Perfil de gestantes adolescentes diagnosticadas com sífilis em Curitiba-PR

Palavras-chave: Epidemiologia, Sífilis Gestacional, Gravidez na adolescência

Resumo

Objetivos: realizar levantamento epidemiológico de casos confirmados de sífilis em gestantes adolescentes no período de 2007 a 2016 e estabelecer o perfil epidemiológico das adolescentes diagnosticadas com sífilis na gestação. Método: estudo documental retrospectivo de abordagem quantitativa. Desenvolvida com dados do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (SINAN). Resultados: Verificou-se um constante aumento dos casos de sífilis em gestantes adolescentes, com maior expressividade para os três últimos anos pesquisados, que juntos, acumularam 57% dos casos notificados. A maioria das gestantes adolescentes tinham entre 15 e 19 anos (96,8%), e possuíam apenas a 5ª e a 8ª séries incompletas (23,9%). Quanto ao diagnóstico e tratamento, 43,2% foram diagnosticadas ainda no 1º trimestre, 68,7% estavam na fase latente e apenas 50% dos parceiros foram tratados concomitantemente. Conclusão: A incidência de sífilis em gestantes adolescentes vem aumentando de forma preocupante. São necessárias intervenções mais eficazes para o controle da doença entre adolescentes.

Biografia do Autor

Márcia Moroskoski, Faculdades Pequeno Príncipe.

Enfermeira Residente em Saúde da Criança e do Adolescente – Faculdades Pequeno Príncipe.

Leandro Rozin, Faculdades Pequeno Príncipe

Enfermeiro. Docente da Faculdades Pequeno Príncipe. Mestre em biotecnologia aplicada à saúde da criança e do adolescente.

Maria Cecília Batista, Faculdades Pequeno Príncipe

Enfermeira Residente em Saúde da Criança e do Adolescente – Faculdades Pequeno Príncipe.

Rosimara Oliveira Queiroz, Faculdades Pequeno Príncipe

Enfermeira Residente em Saúde da Criança e do Adolescente – Faculdades Pequeno Príncipe.

Selma Pereira Silva, Faculdades Pequeno Príncipe.

Enfermeira Residente em Saúde da Criança e do Adolescente – Faculdades Pequeno Príncipe.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde lança ação nacional de combate à sífilis. Brasília – DF: 2016. Acesso em 18 Abr 2017. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/26100-ministerio-da-saude-lanca-acao-nacional-de-combate-a-sifilis.
2. Brasil. Ministério da Saúde. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções sexualmente transmissíveis. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília – DF: 2015.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Gestação de Alto Risco – Manual Técnico. 5ª Edição. Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília – DF: 2012.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. 1ª Edição atualizada. Brasília – DF: 2016.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Manual técnico para diagnóstico de sífilis. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília – DF: 2016.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Caderno de Boas Práticas: O uso da penicilina na Atenção Básica para a prevenção da Sífilis Congênita no Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Brasília – DF: 2015.
7. Jardim DP, Santos EF. Uso do preservativo masculino por adolescentes no início da vida sexual. Adolesc Saude. 2012 Out [citado 2017 Out 15] 9(2):37-44. Disponível em: http://saudepublica.bvs.br/pesquisa/resource/pt/psi-52741
8. Peternelli LA. Conhecendo o R: Uma revisão estatística. Editora FGV. Série caderno e didáticos, 2009.
9. Orso LF, Mazzetto FMC, Siqueira FPC, Chadi PF. Ser mãe na adolescência: significado dessa vivência na gestação e parto. Rev. enferm. UFPE on line; 2016. Out [citado 2017 Out 05] 10(6): 4870-4879, dez. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11267/12899
10. Brasil. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico Sífilis 2017. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília – DF: 2017.
11. Costa CC, Freitas LV, Sousa DMN, Oliveira LL, Chagas ACMA, Lopes MVO et al. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2013 Set [citado 2017 set 12]; 47(1): 152-159. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342013000100019&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342013000100019.
12. Ximenes IPE, Moura ERF, Freitas GL, Oliveira NC. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev RENE. 2008; 9(3): 74-80.
13. Silva CAB. Gravidez na adolescência x políticas públicas: análise contextual. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar.; 2012; Nov [citado 2017 Nov 13]; 7:15-20. Disponível em: http://www.revista.univar.edu.br/index.php/interdisciplinar/article/view/101.
14. Moreira K, de Oliveira D, de Alencar L, Cavalcante D, Pinheiro A, Orfão N. Perfil dos casos notificados de sífilis congênita. Cogitare Enfermagem. [Online]. 2017. Dec [cited 2017 Dec 23] 22:2. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/48949/pdf
15. Cruz, MA. Desigualdade racial dificulta acesso da população negra aos serviços de saúde. Campinas, 7 a 13 de dezembro de 2009 JORNAL DA UNICAMP. Disponível em: http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/dezembro2009/ju450pdf/Pag05.pdf.
16. Werneck, J. Racismo institucional e saúde da população negra. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola de Comunicação. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Saúde Soc. São Paulo. 2011; 25(3): 535-549.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Indicadores de Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília – DF: 2012. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=15580&Itemid=803#doencas. Acesso em 02 Dez 2017.
18. Barbosa DRM, Almeida MG; Silva AO; Araújo AA; Santos AG. Perfil epidemiológico dos casos de sífilis gestacional. Rev. enferm. UFPE on line; 2017 Nov [citado 2017 Nov 29] 11(5): 1867-1874, mai. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/23335/18934.
19. Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad. Saúde Pública. [Internet] 2013 Abr [Citado 2017 Abr 06]; 29(6): 1109-1120. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2013000600008&lng=en&nrm=iso
20. Rodrigues CS, Guimarães MDC; Grupo Nacional de Estudo sobre Sífilis Congênita. Positividade para sífilis em puérperas: ainda um desafio para o Brasil. Rev Panam Salud Pública. 2004; 16: 168-75.
21. Campos ALA, Araújo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2010 Ago [citado 2017 Ago 26]; 26(9): 1747-1755. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010000900008&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000900008.
22. Romanelli RMC, Carellos EVM; Souza HC; Paula AT; Rodrigues LV; Oliveira WM, et al. Manejo de sífilis em gestantes e seus recém-nascidos: ainda um problema? j. bras. doenças sex. transm; 2015. Set [citado 2017 set 12]; 27(1-2):35-39. Disponível em: http://www.dst.uff.br/revista27-1-2-2015/DST_v27n1-2_35-39_IN.pdf
23. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem. Portaria GM/MS nº 1.944, de 27 de agosto de 2009.
24. Brasil. Ministério da Saúde. Guia do Pré-Natal do Parceiro para Profissionais de Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação Nacional de Saúde do Homem. Brasília – DF: 2016.
Publicado
2018-07-24
Como Citar
1.
Moroskoski M, Rozin L, Cecília Batista M, Oliveira Queiroz R, Pereira Silva S. Perfil de gestantes adolescentes diagnosticadas com sífilis em Curitiba-PR. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 24jul.2018 [citado 25maio2024];1(1):47-8. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/39
Seção
Artigos originais