Perfil de morbidade pediátrica em um hospital público de ensino do Paraná

Palavras-chave: Assistentes de Pediatria. Morbidade. Hospitalização. Perfil de Saúde. Enfermagem Pediátrica. Gestão em Saúde.

Resumo

O objetivo foi caracterizar as internações ocorridas em um serviço clínico pediátrico, de um hospital de ensino de Curitiba, Paraná. Estudo quantitativo, transversal, descritivo, utilizou dados secundários do sistema de informação hospitalar da instituição em estudo, com recorte às internações de crianças e adolescentes na Clínica Pediátrica, entre 2015 e 2017. Foram identificadas 491 internações no período, com proporções próximas entre os anos. A análise conclui: prevalência de internações do sexo feminino; em idade escolar; procedentes da 2ª Regional de Saúde do Paraná. Como causas das internações: neoplasias; doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas; e, doenças do aparelho respiratório. Portanto, o perfil de morbidade contribui para a compreensão da transição epidemiológica. Conhecer as características das internações fornece subsídios para a gestão do serviço, favorecendo a qualidade da assistência à criança. 

Referências

1. Brasil. Portaria nº 1.130, de 5 de agosto de 2015. Dispõe sobre a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança no âmbito do Sistema Único de Saúde. [Cited 2020 Mar 22] Disponível em: https://bit.ly/33KduXi.
2. Brasil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, DF. 1990.
3. Pedraza EF, Araujo EMN. Internações das crianças brasileiras menores de cinco anos: revisão sistemática da literatura. Epidemiol. Serv. Saude. [Internet] 2017;26(1):169-82. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.5123/s1679-49742017000100018.
4. Cruz DALM, Pimenta CAM. Prática baseada em evidências, aplicada ao raciocínio diagnóstico. Rev Latino-am Enfermagem. [Internet]. 2005;13(3):415-22. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.1590/S0104-11692005000300017.
5. Granzotto JA, Mota DM, Vecchi AA, Santos EO, Gonçalves ER, Silva JBY et al. Características sócio demográficas maternas e perfil das crianças internadas em um hospital do sul do Brasil. Rev Enferm UFSM. [Internet] 2014;4(1):97-104. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.5902/217976928466.
6. Aragão J. Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis. 2011;3(6)11. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.25119/praxis-3-6-566.
7. Malta M, Cardoso LO, Bastos, FI, Magnanini MMF, Silva CMFP. Iniciativa STROBE: subsídios para a comunicação de estudos observacionais. Rev Saúde Pública 2010;44(3):559-65. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.1590/S0034-89102010000300021.
8. CHC-UFPR-EBSERH. Complexo Hospital de Clínicas. Universidade Federal do Paraná. Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares. [Homepage on the internet] Página oficial. 2018. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/2U8iGB4.
9. Organização Mundial de Saúde. CID-10; tradução Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português. 9 Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.
10. Brasil. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. [Internet]. Institui Resolução que trata de pesquisas e testes com seres humanos. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/2y0eASU.
11. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Distribuição da População por sexo segundo Unidades da Federação. 2010.
12. Perlroth NR, Branco CWC. Current knowledge of environmental exposure in children during the sensitive developmental periods. J Pediatr. [Internet] 2017;93:17-7. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.1016/j.jped.2016.07.002.
13. Secretaria de Saúde do Estado Paraná. Plano diretor de regionalização: hierarquização e regionalização da assistência à saúde, no estado do Paraná. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/3dn8Tys.
14. WHO. World Health Organization. International Agency of Research on Cancer. Global Cancer Observatory – Cancer Today. [Internet]. 2019. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/3dkeRjN
15. INCA. Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Câncer Infantil. [Internet]. 2017. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/3bhsCxF.
16. Delfino CTA, Ferreira WFS, Oliveira EC, Dutra DA. Câncer infantil: Atribuições da enfermagem em cuidado paliativo. Revista Saúde e Desenvolvimento. [Internet]. 2018; 12(10). [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/2wjRaYj.
17. WHO. World Health Organization. Global Initiative for Childhood Cancer. [Internet]. 2019. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/2wwPcDV.
18. Parente JSM, Silva FRA. Perfil clínico epidemiológico dos pacientes internados na clínica pediátrica de um hospital universitário. Rev Med UFC. 2017;57(1):10-4. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.20513/2447-6595.2017v57n1p10-14.
19. Lima RCDSM, Gama MEA, Lima RDSM. Condições sensíveis à atenção primária em hospital de referência pediátrica no maranhão. Rev Pesq Saúde. [Internet] 2017;18(2): 97-101. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/2Urr4um
20. Ramos SA. A influência do planeamento da Alta Hospitalar no número de dias de internamento do doente. (Dissertação). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Escola de Ciências e Tecnologias da Saúde. Lisboa. 2015.
21. Silveira RB, Rocha GS, Alves MPA. Contabilização das ondas de frio em Curitiba, Paraná. Eixo: Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades. Instituto de Geociências da Unicamp. Campinas, SP. 2017. [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.20396/sbgfa.v1i2017.2434.
22. Steven GG. Una pequeña dos is de contaminación del aire. Una introducción a los efectos de la contaminación del aire en la salud. In: ____. Toxicología de la contaminación del aire. Chapter; 2016.
23. Vieira MM. O cuidado à criança após a alta hospitalar. Revista Brasileira de Saúde Funcional. [Internet] 2016;1(3):12. [Cited em 2020 Mar 22]. Disponível em: https://bit.ly/33AtsmI.
24. Soares MI, Resck ZMR, Terra FS, Camelo SHH. Systematization of nursing care: challenges and features to nurses in the care management. Escola Anna Nery Rev Enferm. 2015;19(1). [Cited em 2020 Mar 22]. Doi: 10.5935/1414-8145.20150007.
Publicado
2020-07-08
Seção
Artigos originais