, Lepley B, Morrison AK. Why parents seek care for acute illness in the clinic or the ed: the role of health literacy. Acad Pediatr 2018; 18(3):289–296.
23. Oliveira A, Guerra MP, Peralta L, Almeida S, Cunha FI, Bicho A. Serviço de urgência pediátrico: casuística de um hospital com serviço de pediatria geral. Saúde Infantil 2010; 32(2):53-58.
24. Kalidindi S, Mahajan P, Thomas R, Sethuraman U. Parental perception of urgency of illness. Pediatr Emerg Care 2010; 26(8):549-553.
25. Freitas AC, Moreira AR, Tomé S, Cardoso R. Motivos de recurso ao serviço de urgência pediátrica. Nascer e Crescer 2016; 25(3):136-140.
26. Jacquemot AC. Urgências e emergências em saúde: perspectivas de profissionais e usuários. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.
27. Buboltz FL. Ações de cuidado da família à criança atendida em pronto-socorro pediátrico a partir do seu universo sociocultural [dissertação]. Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria; 2013.
28. Ministério da Saúde (MS). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: MS, 2012.
29. Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad Saude Publica 2008, 24(1):100-110.
30. Oliveira LH, Mattos, RA, Souza AIS. Cidadãos Peregrinos: os ‘usuários’ do SUS e os significados de sua demanda a pronto-socorros e hospitais no contexto de um processo de reorientação do modelo assistencial. Cien Saude Colet 2009; 14(5):1929-1938.
31. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-americana da Saúde; 2011.
32. Alele FO, Emeto TI, Callander EJ, Watt K. Non-urgent paediatric emergency department presentation: a systematic review. J Paediatr Child Health 2018; 55(3): 271-277.
33. Christakis DA, Mell L, Koepsell TD, Zimmerman FJ, Connell FA. Association of lower continuity of care with greater risk of emergency department use and hospitalization in children. Pediatrics 2001; 103(3):524-529.
34. Yoffe SJ, Moore RW, Gibson JO, Dadfar NM, McKay RL, McClellan DA, Huang TY. A reduction in emergency department use by children from a parent educational intervention. Fam Med 2011, 43(2):106-111.
35. Machado CDB, WuoA, Heinzle M. Educação médica no brasil: uma análise histórica sobre a formação acadêmica e pedagógica. Rev Bras Educ Med 2018,42(4):66-73.
36. Nogueira M I. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Rev Bras Educ Med 2009, 33(2):262-270.
37. McWilliams DB, Jacobson RM, Van Houten HK, Naessens JM, Ytterberg KL.A program of anticipatory guidance for the prevention of emergency department visits for ear pain. Arch Pediatr Adolesc Med 2008, 162(2):151-156.
Publicado
2020-07-08
Seção
Artigos originais