Atendimento da Estratégia Saúde da Família: percepções de usuários adultos e cuidadores de crianças

Palavras-chave: Avaliação em Saúde. Atenção Primária a Saúde. Estratégia Saúde da Família. Coordenação do Cuidado. Rede de Atenção à Saúde.

Resumo

O estudo buscou compreender a percepção de usuários da Atenção Primária à Saúde (APS) sobre o atendimento da Estratégia Saúde da Família (ESF) na perspectiva de cuidadores de crianças menores de dois anos e usuários adultos. Trata-se de um estudo descritivo e qualitativo com a participação de 37 usuários adultos e 36 cuidadores de crianças, com média de idade de 38,2 anos, 89,04 % mulheres e 10,96% homens. As respostas passaram pela análise de conteúdo com a construção das temáticas: “Reconhecendo os atributos essenciais da Atenção Primária à Saúde”, “Identificando fragilidades na Estratégia Saúde da Família” e “Sugerindo melhorias na Estratégia Saúde da Família”. Os usuários da ESF percebem a presença de atributos da APS como acesso de primeiro contato, integralidade e continuidade do cuidado, mas apresentam insatisfação com o agendamento de consultas para especialistas e exames diagnósticos, falta de medicamentos, falta de coordenação e integralidade na assistência à saúde.

Referências

1. Starfield B, organizadora. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura; 2002.
2. Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. The health care model: concepts and challenges for primary health care in Brazil. Ciênc. saúde coletiva. 2015;20(6):1869-1878.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, 22 set. 2017. Seção 1, p.68.
4. Morosini MVGC, Fonseca AF, Lima LD. Política Nacional de Atenção Básica 2017: retrocessos e riscos para o Sistema Único de Saúde. Saúde debate. 2018;42(116):11-24.
5. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.
6. Lapão LV, Arcêncio RA, Popolin MP, Rodrigues LBB. Atenção Primária à Saúde na coordenação das Redes de Atenção à Saúde no Rio de Janeiro, Brasil, e na região de Lisboa, Portugal. Ciênc. saúde coletiva. 2017;22(3):713-724.
7. Mendes, EV. A construção social da atenção primária à saúde. / Eugênio Vilaça Mendes. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS; 2015. 193 p.

8.Vargas I, Mogollon-Perez AS, De Paepe P, Ferreira da Silva MR, Unger JP, Vazquez ML. Barriers to healthcare coordination in market-based and decentralized public health systems: a qualitative study in healthcare networks of Colombia and Brazil. Health Policy Plan 2016; 31(6):736-748
9. Bousquat A, Giovanella L, Campos EMS, Almeida PF, Martins CL, Mota PHS et al. Atenção primária à saúde e coordenação do cuidado nas regiões de saúde: perspectiva de gestores e usuários. Ciênc. saúde coletiva. 2017;22(4):1141-1154.
10. Bynum JPW, Ross JS. A measure of care coordination? J Gen Intern Med. 2012;28(3):336-8.
11. Almeida PF, Santos AM. Atenção Primária à Saúde: coordenadora do cuidado em redes regionalizadas? Rev Saúde Pública 2016;50(80):1-13.
12. Gomes R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: Minayo, MCS Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. 20ª ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2010.
13. Sala de Apoio a Gestão Estratégica (SAGE) do Ministério da Saúde [homepage na internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. [citado 2019 dez. 9]. Disponível em: http://sage.saude.gov.br/
14. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2010.
15. Samico I, Hartz ZMA, Felisberto E, Carvalho EF. Atenção à saúde da criança: uma análise do grau de implantação e da satisfação de profissionais e usuários em dois municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2005; 5(2):229-240.
16. Moimaz SAS, Marques JAM, Saliba O, Garbin CAS, Zina LG, Saliba NA. Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis. 2010;20(4):1419-1440.
17. Melo DF, Criscuolo MBR, Viegas SMF. Referência e contrarreferência no cotidiano da atenção à saúde de Divinópolis-MG, Brasil: o suporte às decisões da atenção primária. Rev Fund Care Online [Internet]. 2016 Oct [cited 2017 Dec 21];8(4):4986-4995. Available from: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/4402/pdf
18. Fernandes LA, Neves RS, Leandro SS, Monteiro PS. Coordenação do cuidado em uma região administrativa do distrito federal: uma pesquisa avaliativa. Enferm. Foco. 2018;9(1):13-19.
19. Almeida PF, Fausto MCR, Giovanella L. Fortalecimento da atenção primária à saúde: estratégia para potencializar a coordenação dos cuidados. Rev Panam Salud Publica. 2011:29(2):84–95.
20. Vargas I, Vázquez ML, Mogollón-Pérez AS, Unger JP. Barriers of access to care in a managed competition model: lessons from Colombia. BMC Health Serv Res. 2010; 10:297.
21. Mendes EV. O acesso à atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS; 2016. 171 p.
22. Fausto MCR, Giovanella L, Mendonça MHM, Seidl H, Gagno J. A posição da Estratégia Saúde da Família na rede de atenção à saúde na perspectiva das equipes e usuários participantes do PMAQ-AB. Saúde debate. 2014;38(n. spe):13-33.
23. Brousseau DC, Bergholte J, Gorelick MH. The effect of prior interactions with a primary care provider on nonurgent pediatric emergency department use. Arch Pediatr Adolesc Med. 2004;158(1):78-82.
24. Arantes LJ, Shimizu HE, Merchán-Hamann E. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura Ciênc. saúde coletiva; 2016;21(5):1499-1509.
25. Nascimento DDG, Oliveira MAC. Reflexões sobre as competências profissionais para o processo de trabalho nos núcleos de apoio à saúde da família. Mundo Saude 2010; 34(1):92-96.
26. Sousa MF, Merchán-Hamann E. Quinze anos de uma agenda em construção: diálogos sobre o PSF no Brasil. Cien Saude Colet. 2009;14(Supl. 1):1336-1345.
27. Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 2010; 31 dez.
28. Kringos DS, Boerma WG, Bourgueil Y, Cartier T, Hasvold T, Hutchinson A et al. The European primary care monitor: structure, process and outcome indicators. BMC Fam Pract. 2010;11:81.
29. Brandão ALRBS, Giovanella L, Campos CEA. Avaliação da atenção básica pela perspectiva dos usuários: adaptação do instrumento EUROPEP para grandes centros urbanos brasileiros. Ciênc. saúde coletiva. 2013;18(1):103-114.
Publicado
2021-04-09
Como Citar
1.
Gomes MF, Reticena K, Fracolli LA. Atendimento da Estratégia Saúde da Família: percepções de usuários adultos e cuidadores de crianças. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 9abr.2021 [citado 28nov.2022];3(2):19-1. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/401
Seção
Artigos originais