A frequência de disfagia em idosos em um hospital da cidade de Curitiba-PR

Palavras-chave: Idoso, Transtornos de deglutição, Fonoaudiologia, Serviços de saúde para idosos, Epidemiologia.

Resumo

O trabalho consistiu em analisar o perfil epidemiológico dos pacientes internados em um hospital na cidade de Curitiba - PR, durante um período de seis meses e identificar a frequência de disfagia nesta população. Trata-se de uma pesquisa epidemiológica retrospectiva, descritiva a partir de análise de prontuário eletrônico. Os dados foram submetidos à análise descritiva. Sendo identificados 216 pacientes atendidos pelo serviço de fonoaudiologia da instituição, a amostra se configurou com média de idade igual a 83 anos e composta por 131 pacientes do sexo feminino e 85 do sexo masculino. A Hipertensão Arterial Sistêmica foi a doença com maior frequência nos idosos pesquisados e par a comorbidade a Desnutrição. O trabalho constatou que em relação as dificuldades de deglutição a disfagia de grau leve ocorreram com maior frequência e que há grande frequência de distúrbios de deglutição em idosos hospitalizados acometidos por doenças crônicas relacionadas ao envelhecimento.

Biografia do Autor

Andréia Maneira, Faculdades Pequeno Princípe

Fonoaudióloga. Residente do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde do idoso. Fundação Estatal de Atenção em Saúde de Curitiba (FEAES).

Isabel de Lima Zanata, Faculdades Pequeno Príncipe

 Fonoaudióloga. Mestre em Distúrbios da Comunicação pela Universidade Tuiuti do Paraná, Especialista em Gerontologia pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Coordenadora da Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso da Fundação Estatal de Atenção em Saúde de Curitiba (FEAES).

Referências

1. INSTITUTO BRASIELEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Indicadores Sociodemográficos e de Saúde no Brasil 2009 Disponível em: ww2.ibge.gov.br Acesso em: 20 dez 2017
2. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Conjunto de ações foca na saúde do idoso. Disponível em: www. Brasil.gov.br. Acesso em 17 dez 2017.
3. VERAS, R. (2009). Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Rev Saúde Pública, 43(3), 548-554.
4. RIBEIRO, A. Aspectos biológicos do envelhecimento. In: RUSSO IP. Intervenção Fonoaudiológica na Terceira Idade. Rio de Janeiro: Revinter, 2004.
5. JARADEH, S. Neurophisiology of swallowing in the age. Dyspha gia. 1994;9:218-20.
6. PADOVANI AR, MORAES DP, MANGILLI LD, ANDRADE CRF. Protocolo de Avaliação do Risco para a Disfagia (PARD). In: Andrade CRF, Limongi SCO (Org). Disfagia: prática baseada em evidências. São Paulo: Sarvier; 2012. p. 62-73.
7. GUERRA, IC; RAMOS-CERQUEIRA, A. Risco de hospitalizações repetidas em idosos usuários de um centro de saúde escola. Cad Saúde Pública. 2007; 23(3): 585-92.
8. KIKAWADA, M, IWAMOTO, T; TAKASAKI, M. Aspiration and infection in the elderly. Drugs Aging. 2005; 22(2):115-30.
9. NILSSON H, EKBERG O, OLSSON R, HINDFELT B. Quantitative aspects of swallowing in an elderly nondysphagic population. Dysphagia.1996;11(3):180-4.
10. SANTORO P.P. Disfagia orofaríngea: panorama atual, epidemiologia, opções terapêuticas e perspectivas futuras. Revista CEFAC. 2008;10(2).
11. SCHMIDT, M.I, DUNCAN B.B, Silva G.A, MENEZES, A.M, MONTEIRO, C.A; BARRETO, S.M. et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011;377 (9781):1949-61.
12. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95.
13. LYRA R; SILVA R.S; MONTENEGRO Jr. R.M; MATOS M.V. C; CÉZAR N.J.B; MAURICIO DA SILVA L. Prevalência de diabetes melitos e fatores associados em população urbana adulta de baixa escolaridade e renda do sertão nordestino brasileiro. Arq Bras Endocrinol Metab. 2010;54(6):560-6.
14. KENDALL, K. A; LEONARD, R.J; MCKENZIE, S. Common medical conditions in the elderly: impact on pharyngeal bolus transit. Dysphagia. 2004;19(2):71-7.
15. PALECEK, E.J, TENO J.M, Casarett DJ, Hanson LC, Rhodes RL, Mitchell SL. Comfort feeding only: a proposal to bring clarity to decision-making regarding difficulty with eating for persons with advanced dementia. J Am Geriatr Soc. 2010;58(3):580-4
16. GOES,V.F, MELLO-CARPES, P.B; OLIVEIRA, L.O, HACK, J; MAGRO, M, BONINI, J.S. Avaliação do risco de disfagia, estado nutricional e ingestão calórica em idosos com Alzheimer. Rev. Latino-Am. Enfermagem mar.-abr. 2014;22(2):317-24
17. SANCHES, E. P; BILTON, T; RAMOS L.R; Análise descritiva da alimentação de idosos com demência. Distúrb Comun. 2000; 11(2):227-49.
18. ITAQUY R.B; FAVERO S.R; RIBEIRO M. C; BAREA, L.M; ALMEIDA, S.T; MANCOPES, R. Disfagia e acidente vascular cerebral: relação entre o grau de severidade e o nível de comprometimento neurológico. J. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2011; 23(4):385-9.
19. I CONSENSO BRASILEIRO DE NUTRIÇÃO E DISFAGIA EM IDOSOS HOSPITALIZADOS. Barueri, SP: Minha Editora, 2011.
20. OLIVEIRA, M. M. G; et. al. Terapia Nutricional e Disfagia: A Importância do Acompanhamento Nutricional. Rev. Brasileira de ciências da Saúde, ano 6, n 16, abr/jun 2008.
21. PAIVA, K. M; XAVIER, I. C; FARIAS, N. Envelhecimento e Disfagia: Uma questão de saúde pública. Aging and Dysphagia: a Public Health Issue. Journal of Aging & Inovation, 1 (6): 67-77, 2012
Publicado
2018-07-24
Como Citar
1.
Maneira A, de Lima Zanata I. A frequência de disfagia em idosos em um hospital da cidade de Curitiba-PR. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 24jul.2018 [citado 23jun.2024];1(1):20-6. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/36
Seção
Artigos originais