Prática de saúde na atenção básica na perspectiva da política de humanização num município cearense

Palavras-chave: Sistema único de saúde. Humanização. Atenção básica de saúde.

Resumo

O Sistema Único de Saúde (SUS) após suas fases iniciais de garantia de acesso, de construção de infraestrutura, de definição de processos de financiamento, introduziu-se, nesse sistema, uma dimensão qualitativa, de gestão e de cuidado, que se traduziu pela Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão em Saúde (PNH). O objetivo deste estudo é compreender a prática de saúde na atenção básica no SUS – Quixadá- Ceará, na perspectiva da PNH. Tratou-se de um estudo de natureza qualitativa, descritivo, desenvolvido nas Unidades básicas de saúde da sede de Quixadá-CE e os participantes foram 12 profissionais, 3 gestores e 39 usuários, definidos por saturação teórica-empírica. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevista semiestruturada e a análise foi a de conteúdo do tipo categorial temática. Como resultante, observou-se que existe um distanciamento das práticas humanizadas no setor saúde com ênfase nas diretrizes estabelecidas pela PNH.

 

Biografia do Autor

Francisco Bruno Queirós de Freitas, Centro universitário católica de Quixadá- Unicatólica

contribuiu com a coleta de informações, análise e interpretação dos dados e redação do artigo; é responsável por todos os aspectos do trabalho na garantia da exatidão e integridade de qualquer parte da obra.

Antonia Jussara da Silva Lourenço, Centro universitário católica de Quixadá- Unicatólica

contribuiu com a coleta de informações, análise e interpretação dos dados e redação do artigo; é responsável por todos os aspectos do trabalho na garantia da exatidão e integridade de qualquer parte da obra.

Francisca Clarice Rodrigues Henrique, Centro universitário católica de Quixadá- Unicatólica

contribuiu com a coleta de informações, análise e interpretação dos dados e redação do artigo; é responsável por todos os aspectos do trabalho na garantia da exatidão e integridade de qualquer parte da obra.

Silvia Fernanda de Sousa Araújo, Centro universitário católica de Quixadá- Unicatólica

contribuiu com a coleta de informações, análise e interpretação dos dados e redação do artigo; é responsável por todos os aspectos do trabalho na garantia da exatidão e integridade de qualquer parte da obra.

Mariza Maria Barbosa Carvalho, Centro Universitário Católica de Quixadá- Unicatólica

contribuiu com a concepção e projeto, redação do artigo, revisão crítica relevante do conteúdo intelectual e aprovação da versão final a ser publicada.

Referências

1. Sampaio JJC. A humanização em saúde. In: Carneiro C, Ruiz EM, organizadores. Acolher cidadão: estratégia de aperfeiçoamento do SUS em Quixadá, Ceará. Fortaleza: Editora UECE; 2006. p. 21-26.
2. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Diário Oficial da União; 2012.
3. Coutinho lRP, Barbieri AR, Santos MLM. Acolhimento na atenção primária à saúde: revisão integrativa. Saúde em debate. 2015; 39(105): 514-524.
4. Santos JP. A escuta qualificada-instrumento facilitados no acolhimento ao servidor readaptado. Biblioteca virtual em saúde-BVS. 2014.
5. Barbosa MMA. Pratica de fisioterapia na perspectiva da política nacional da humanização da atenção e da gestão em saúde. [dissertação de mestrado]. Fortaleza :Universidade estadual do Ceará; 2009.
6. Calderon DBL, Verdi MIM. Cogestão e processo de intervenção de apoiadores da política nacional de humanização (PNH). Rev Interface. 2014; 18(1): 859-870.
7. Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização, Textos Básicos de Saúde. Cartilha da PNH: acolhimento nas práticas de produção de saúde; 2006. p. 3-46.
8. Ribeiro JP, Gomes GC, Thofehrn MB. Ambiência como estratégia de humanização da assistência na unidade de pediatria: Revisão sistemática. Rev Esc Enferm. 2014; 48(3):530-539.
9. Brasil. Ministério da Saúde. A Experiência da Diretriz de Ambiência da Política Nacional de Humanização – PNH; 2017. p. 7-43.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Cartilha da PNH Ambiência; 2010. p. 3-34.
11. Sousa EA. A valorização do trabalho e do trabalhador da saúde na perspectiva da PNH. Rede Humaniza Sus; 2014.
12. Arsego LR. A valorização do trabalhador da saúde pública: A agenda brasileira. [dissertação de mestrado]. Rio Grande do Sul: Universidade federal do rio grande do sul. 2013.
13. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização-HumanizaSUS; 2019.
14. Brasil. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde; 2012. p. 5-25.
15. Oliveira IC, Rocha RM, Cutolo LRA. Algumas palavras sobre o NASF: relatando uma experiência acadêmica. Revista Brasileira de Educação Médica. 2012; 36(4):574-80.
16. Campos GWS, Amaral MA. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciência e Saúde Coletiva. 2007;12(4):849-859.
17. Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Clinica ampliada e compartilhada; 2009. p.5-62.
18. Brasil. Ministério da Saúde. Guia prático de matriciamento em saúde mental; 2011. p.13-235.
19. Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família. O Mundo da Saúde. 2010; 34(1): 92-96.
20. Santos MDC. Sistema de referência-contrarreferência em saúde em São Sebastião da Vitória, distrito de São João Del Rei-MG: o papel da rede na atenção básica. [monografia] Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais; 2015.
21. Serra CG, Rodrigues PHA. Avaliação da referência e contrarreferência no Programa Saúde da Família na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva. 2010; 15(3):3579-3586.
22. Kantorski LP, Coimbra VCC, Oliveira NA, Nunes CK, Pavani FM, Sperb LCSO. Atenção Psicossocial Infanto juvenil: interfaces com a rede de saúde pelo sistema de referência e contrarreferência. Texto & Contexto Enfermagem. 2017; 26(3):1-10.
Publicado
2021-04-09
Como Citar
1.
Queirós de Freitas F, da Silva Lourenço A, Rodrigues Henrique F, de Sousa Araújo S, Barbosa Carvalho M. Prática de saúde na atenção básica na perspectiva da política de humanização num município cearense. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 9abr.2021 [citado 28nov.2022];3(2):02-8. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/390
Seção
Artigos originais