Docentes vítimas de violência laboral e a implicação nas dimensões da sindrome de Burnout

Palavras-chave: Docentes, Violência no trabalho, Esgotamento psicológico

Resumo

O presente estudo teve como objetivo comparar variáveis de violência fisica e verbal e sua implicação nas dimensões do burnout. Trata-se de um estudo exploratório, cuja a população foi docentes do ensino fundamental e médio de escolas públicas de um município de médio porte localizado no Sul do Brasil. Foi utilizado o teste de ‘U’ de Mann-Whitney para comparação de médias. A maior parte dos participantes eram do sexo feminino, as idades variaram de 21 a 66 anos. Os docentes que sofreram violência física e verbal no ambiente laboral nos últimos 12 meses, apresentaram níveis maiores de exaustão emocional e despersonalização contudo a realização profissional houve pouca alteração, a presença de duas dimensões alteradas já indica síndrome de Burnout. A violência contra os docentes no ambiente escolar prejudica a saúde dos profissionais e consequentemente o desempenho profissional.

Biografia do Autor

Aline Aparecida Oliveira Moreira, Universidade Estadual de Londrina. Hospital Dr. Eulalino Ignácio de Andrade

Doutoranda em Enfermagem no Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina. Enfermeira do Serviço de Educação e Pesquisa do Hospital Dr. Eulalino Ignácio de Andrade.

Referências

1. Chappell D, Di Martino V. Violence at work. Third edition. [Internet] Geneva: ILO; 2006.

2. Santos FPA et al. Estratégias de enfrentamento dos dilemas bioéticos gerados pela violência na escola. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 2011, 21(1), 267- 281.

3. Ferrinho P(Coord). Violência no local de trabalho no sector da saúde: estudos de casos portugueses. Lisboa: Associação para o Desenvolvimento e Cooperação Garcia de Orta, 2002.

4. Gurgel CR, Matos FAS. A violência contra professores: saberes e práticas. Campina Grande: Realize Editora, 2012.

5. Brasil KCT, Legnani, VN, Vieira RA. Violência ‘na’ e ‘da’ escola: concepções de professores e alunos adolescentes. Linhas Críticas. 2015 set./dez.(46):708726.

6. Giorgi G. et al. Bullying among nurses and its relationship with burnout and organizational climate. International journal of nursing practice.2016(22):160-168. doi:10.1111/ijn.12376

7. Isenhardt A, Hostettler U. Inmate violence and correctional staff burnout: the role of sense of security, gender, and job characteristics. Journal of interpersonal violence Epub ahead of print. 2016.

8. Portoghese I et al. Fear of future violence at work and job burnout: A diary study on the role of psychological violence and job control. Burnout Research. 2017 (7):36-46. doi:10.1016/j.burn.2017.11.003.

9. Trépanier SG, Fernet C, Austin, S. A longitudinal investigation of workplace bullying, basic need satisfaction, and employee functioning. Journal of Occupational Health Psychology. 2015(20):105.

10. Sousa AJA. Campanha de comunicação – violência no trabalho (Trabalho de Projeto). Instituto Politécnico de Lisboa, Escola Superior de Comunicação Social, Lisboa, 2013.

11. Oliveira LF. Prevalência de transtornos mentais comuns e fatores associados em professores (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Medicina da Bahia, Salvador/BA), 2013.

12. Guimarães TCP, Manhães FCA. Síndrome De Burnout: Um Estudo Comparativo Sobre A Prática Pedagógica E A Qualidade Do Ensino Entre Docentes Que Atuam Na Educação De Jovens, Adultos E Idosos E Na Modalidade Regular. Revista Científica Interdisciplinar. 2015; 2(3):112-6.

13. Maslach C, Leiter MP, Jackson SE. Making a significant difference with burnout interventions: researcher and practitioner collaboration. Journal of Organizational Behavior. 2012; 33(2):296-300.

14. Maslach C, Schaufeli WB, Leiter MP. Job burnout. Annual Review of Psychology. 2001; 52:397-422.

15. Moreira DS et al. Prevalência da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2009; 25(7):1559-68.

16. Sousa IF, Mendonça H. Burnout em Professores Universitários: Impacto de Percepções de Justiça e Comprometimento Afetivo. Pic. Teor. Pesq. 2009; 25(4):499- 508.

17. Maslach C, Leiter MP. Understanding the burnout expeirence: recente research an its implications for psychiatry. World Psychiatry, Milan. 2016; 15(2):103-111.

18. Nesello F et al. Características da violência escolar no Brasil: revisão sistemática de estudos quantitativos. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2014; 14(2):119-136.

19. Malta DC et al. Bullying nas escolas brasileiras: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2009. Ciência & Saúde Coletiva. 2010 out.; 15:3065-76.

20. Wei C et al. Work-related violence against educators in Minnesota: Rates and risks based on hours exposed. Journal of safety research. 2013.
21. Bordignon M, Monteiro MI. Validade aparente de um questionário para avaliação da violência no trabalho. Acta Paulista de Enfermagem. 2015; 28(6).

22. Demerouti E et al. The convergent validity of two burnout instruments: a multitrait-multimethod analysis. European Journal of Psychological Assessment. 2002; 18(3):296-307.
23. Miranda H, Punnett L, Gore RJ. Musculoskeletal pain and reported workplace assault: a prospective study of clinical staff in nursing homes. Human factors. 2014:215-227.

24. Verkuil B, Atasayi S, Molendijk ML. Workplace bullying and mental health: a meta-analysis on cross-sectional and longitudinal data. PloS one.2015; 10:e0135225.

25. Diehl L, Carlotto MS. Síndrome de Burnout: indicadores para a construção de um diagnóstico. Psicologia Clínica. 2015; 27(2):161-179.

26. Hamdan M, Hamra AA. Burnout among workers in emergency Departments in Palestinian associated factors. BMC Health Service Research (Online). 2017, 17(1).

27. Livne Y, Goussinsky R. Workplace bullying and burnout among healthcare employees: The moderating effect of control‐related resources. Nursing & health sciences Epub ahead of print. 2017.

28. Allen BC, Holland P, Reynolds R. The effect of bullying on burnout in nurses: the moderating role of psychological detachment. J Adv Nurs.v2015(71):381-390. doi:10.1111/jan.12489.

29. Mościcka-Teske A, Drabek M, Pyżalski J. Experienced bullying and hostile behavior in the workplace and symptoms of burnout in teachers. Medycyna pracy. 2014 (65):535-542.

30. Koga GKC et al. "Fatores associados a piores níveis na escala de Burnout em professores da educação básica." Cadernos Saúde Coletiva. 2015, 23(3): 268-275.

31. Dubet F. A escola e a exclusão. Cadernos de Pesquisa. 2003(119):29-45.

32. Droogenbroeck FV, Spruyt. B. Do teachers have worse mental health? Review of the existing comparative research and results from the Belgian Health Interview Survey. 2015.

33. Salvagioni, DAJ et al. Physical, psychological and occupational consequences of job burnout: A systematic review of prospective studies. PloS one. 2017, 12(10): e0185781.

34. Espelage D. et al. Understanding and preventing violence directed against teachers: recommendations for a national research, practice, and policy agenda. Am Psychol. 2013 (68):75-87.

35. Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo. Violência nas escolas: o olhar dos professores. CEPES: Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais, Sindicais e Gerenciamento do Banco de dados da APEOESP, 2013.

36. Soares MH, Bueno SMV. Cenário do ensino do enfermeiro psiquiátrico. Ciência, Cuidado e Saúde. 2012, 11(5):160-167.

37. Silva AD. Prevalência e fatores associados à dor crônica em professores da rede estadual de Londrina-PR. 2014. 101 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

38. Leme LRL. Qualidade de sono em indivíduos com dor crônica. 2014. 70 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Centro de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Guarulhos, Guarulhos, 2014.

39. Esteves-Ferreira AA, Santos DE, Rigolon RG. Avaliação comparativa dos sintomas da síndrome de burnout em professores de escolas públicas e privadas. Revista Brasileira de Educação. 2014, 19(59):987-1002.

40. Carlotto MS, Câmara SG. Análise fatorial do Maslach Burnout Inventory (mbi) em uma amostra de professores de instituições particulares. Psicologia em estudo. 2004, 9(3):499-505.

41. Tavares PA, Pietrobom FC. Fatores associados à violência escolar: evidências para o Estado de São Paulo Estud. Econ. 2016, 46(2):471-498.

42. Codo W. Educação: carinho e trabalho. Pretrópolis: Vozes, 1999.

43. Costa MSGA, Barbosa NDE, Carraro PR. A importância do trabalho do psicólogo escolar aos docentes em escolas públicas. Revista EIXO. 2014, 3(2): 73-80.
Publicado
2021-04-09
Como Citar
1.
Santiago Ribeiro BM, Martins J, Barcelos Dalri R de C, Oliveira Moreira A. Docentes vítimas de violência laboral e a implicação nas dimensões da sindrome de Burnout. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 9abr.2021 [citado 28nov.2022];3(2):94-06. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/398
Seção
Artigos originais