Rastreamento do câncer do colo do útero em um município do sudoeste do Paraná

Palavras-chave: Saúde da Mulher. Programas de rastreamento. Enfermagem. Atenção Primária à Saúde.

Resumo

O câncer de colo uterino é o segundo tipo de câncer mais frequente na população feminina no Brasil e apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura. O estudo teve como objetivo descrever o rastreamento do câncer de colo uterino, realizado no município de Pato Branco, no estado do Paraná, de forma descritiva, retrospectiva, no período dos anos 2015 a 2019. Realizou-se uma pesquisa de dados no Datasus,  analisando a faixa etária acima de 10 anos. Nesse período, foram realizados 38.464 exames citopatológicos tendo como prevalência no grupo etário entre 25 e 64 anos de idade. O rastreamento foi o motivo mais indicado na realização do exame e a periodicidade de um ano entre os exames, prevaleceu em todos os anos analisados. Conclui-se que o rastreamento ocorre de forma predominante na faixa etária preconizada, ainda assim, a periodicidade encontra-se em desacordo com o recomendado.

Referências

1. INCA. Instituto Nacional de Câncer Jose Alencar Gomes da Silva. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro, 2016.
2. INCA. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro, 2019. Disponível: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//estimativa-2020-incidencia-de-cancer-no-brasil.pdf
3. FEBRASGO. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Rastreio, diagnóstico e tratamento do câncer de colo de útero. São Paulo, 2017.
4. INCA. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Exposição a Mulher e o Câncer de Colo do Útero, 2018.
5. INCA. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Parâmetros técnicos para o rastreamento do câncer do colo do útero. Rio de Janeiro: INCA. 2019.
6. BRASIL. Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016, do Conselho Nacional de Saúde. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília: Conselho Nacional de Saúde, 2016.
7. Conde CR., Lemos TMR., Ferreira MLSM. Características sociodemográficas, individuales y de programación de las mujeres con cáncer cervical. Enferm Glob. [Internet] 2018. [Citado em 2020 mar 31];17(49):348-80. Disponível em: http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.17.1.301041.
8. Oliveira MM, Andrade SSCA, Oliveira PPV, Silva GA, SILVA MMA, Malta DC. Cobertura de exame Papanicolaou em mulheres de 25 a 64 anos, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde e o Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, 2013. Rev. Bras. Epidemiol. [Internet]. 2018 [Citado em 2020 mar 12];21:e180014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2018000100413&lng=en.
9. Nai GA, Souza KKGS, Rodrigues ER, Barbosa RL. Presença de células da junção escamo-colunar em esfregaços cérvico-vaginais de mulheres acima de 40 anos. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [Internet]. 2011 Mar [Citado em 2020 Mar 31];33(3):128-32. Disponível em: .
10. Machado EP, Wosniack C, Reche PM, Costa BR, Santos KMB, Perek KV, et al. Projeto Extensionista: uma Abordagem Interdisciplinar junto à Enfermagem na Prevenção do Câncer do Colo Uterino. Revista Extensão em Foco. [Internet]. 2018 [Citado em 2020 Mar 31];16:12-25. Disponível em:
11. Damacena AM, Luz LL, Mattos IE. Rastreamento do câncer do colo do útero em Teresina, Piauí: estudo avaliativo dos dados do Sistema de Informação do Câncer do Colo do Útero, 2006-2013. Epidemiol. Serv. Saúde. [Internet] 2017 [Citado em 2020 mar 31];26(1):71-80. Disponível em : .
Publicado
2020-07-08
Seção
Artigos originais