Percepção dos profissionais de saúde quanto ao efeito de um grupo de apoio à saúde mental na atenção primária à saúde

  • Maria Luiza Melo Machado Psicóloga Residente do Programa de Saúde da Família da SMS de Curitiba/FEAES https://orcid.org/0000-0001-9026-957X
  • Ana Paula Ferreira Gomes Psicóloga da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Tutora e Preceptora da Residencia Multiprofissional em Saúde da Família da SMS/FEAES, Docente dos cursos de Medicina e Psicologia das Faculdades Pequeno Príncipe. https://orcid.org/0000-0002-6484-7177
Palavras-chave: Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde, Serviços Comunitários de Saúde Mental

Resumo

A inclusão das ações de saúde mental na Atenção Primária à Saúde atende aos princípios do Sistema Único de Saúde e contribui para o processo da Reforma Psiquiátrica brasileira. Neste contexto, este estudo relata o efeito de um grupo na relação de cuidado com usuários com transtornos mentais em uma Unidade Básica de Saúde de Curitiba. Para investigar seu efeito, levantou-se a percepção dos profissionais envolvidos, a partir da análise de conteúdo. Os relatos dos profissionais foram agrupados em temas e núcleos de discussões; as ocorrências das respostas foram enumeradas (quantitativo) e os conteúdos selecionados foram analisados (qualitativo). Nos resultados, percebeu-se efeito positivo na assistência à saúde mental, destacando-se melhora na autoestima, autonomia e comunicação dos usuários; bem como mudanças de atitude daqueles que prestam cuidado, com quebra de preconceitos e redução de estigmas, proporcionando um melhor acolhimento e compreensão do contexto em que os usuários vivem.

Biografia do Autor

Maria Luiza Melo Machado, Psicóloga Residente do Programa de Saúde da Família da SMS de Curitiba/FEAES

Psicóloga especializada em Psicologia, Habilidades Sociais e Desenvolvimento Humano.

Ana Paula Ferreira Gomes, Psicóloga da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba, Tutora e Preceptora da Residencia Multiprofissional em Saúde da Família da SMS/FEAES, Docente dos cursos de Medicina e Psicologia das Faculdades Pequeno Príncipe.

Mestre em Gestão de Tecnologia e Inovação em Saúde, área de concentração: saúde coletiva, pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Líbanês. Tutora Preceptora na Residência Multiprofissional em Saúde da Família da SMS de Curitiba e professora no Curso de Graduação em Psicologia e Medicina das Faculdades Pequeno Príncipe.

Referências

1. Amarante PDC. Reforma Psiquiátrica e Epistemologia. Cad. Bras. Saúde Mental, vol.1, n.1, jan-abr, 2009.
2. Prado Filho KP, Lemos FCS. Uma breve cartografia da luta antimanicomial no Brasil. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, v. 2, n. 1, p. 45-63, jan-jun, 2012.
3. Amarante PDC. Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro, Fiocruz, 1994.
4. De Leon GA. Comunidade Terapêutica – teoria, modelo e método. Ed. Loyola, São Paulo, SP, 2003.
5. Souza AC. Estratégias de Inclusão da Saúde Mental na Atenção Básica - Col. Saúde Loucura. Ed. Hucitec, 2015
6. Amarante PDC. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro, Fiocruz, 1996.
7. Organização Mundial da Saúde - Saúde Mental: nova concepção, nova esperança: relatório sobre a saúde no mundo. Geneve : OMS, 2001.
8. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde Mental e Atenção Básica: o vínculo e o diálogo necessários – Inclusão das ações de Saúde Mental na Atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; Circular Conjunta n. 01 e 03, 2003.
9. Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre Atenção Primária à Saúde. Alma-Ata, 1978.
10. Santos Y. O ambulatório de saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica em Natal/RN. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2007.
11. Yassui S. Rupturas e encontros: desafios da reforma psiquiátrica brasileira. Tese de Doutorado, Curso de Pós-graduação em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, Fiocruz, 2006.
12. Antonacci MH, Pinho LB. Saúde Mental na Atenção Básica: uma abordagem convergente assistencial. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, 2011
13. Neto FK. Reforma psiquiátrica e conceito de esclarecimento: reflexões críticas. Rev. Mental - Ano I - n. 1 – Barbacena, dez, 2003.
14. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. 5a ed. ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
15. Brasil. Lei 10.216 de 6 de abril de 2001. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em Saúde Mental:1990-2004. 5a ed. Brasília: 2004.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 34. Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.
17. Jorge MSB, Randemark NFR, Queiroz MVO, Ruiz EM. Reabilitação Psicossocial: visão da equipe de Saúde Mental. Rev Bras Enfermagem, Fortaleza, v. 59, n.6, p.734-739, nov./dez. 2006.
18. Mendonça RT, Carvalho ACD, Vieira EM, Adorno RCF. Medicalização de mulheres idosas e interação com consumo de calmantes. Saúde Soc., p. 95- 106, 2008
19. Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 2008.
20. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.
21. Brasil. Portaria GM 3088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de saúde (SUS) Diário Oficial da União, 2011.
22. Brasil. Portaria no 3588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e no 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial e dá outras providências. Diário Oficial da União – Seção 1, no 245, 22 de dezembro de 2017..
23. Heidrich AV. Reforma psiquiátrica à brasileira: Análise sob a perspectiva da desinstitucionalização. Tese de Doutorado – Porto Alegre: PUCRS, 2007
24. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.
25. Barros JAC. Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelo biomédico? Rev. Saúde Soc, 2002.
26. Marco MA. Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: um projeto de educação permanente. Rev. Bras. Educ. Med., v.30, n.1, p.60-72, 2006.
27. Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; p.74-111, 1997.
28. Santos ROM. O vínculo longitudinal como dispositivo do cuidado: Saúde da Família e doenças crônicas em uma comunidade do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Rio de Janeiro, 2015.
Publicado
2018-07-24
Como Citar
1.
Luiza Melo Machado M, Paula Ferreira Gomes A. Percepção dos profissionais de saúde quanto ao efeito de um grupo de apoio à saúde mental na atenção primária à saúde. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 24jul.2018 [citado 25maio2024];1(1):35-6. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/38
Seção
Artigos originais