Avaliação do uso de tecnologias no atendimento domiciliar de crianças e adolescentes na cidade de Curitiba

Palavras-chave: Saúde da Criança, Serviços de Assistência Domiciliar, Tecnologia Biomédica

Resumo

Tendo em vista o crescente número de pacientes complexos atendidos em domicílio, o objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia do uso de tecnologia em saúde, em pacientes de 0-17 anos,11 meses e 29 dias, atendidos pelo serviço público de atenção domiciliar, Programa Melhor em Casa, da cidade de Curitiba - Paraná. Os seguintes dados foram coletados de planilhas e prontuários: uso e identificação de recurso tecnológico, tempo de permanência no programa, re-hospitalizações e dados clínicos e funcionais. A análise dos dados resultou em 40 participantes, predomínio do sexo masculino, idade média de 7 (± 6) anos, e diagnósticos clínicos variados. A incidência de alteração de mecânica ventilatória foi de 50% e o tempo de permanência no programa foi 82,5% superior em pacientes com uso de tecnologia respiratória. A baixa incidência de re-hospitalizações pode indicar a efetividade do atendimento domiciliar possibilitando o uso consciente e seguro de tecnologia em domicílio.

Biografia do Autor

Andrea Maria Cavalcante Alencar, SMS/ Feaes

Fisioterapeuta em Saúde da Família pelo Programa de Residência da SMS/ Feaes, formada pelo Centro Universitário UNINOVAFAPI.

Elenize Losso, Fisioterapeuta no Programa Melhor em Casa de Curitiba.

Fisioterapeuta no Programa Melhor em Casa de Curitiba. Mestre em Engenharia Biomédica pela UFPR.

Talita Turatti do Carvalhal, Fisioterapeuta no Programa Melhor em Casa de Curitiba.

Fisioterapeuta no Programa Melhor em Casa, especialista em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Faculdade Inspirar, formada na Universidade Estadual Paulista

Suzane Ketlyn Martello, Fisioterapeuta no Hospital de Dermatologia Sanitária do Paraná.

Fisioterapeuta no Hospital de Dermatologia Sanitária do Paraná, mestre em Tecnologia em Saúde, pela PUCPR.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 03 out; 2017.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS (CONITEC). Brasília: Ministério da Saúde; 2017.
3. Lyra Filho FJ, Hirschheimer MR. Atenção domiciliar a crianças e adolescentes. Recomendações. Atualizações de Condutas em Pediatria. São Paulo: Sociedade de Pediatria de São Paulo; 2010.

4. Salgado EQMA, Luis LAF, Leite NSL. A família da criança dependente de tecnologia. In: Assistência Domiciliar Pediátrica-trabalho interdisciplinar, conceitos e desafios em dependências tecnológicas. São Paulo: Atheneu; 2013.

5. Lima TC, Vargas MAO. Cuidado domiciliar intensivo: uma possível realidade do Sistema Único de Saúde? Rev Bras Enferm. 2004;57(6):658-61.

6. Pessanha FB, Freitas LAV, Rodrigues M, Mendes RAG. Abordagem fisioterapêutica global buscando a integridade das crianças dependentes de tecnologias. In: Cruz Filho AD, Vachod L. Assistência Domiciliar Pediátrica-trabalho interdisciplinar, conceitos e desafios em dependências tecnológicas. São Paulo: Atheneu; 2013.

7. Carbonero FC, Zago GM, Campos D. Tecnologia assistiva na Distrofia Muscular de Duchenne:aplicabilidade e benefícios. Rev Neurocienc.2012;20(1):109-16.

8. Drucker LP. Home technological support network for technolog dependent children discharged from a state-run hospital. Ciênc saúde coletiva. 2007;12(5):1285- 94.

9. Adde FV, Alvarezb AE, Barbisanc BN, Guimarães BR. Recommendations for long- term home oxygen therapy in children and adolescents. J Pediatr. 2013; 89(1):6-17.

10. Hanashiro M, Franco AOC, Ferraro AA, Troster EJ. Alternativas de tratamento para pacientes pediátricos em ventilação mecânica crônica. J Pediatr. 2011;87(2):145-9.

11. França EET, Ferrari FR, Fernandes PV, Cavalcanti R; Duarte A, Aquim EE et al. Força tarefa sobre a fisioterapia em pacientes críticos adultos: Diretrizes da Associação Brasileira de Fisioterapia Respiratória e Terapia Intensiva (ASSOBRAFIR) e Associação de Medicina Intensiva Brasileira. São Paulo: Associação de Medicina Intensiva Brasileira; 2012.

12. Barbas CS, Ísola AM, Farias AM, Cavalcanti AB, Gama AM, Duarte AC, et al. Recomendações brasileiras de ventilação mecânica 2013. J Bras Pneumol. 2014;40(5):458-86.

13. Resener TD, Martinez FE, Reiter K, Nicolai T. Assistência ventilatória domiciliar em crianças -descrição de um programa. J. Pediatr. 2001;77(2): 84-88

14. Garcia EAL, Mezzacappa MA, Pessoto MA. Programa de oxigenoterapia domiciliar para crianças egressas de uma unidade neonatal: relato da experiência de dez anos. Rev Paul Pediatr.2010;28(3):276-82.

15. Munhoz AS, Adde FV, Nakaie CMA, Doria Filho U, Silva Filho LVRF, Rodrigues JC. Oxigenoterapia domiciliar prolongada em crianças e adolescentes: uma análise do uso clínico e de custos de um programa assistencial. J. Pediatr. 2011;87(1):13-8.
.
Publicado
2018-07-24
Como Citar
1.
Maria Cavalcante Alencar A, Losso E, Turatti do Carvalhal T, Ketlyn Martello S. Avaliação do uso de tecnologias no atendimento domiciliar de crianças e adolescentes na cidade de Curitiba. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 24jul.2018 [citado 9fev.2023];1(1):11-9. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/42
Seção
Artigos originais