Atuação dos bacharéis em saúde coletiva na atenção primária à saúde em município de fronteira

Palavras-chave: Saúde Coletiva; Atenção Primária à Saúde; Gestão em Saúde; Trabalhador da Saúde

Resumo

Trata-se de um estudo qualitativo fundamentado na abordagem Fenomenológica Social de Alfred Schütz com objetivo de compreender as vivências dos bacharéis em saúde coletiva, gestores e conselheiros em saúde em uma região de fronteira sobre as potencialidades e desafios da atuação do bacharel em saúde coletiva na atenção primária à saúde. Foi desenvolvido no município de Foz do Iguaçu, Paraná. Na ótica dos entrevistados a atuação dos bacharéis em saúde coletiva na atenção primária à saúde e no contexto da saúde municipal foi sob o enfoque da gestão em saúde com o fortalecimento do modelo de atenção no nível primário. Os desafios estão relacionados à construção de uma identidade profissional, conquista de espaço dentro dos serviços de saúde e resistências de outros profissionais da saúde. As expectativas mostram o desejo por mudanças com a inserção do bacharel em saúde coletiva em diversos cenários de atuação nos serviços de saúde com enfoque na gestão para impulsionamento de mudanças para além da atenção primária à saúde. Conclui-se que as percepções dos entrevistados acerca da inserção do sanitarista bacharel em saúde coletiva no SUS refletiram a necessidade de fortalecimento da categoria profissional e a potencialidade do sanitarista enquanto gestor.

Referências

1. Bosi MLM, Paim JS. Graduação em Saúde Coletiva: subsídios para um debate necessário. Cad. Saúde Pública, 2009, (25, 2): 236-237.

2. Paim JS; Pinto ICM. Graduação em Saúde Coletiva: conquistas e passos para além do sanitarismo. Tempus (Brasília) 2013, 7(3):13-35.

3. Teixeira CF. Graduação em Saúde Coletiva: antecipando a formação do Sanitarista. Interface Comun. Saúde Educ. 2003, 7(13): 163-166.

4. Viana JL, Souza ECF. Os novos sanitaristas no mundo do trabalho: Um estudo com graduados em saúde coletiva. Trab. educ. saúde 2018, 16(3): 1261-1285.

5. ABRASCO. CNE aprova Diretrizes Curriculares Nacionais da Saúde Coletiva. Associação Brasileira de Saúde Coletiva, 2017 Ago 11. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/graduacaoemsaude/cne-aprova-diretrizes-curriculares-nacionais-da-saude-coletiva/249

6. Scher FS. O Bacharel em Saúde Coletiva na atenção primária: a experiência das Residências Multiprofissionais em Saúde. [Monografia] Salvador (BA) Universidade Federal da Bahia; 2016.

7. BRASIL. Ministério do Trabalho. Portal da classificação brasileira de ocupações. 2017d. Disponível em: .

8. Cezar DM, Ricalde IG, Santos L, Rocha CMF. O Bacharel em Saúde Coletiva e o mundo do trabalho: uma análise sobre editais para concursos públicos no âmbito do Sistema Único de Saúde. Saúde em Redes 2015, 1(4): 65-73.

9. Foz do Iguaçu. Decreto Lei nº4535, de 30 e agosto de 2017. Dispõe sobre a reorganização das carreiras funcionais dos servidores públicos da Prefeitura Municipal de Foz do Iguaçu, na forma específica. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/pr/f/foz-do-iguacu/lei-ordinaria/2017/454/4535/lei-ordinaria-n-4535-2017-altera-dispositivos-e-extingue-cargos-da-lei-n-1997-de-13-de-marco-de-1996-que-dispoe-sobre-a-reorganizacao-das-carreiras-funcionais-dos-servidores-publicos-da-prefeitura-do-municipio-de-foz-do-iguacu-na-forma-que-especifica. Acesso em: 15 de fevereiro de 2019.

10. Starfield B. Atenção Primária à Saúde: equilíbrio entre as necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO: Ministério da Saúde, p. 726. 2002.

11. Schütz, A. Sobre fenomenologia e relações sociais. Petrópolis: Vozes, 2012.

12. Schütz A. Bases da fenomenologia, In: WAGNER, H. (Org). (1979) Fenomenologia e relações sociais: textos escolhidos de Alfred Schutz. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

13. Nunes ED. Saúde Coletiva: história e uma ideia e de um conceito. Saúde Soc. 1994, 3(2): 5-21.

14. Ceccim RB; Feuewerker LCM. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública. 2004;20(5):1400-10.

15. Carneiro R. E o que faz/pode fazer um bacharel em Saúde Coletiva? A arte de pesquisar como prática de promoção da saúde. Rev. Tempus Actas de Saúde Coletiva. 2013. 4(2): 103-113.

16. Campos GWS; Guerreiro AVP. [org.]. Manual de Práticas de atenção básica: saúde ampliada e compartilhada – São Paulo: Adrealdo&Rothschild. 2008. 411p.- (Saúde em debate; 190).
Publicado
2021-04-30
Como Citar
1.
Parra da Luz L, Gomes L, Caldeira S, Barbosa TL. Atuação dos bacharéis em saúde coletiva na atenção primária à saúde em município de fronteira. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 30abr.2021 [citado 15maio2021];4(1):77-0. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/440
Seção
Artigos originais