Acolhimento como tecnologia em saúde: revisão sistemática

Palavras-chave: Acolhimento. Tecnologia. Humanização da Assistência. Sistema Único de Saúde.

Resumo

O acolhimento é compreendido como ferramenta tecnológica de intervenção. Porém, persiste a lacuna em verificar o conceito de tecnologia presente nas publicações. Assim, o objetivo do estudo foi identificar o acolhimento como tecnologia em saúde nas publicações sobre o tema, através de uma revisão sistemática nas bases de dados utilizando termos dos Descritores em Ciência da Saúde. Foram incluídos estudos qualitativos, nos quais foi identificado o conceito de tecnologia.  Observou-se recorrência dos temas: tecnologia, acesso, resolutividade, escuta, vínculo, sensibilização, processo de trabalho, modelo biomédico, estrutura física, organização, rede e capacitação profissional. Mesmo quando o termo “Tecnologia” não foi literalmente encontrado nos artigos, o seu conceito esteve presente apontando o acolhimento nas transformações dos processos de trabalho. Portanto, o acolhimento pode ser compreendido como tecnologia em saúde, pois se encaixa no conceito de meio ou atividade para modificar o ambiente.

Referências

1. Brasil. Folheto política nacional de humanização PNH, 1º edição, Brasília, 2013.
2. Guerrero P et al. O acolhimento como boa prática na atenção básica à saúde. Texto contexto - enferm. [Internet]. 2013. Mar [cited 2019 Ago 08]; 22 (1): 132-140. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010407072013000100016&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100016.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde 2. ed. 5. Reimpressão. Brasília: 2010.
4. Paim JS. Saúde: política e reforma sanitária. Instituto de Saúde Coletiva, Salvador, 2002.
5. Figueiredo V. Produção social da tecnologia. São Paulo: EPU, 1989.
6. Santos CMC et al. A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Revista Latino Americana de Enfermagem. 2007 June; 15(3):508511. http://dx.doi.org/10.1590/ S010411692007000300023.
7. Tong A et al. Critérios consolidados para relatar pesquisa qualitativa (COREQ): uma lista de verificação de 32 itens para entrevistas e grupos focais. Cuidados de Saúde Int Qual. 2007; 19 (6): 349-357.
8. Moher D. et al. Reprint-preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. Physical Therapy, Alexandria. 2009. V. 89, n. 9, p. 873-880.
9. Silva TF et al. Sobre o acolhimento: discurso e prática em Unidades Básicas de Saúde do município do Rio de Janeiro. Saúde debate [Internet]. 2015 June [cited 2019 Ago 08]; 39 (105): 363-374. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010311042015000200363&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151050002005.
10. Coelho MO et al. Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2009 Oct [cited 2019 Ago 08]; 14 (Suppl 1): 1523-1531. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000800026&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800026.
11. Mitre SM et al. O acolhimento e as transformações na práxis da reabilitação: um estudo dos Centros de Referência em Reabilitação da Rede do Sistema Único de Saúde em Belo Horizonte. MG, Brasil. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2013 July [cited 2019 Ago 08]; 18 (7): 1893-1902. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232013000700004&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000700004.
12. Rodrigues JB et al. Caminhos e Contornos: o Acolhimento na Atenção Básica em São Bernardo do Campo. BIS, Bol. Inst. Saúde. São Paulo 2019. 20(1): 67-73. ID: biblio-1008683
13. Fortuna CM et al. O acolhimento como analisador das relações entre profissionais, gestores e usuários. Rev. esc. enferm. USP [Internet]. 2017 [citado 2019 Ago 08]; 51: e03258. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342017000100459&lng=pt. Epub 04-Dez-2017. http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2016003303258.
14. Abreu TFK et al. Tecnologias relacionais como instrumentos para o cuidado na Estratégia Saúde da Família. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2017 Oct [cited 2019 Ago 08]; 70 (5): 981-987. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672017000500981&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0337.
15. Pereira AD et al. Atentando para as singularidades humanas na atenção à saúde por meio do diálogo e acolhimento. Rev. Gaúcha Enferm. (Online) [Internet]. 2010 Mar [cited 2019 Ago 08]; 31 (1): 55-61. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198314472010000100008&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472010000100008.
16. Arruda CAM et al. Satisfação de usuários da atenção primária à saúde: um estudo qualitativo no Nordeste do Brasil. Interface (Botucatu) [Internet]. 2017 June [cited 2019 Ago 08]; 21 (61): 321-332. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832017000200321&lng=en. Epub Oct 03, 2016. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0479.
17. Brehmer LCF et al. Acolhimento na atenção básica: Reflexões éticas sobre a atenção à saúde dos usuários. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2010 Nov [cited 2019 Ago 08]; 15 (Suppl 3): 3569-3578. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232010000900032&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000900032.
18. Sena ALC et al. Acolhimento e satisfação do usuário na estratégia de saúde da família: uma experiência de êxito. Rev APS. Juiz de Fora, 2015. 18(2):134-40.
19. Coelho et al. O acesso por meio do acolhimento na Atenção Básica à Saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, 2009. V. 33, n. 3, p. 440-452. Id:lil-549546.
20. Falk MLR et al. Acolhimento como dispositivo de humanização: percepção do usuário e do trabalhador em saúde. Rev. APS. Juiz de Fora, 2010. Mar; 13(1): 4-9. Id:lil-555315.
21. Speroni AV et al. Os sentidos do Acolhimento: um estudo sobre o acesso à atenção básica em saúde no Rio de Janeiro. Cad. saúde colet. [Internet]. 2014 Dec [cited 2019 Ago 08]; 22 (4): 380-385. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414462X2014000400380&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400040011.
22. Gomide MFS et al. A satisfação do usuário com a atenção primária à saúde: uma análise do acesso e acolhimento. Interface (Botucatu) [Internet]. 2018 Apr [cited 2019 Ago 08]; 22 (65): 387-398. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141432832018000200387&lng=en. Epub Sep 21, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0633.
23. Macedo CA et al. Possibilidades e limites do acolhimento na percepção de usuários. Revista Enfermagem, Rio de janeiro, 2011.v. 19, n. 3, p. 457-62, jul./set.
24. Lopes AS et al. O acolhimento na Atenção Básica em saúde: relações de reciprocidade entre trabalhadores e usuários. Saúde debate [Internet]. 2015 Mar [citado 2019 Ago 08]; 39 (104): 114-123. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010311042015000100114&lng=pt. http://dx.doi.org/10.1590/0103-110420151040563.
25. Santana JCB et al. Acolhimento em um serviço da Atenção Básica à Saúde de Minas Gerais. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, São João del-Rei, 2012. V. 2, n. 2, p.166-176. DOI: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v0i0.199.
26. Rossato K et al. Acolhimento com classificação de risco na Estratégia de Saúde da Família: percepção da equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem da UFSM. abr. 2018.V. 8, n. 1, p.144-156. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/2179769226655.
27. Lopes GVDO et al. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2014 Feb [cited 2019 Ago 08]; 67 (1): 104-110. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672014000100104&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140014.
28. Weykamp JM et al. Acolhimento com classificação de risco nos serviços de urgência e emergência: aplicabilidade na enfermagem. Rev RENE. 2015. 16(3): 327-36. DOI:10.15253/2175-6783.2015 000300005.
29. Santos DA et al. Potencialidades e dificuldades nas práticas de acolhimento na rede de atenção básica conforme a Política Nacional de Humanização. Sau. & Transf. Soc. 2016. 6(2): 54.-69.
30. Albino RM et al. Classificação de risco: Uma necessidade inadiável em um serviço de emergência de qualidade. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2007; 36(4). DOI:1806-4280/07/36 - 01/70.
Publicado
2021-08-18
Como Citar
1.
Lopes JRS, Silva SC, Fidalgo CL, Simão LA, Ferreira MS, Castelar M, Salles C. Acolhimento como tecnologia em saúde: revisão sistemática. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 18ago.2021 [citado 19set.2021];4(2):172-83. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/486
Seção
Artigos de revisão