Nível de estresse em enfermeiros de duas instituições públicas do interior do Paraná

Palavras-chave: Estresse Ocupacional, Saúde Mental, Enfermagem

Resumo

O estresse ocupacional exerce influência devastadora sobre a saúde do trabalhador. Sem dúvida, a enfermagem destaca-se entre as profissões consideradas estressantes. Logo, o objetivo foi identificar o nível de estresse em enfermeiros de duas instituições públicas de saúde do interior do Paraná. Trata-se de uma pesquisa exploratória-descritiva, com abordagem quantitativa, desenvolvida entre julho e agosto de 2020, com utilização da Escala Bianchi de Stress. Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva. Entre os 17 enfermeiros que participaram no período estudado, identificou-se que o domínio D (Assistência de enfermagem prestada ao paciente) apresentou maior nível de estresse, com escore 4,4. Quando calculado o estresse geral, obteve-se o escore 3,7, indicativo de nível médio de estresse, o que corresponde a 64,7% dos enfermeiros. Desta forma, conclui-se que o nível de estresse se manteve médio e faz-se importante a implementação de medidas que minimizem a possível geração de fatores estressores entre os enfermeiros.

Biografia do Autor

Marcela Gonçalves Trevisan, Universidade Paranaense

Enfermeira. Especialista em Saúde Pública com Ênfase na Atenção à Saúde da Mulher. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Paranaense (UNIPAR)

Jéssica Tainara Lopes Jesus, Universidade Paranaense

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Paranaense (UNIPAR)

Géssica Tuani Teixeira, Universidade Paranaense

Enfermeira. Especialista em Saúde Pública com Ênfase na Atenção à Saúde da Mulher. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Paranaense (UNIPAR)

Lediana Dalla Costa, Universidade Paranaense

Enfermeira. Mestre em Saúde e Gestão do Trabalho. Docente e Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Paranaense (UNIPAR)

Alessandro Rodrigues Perondi, Universidade Paranaense

Enfermeiro. Mestre em Saúde e Gestão do Trabalho. Docente e Coordenadora do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Paranaense (UNIPAR)

Referências

1. Zavalis A, Paula VG, Machado DA, Marta CB, Perez Junior EF, Santiago LC. O nível de estresse dos enfermeiros na unidade de terapia intensiva. Rev. pesqui. cuid. fundam. [Internet]. 2019 [acesso em 2020 out 15];11(1):205-210. doi: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i1.205-210
2. Trettene AS, Ferreira JAF, Mutro MEG, Tabaquim MLM, Razera APR. Estresse em profissionais de enfermagem atuantes em unidades de pronto atendimento. Bol. Acad. Paul. Psicol. [Internet]. 2016 [acesso em 2020 set 02];36(91):243-261. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2016000200002
3. Santos WR, Silva RSPM, Souza SMA, Vitorio AMF. O esgotamento do profissional enfermeiro: influências na assistência à saúde. Rev. Cuidados em Saúde. [Internet]. 2017 [acesso em 2020 set 24];10(1). Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/rcs/article/view/4082/2239
4. Santana RS, Fontes FLL, Morais MJA, Costa GS, Silva RK, Araújo CS. et al. Occupational stress among emergency and urgent care nurses at a public hospital in Teresina, Piaui, Brazil. Rev. Bras. Med. Trab. [Internet]. 2019 [acesso em 2020 nov 03];17(1):76-82. doi: https://doi.org/10.5327/Z1679443520190295
5. Ferreira MM, Moura, H. Enfermagem nas urgências e emergências: O estresse do profissional enfermeiro na unidade e atendimento de urgências e emergências, uma revisão bibliográfica. Rev. Terra e Cultura: Cadernos de Ensino e Pesquisa [Internet]. 2014 [acesso em 2020 out 14];30(58):27-38. Disponível em: http://periodicos.unifil.br/index.php/Revistateste/article/view/158
6. Teixeira GS, Silveira RCP, Mininel VA, Moraes JT, Ribeiro, IKS. Quality of life at work and occupational stress of nursing in an emergency care unit. Texto e Contexto Enferm. [Internet]. 2019 [acesso em 2020 nov 12];28:1-14. doi: https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2018-0298
7. Bianchi ERF. Bianchi Stress Questionnaire. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2009 [acesso em set 23];43:1055-1062. doi: https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000500009
8. Kirhhof RS, Marques OL, Susan B, Dias LLF, Squiavenato MCA. Nível de estresse entre enfermeiros de um hospital filantrópico de médio porte. Rev. Enferm. UFSM. [Internet]. 2016 [acesso em 2020 nov 5];6(1):29-39. doi: https://doi.org/10.5902/2179769217829
9. Fonseca JRF, Neto DL. Levels of occupational stress and stressful activities for nurses working in emergency. Rev. Rene. [Internet]. 2014 [acesso em 2020 out 10];15(5):732–742. doi: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2014000500002
10. Freitas RJM, Lima ECA, Vieira ES, Feitosa RMM, Oliveira GYM, Andrade LV. Estresse do enfermeiro no setor de urgência e emergência. Rev. Enferm. UFPE on line. [Internet]. 2015 [acesso em 2020 out 25];9(10):1476-1483. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10861
11. Monte PF, Lima FET, Neves FMO, Studart RMB, Dantas RT. Stress among professional nurses working in intensive care units. Acta Paul. Enferm. [Internet]. 2013 [acesso em 2020 nov 11];26(5):421-427. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-21002013000500004
12. Simonetti SH. Bianchi, ERF. Estresse do enfermeiro que atua em unidade de internação. Rev. Enferm. UFPE on line. [Internet]. 2016 [acesso em 2020 set 22];10(12):4539-4546. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11521/13411
13. Montanholi LL, Tavares DMS, Oliveira GR. Estresse: fatores de risco no trabalho do enfermeiro hospitalar. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2006 [acesso em 2020 out 15];59(5):661-5. doi: https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000500013
14. Oliveira EB, Gallasch CH, Junior PPAS, Oliveira AVR, Valério RL, Dias LBS. Estresse ocupacional e burnout em enfermeiros de um serviço de emergência: a organização do trabalho. Rev. Enferm. UERJ. [Internet]. 2018 [acesso em 2020 set 02];25:1-7. Disponível: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/28842
15. Silva AM, Guimarães LAM. Occupational Stress and Quality of Life in Nursing. Paidéia. [Internet]. 2016 [acesso em 2020 nov 04];26(63):63-70. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272663201608
16. Dalri RCMB, Silva LA, Mendes AMOC, Robazzi MLCC. Nurses' workload and its relation with physiological stress reactions. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [Internet]. 2014 [acesso em 2020 set 20];22(6):959-965. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3292.2503
17. Almeida DM, Lopes LFD, Costa VMF, Santos RCTS, Corrêa JS. Avaliação do estresse ocupacional no cotidiano de policiais militares do Rio Grande do Sul. Organizações em contexto. [Internet]. 2017 [acesso em 2020 out 10];13(26):215-138. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/OC/article/view/7206
18. Miranda, SMM. O nível de estresse do profissional de enfermagem que atua no centro cirúrgico em um hospital privado do Distrito Federal [Trabalho de Conclusão de Curso]. Brasília (DF): Faculdade de Ciências da Educação e Saúde FACES. 2018. [acesso em 2020 nov 11]. Disponível em: https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/235/11750/1/21396975.pdf
19. Ribeiro, KV. Estressores ocupacionais e níveis de estresse em enfermeiros de unidades de internação clínica. [Dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. 2017. [acesso em 2020 set 15]. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/handle/unirio/10964
Publicado
2021-12-22
Como Citar
1.
Trevisan MG, Jesus JTL, Teixeira GT, Costa LD, Perondi AR. Nível de estresse em enfermeiros de duas instituições públicas do interior do Paraná. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 22dez.2021 [citado 28nov.2022];4(4):2-6. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/509
Seção
Artigos originais