O uso do reiki na assistência à saúde e no sistema único de saúde

Palavras-chave: Terapias complementares, Sistema único de saúde, Integralidade em saúde.

Resumo

O objetivo deste artigo foi investigar como procede a prática do Reiki na atualidade e averiguar como é feito o atendimento com o Reiki no Sistema Único de Saúde (SUS). Foi realizado um estudo de revisão bibliográfica, envolvendo estudos sobre como procede a prática do Reiki na atualidade, incluindo os atendimentos que são feitos com essa técnica no SUS. A pesquisa foi feita nas bases de dados: LILACS e Google Acadêmico. Na maioria dos estudos consultados, verificou-se que ultimamente o uso do Reiki tem crescido entre médicos, enfermeiros, cirurgiões dentistas e que outros profissionais de saúde aplicam a técnica em hospitais, unidades de emergência, unidades psiquiátricas, salas de cirurgia e nos cuidados paliativos. Concluiu-se que, sob o ênfoque da integralidade dos atendimentos no SUS, o Reiki tende a contribuir para melhor aproveitamento dos recursos públicos e para melhoria nas condições e na qualidade de vida dos pacientes.

Biografia do Autor

Sérgio Spezzia, Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Cirurgião Dentista. Especialista em Gestão Pública pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.
Especialista em Gestão em Saúde pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e Mestre em
Ciências pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Solange Spezzia

Terapeuta Holística e Reikiana.

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. 2006. Disponível em:. Acesso em: 06 de janeiro de 2018.
2. Organização Mundial da Saúde. Estratégias da OMS sobre Medicina Tradicional 2002 – 2005. Disponível em: . Acessado em 06 de janeiro de 2018.
3. Trovo MM, Silva MJP, Leão ER. Terapias alternativas/complementares no ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Rev Latin-americ Enfermagem, 2003; 11(4):483-9.
4. Telesi Júnior E. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Rev Estudos Avançados, 2016; 30(86):99-112.
5. Scheffer M. Terapia floral do Dr. Bach: teoria e prática. 13. ed. São Paulo: Pensamento, 2011.
6. Ferrer VC. Reiki como uma Estratégia de Autocuidado e Promoção de Saúde Integral: uma realidade para o trabalhador do Distrito Federal. Monografia do Curso de Especialização em Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Brasília, DF, 2015.
7. Chiavenato I. Recursos humanos na Empresa: pessoas, organizações e sistemas. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1994. p. 67-76.
8. Torres MDF. Estado, democracia e administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2004.
9. Spezzia S, Carvalheiro EM, Trindade LL. Uma análise das políticas públicas voltadas para os serviços de saúde bucal no Brasil. Rev Bras Odontol, 2015; 72(1/2): 109-13.
10. Mckenzie E. A Bíblia do Reiki: o guia definitivo para a arte do Reiki. São Paulo, 2010. 400p.
11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso/Ministério da Saúde. 2.ed. Brasília : Ministério da Saúde, 2014. 96p.
12. Demir M, Can G, Celek E. Effect of Reiki on symptom management in oncology. Asian Pac J Cancer Prev, 2013; 14(8):4931-3.
13. Oliveira RMJ. Efeitos da prática do Reiki sobre aspectos psicofisiológicos e de qualidade de vida de idosos com sintomas de estresse: estudo placebo e randomizado. [Tese de Doutorado]. Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo, 2013.
14. Diaz-Rodriguez L, Arroyo-Morales M, Cantarero-Villanueva I, Fernandez-Lao C, Polley M, Fernández-de-las-Peñas C. Uma sessão de Reiki em enfermeiras diagnosticadas com síndrome de Burnout tem efeitos benéficos sobre a concentração de IgA salivar e a pressão arterial. Rev Latin-Americ Enfermagem, 2011; 19(5):1132-8.
15. Franco LC, Souza LAF, Pessoa APC, Pereira LV. Terapias não farmacológicas no alívio da dor neuropática diabética: uma revisão bibliográfica. Rev Acta Paulista de Enfermagem, 2011; 24(2):284-8.
16. Freitag VL, Dalmolin IS, Badke MR, Andrade A. Benefícios do Reiki em população idosa com dor crônica. Texto & Contexto Enfermagem, 2014; 23(4):1032-40.
17. Salles LF, Vannucci L, Salles A, Silva MJP. Efeito do Reiki na hipertensão arterial. Rev Acta Paulista de Enfermagem, 2014; 27(5):479-84.
18. Usui M, Petter FA. Manual de Reiki do Dr. Mikao Usui. 6.ed. São Paulo: Pensamento, 2014. 79p.
19. Gerber R. Medicina Vibracional: uma medicina para o futuro. 9.ed. São Paulo: Cultrix, 2007. 463p.
20. Cordeiro LR, Souza AMA. Reiki com profissionais de saúde: iniciação de uma prática integrativa complementar para mudanças em níveis espiritual, profissional e pessoal. In: Matos K. SL de (Org.).Cultura de paz, ética e espiritualidade IV. Fortaleza: Edições UFC, 2013. p. 487-99.
21. Eidt AC. O meio copo cheio - uma visão positiva que enlaça o Reiki e a psicologia corporal no cuidado da pessoa com câncer. In: Encontro Paranaense, Congresso Brasileiro de Psicoterapias Corporais, XVIII, XIII, Curitiba, 2013. Disponível em: < http://www.centroreichiano.com.br/artigos/Anais_2013/EIDT,%20Alyne%20Cavallari.%20O%20meio%20copo.pdf > Acessado em: 19 de outubro de 2016.
22. Garbin RF, Silva RS. Apostila, Reiki seminário nível 1, 2017.
23. Nogueira MVB, Lima AFA, Cordeiro LR, Santiago Júnior L, Costa ACS, Galdino DFS, et al. PRO-PET saúde UFC e terapia Reiki: relato de experiência. 11º. Congresso Internacional da Rede Unida, Anais. Rev Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2014; (Suplemento). Supl. 3.
24. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Mais 10 práticas integrativas são inseridas na PNPIC, 2018. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/noticias.php?conteudo=_&cod=2872 Acessado em 17 de abril de 2018.
25. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Glossário temático : práticas integrativas e complementares em saúde / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018. 180 p. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/12/glossario-tematico.pdf Acessado em 17 de abril de 2018.
26. Coriolano-Marinus MWL, Andrade RS, Ruiz-Moreno L, Lima LS. Comunicação entre trabalhadores de saúde e usuários no cuidado à criança menor de dois anos no contexto de uma unidade de saúde da família. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 2015; 19(53):311-24.
27. Thiago SC. Medicinas e terapias complementares na visão de médicos e enfermeiros da Saúde da Família de Florianópolis. [Dissertação de Mestrado em Saúde Pública] – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.
28. Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 849, de 27 de março de 2017. Disponível em: http://www.lex.com.br/legis_27357131_PORTARIA_N_849_DE_27_DE_MARCO_DE_2017.aspx Acessado em 21 de fevereiro de 2018.
29. Freitag VL, Andrade A, Badke MR. O Reiki como forma terapêutica no cuidado á saúde: uma revisão narrativa da literatura. Rev electr trim Enfermaria, 2015; 38:346-56.
30. Brasil. Ministério da Saúde. Portal do Departamento de Atenção Básica. Portaria Amplia Oferta de PICS. Publicação Acrescenta mais sete Novos Procedimentos no SUS, 2017. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/noticias.php?conteudo=_&cod=2297 Acessado em 22 de fevereiro de 2018.
31. Cunha MT MC. Apostila Seminário de Reiki Tibetano, nível III. Brasília, 2011. 96 p.
32. Demir M, Can G, Kelam A. Effects of Distant Reiki On Pain, Anxiety and Fatigue in Oncology Patients in Turkey: A Pilot Study. Asian Pac J Cancer Prev, 2015; 16 (12): 4859-62.
33. Sawni A, Thomas R. Pediatricians’ attitudes, experience and referral patterns regarding complementary/alternative medicine: a national survey. BMC Complementary and Alternative Medicine, 2007; 7:18.
34. Andrade JT, Costa LFA. Medicina complementar no SUS: Práticas Integrativas e Complementares sob a luz da Antropologia médica. Saúde & Sociedade, 2010; 19(3):497- 508.
35. Chernicharo IM, Freitas FDS, Ferreira MA. Humanização no cuidado de enfermagem: contribuição ao debate sobre a Política Nacional de Humanização. Rev Bras Enferm, 2013; 66(4):564-70.
36. Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2014-2015. In: Oliveira JEP, Vencio S. (Org.). São Paulo: AC Farmacêutica, 2015.
37. Thrane S, Cohen SM. Effect of Reiki Therapy on Pain and Anxiety in Adults: An In Depth Literature Review of Randomized Trials with Effect Size Calculations. Pain Manag Nurs, 2014; 15(4): 897–908.
38. Joyce J, Herbison GP. Reiki for depression and anxiety. Cochrane Database of Systematic Reviews, 2015; 4(CD006833). DOI: 10.1002/14651858.CD006833.pub2.
39. Granjeiro L. Reiki cada vez mais usado em doentes com cancro para reduzir efeitos da quimioterapia, 2013. Disponível em: https://lifestyle.sapo.pt/saude/noticias-saude/artigos/reiki-cada-vez-mais-usado-em-doentes-com-cancro-para-reduzir-efeitos-da-quimioterapia-2 Acesso em: 22 de fevereiro de 2018.
40. Orsak G, Stevens AM, Brufsky A, Kajumba M, Dougall AL. The Effects of Reiki Therapy and Companionship on Quality of Life, Mood, and Symptom Distress During Chemotherapy. J Evidence-Based Complement Altern Med, 2015; 20(1) 20-7.
41. Rodrigues RB. Energia Vital Universal (Cura, equilíbrio, harmonia). Ed. Clube dos Autores, 2015. Disponivel em: < https://books.google.com.br/books?id=CSeVCgAAQBAJ&pg=PA4&lpg=PA4&dq=RODRIGUES,+2015+reiki&source=bl&ots=WqCuk4unBA&sig=xrOYMncSJzP95AVxHqH9pI_xOd0&hl=ptBR&sa=X&ved=0ahUKEwjbi_mXjPjTAhXEHJAKHQW7CzkQ6AEIIzAA#v=onepage&q=RODRIGUES%2C%2020 15%20reiki&f=false> Acesso em: 16 de outubro de 2016.
42. Souza IMC, Bodstein RCA, Tesser CD, Santos FAS, Hortale VA. Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecionados. Cad Saúde Pública, 2012; 28(11):2143-54.
Publicado
2018-07-24
Como Citar
1.
Spezzia S, Spezzia S. O uso do reiki na assistência à saúde e no sistema único de saúde. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 24jul.2018 [citado 21abr.2024];1(1):108-15. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/49
Seção
Artigos de revisão