Perfil de atendimento em unidades de pronto atendimento em um município do oeste paranaense

Palavras-chave: Níveis de Atenção à Saúde., Atenção Secundária à Saúde., Serviços Médicos de Emergência, Triagem

Resumo

O presente estudo avaliou o perfil de atendimento de pacientes que procuram as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em um município do oeste do Paraná, segundo o Protocolo de Manchester. Com isso, objetivou-se caracterizar a demanda de usuários que buscam suporte na Atenção Secundária e identificar se o uso desses serviços ocorre conforme é determinado pela Política Nacional de Atenção às Urgências e Emergências (PNAU). Trata-se de uma pesquisa retrospectiva e transversal de abordagem quantitativa. Para determinação de resultados foram selecionadas pessoas, de todas as idades, atendidas em 2 UPAs do município durante o período de janeiro até dezembro de 2019. A amostra válida do estudo foi de 144.459 atendimentos realizados e classificados de acordo com a classificação de risco. Constatou-se que a maioria dos atendimentos prestados foram classificados como verde e amarelo, diferentemente do que é proposto pela lei.

Biografia do Autor

Thainá Klosowski Kulicz, Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz

Acadêmica do décimo período de Medicina

Kurt Juliano Sack Orejuela Uscocovich, Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz

Médico da Família e Comunidade. Docente do curso de Medicina no Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz

Referências

1. Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm
2. Brasil. Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm
3. Brasil. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2017. Disponível me: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html
4. Paim, J. S. O que é o SUS [Internet]. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2015 [citado em 15 jul. 2020]. Disponível em: http://www.livrosinterativoseditora.fiocruz.br/sus/
5. Brasil. Portaria nº 10, de 3 de janeiro de 2017. Redefine as diretrizes de modelo assistencial e financiamento de UPA 24h de Pronto Atendimento como Componente da Rede de Atenção às Urgências, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0010_03_01_2017.html
6. Brasil. Portaria n0 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1600_07_07_2011.html
7. Tostes PCM, Celestino CSM, Cruz KM, Chevitarese L. Acolhimento e classificação de risco em Unidade de Pronto Atendimento (UPA): uma abordagem educativa. Rev. Rede cuid. saúde [Internet]. 2017 [citado em 21 jul. 2020];10(1). Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/rcs/article/view/3289
8. Hamada RKF, Almeida VOC, Brasil ICF, Souza SG, Luzia RAB, Campos EMS, Leite ICG. Conhecendo o Sistema Único de Saúde: um olhar da população. Rev. APS. 2018 Dez;21(4):504-15. doi: https://doi.org/10.34019/1809-8363.2018.v21.16459
9. Kawashima MCS, Ferreira MV, Silva PC, Boaventura AP, Almeida JB. O Desconhecido SUS: O conhecimento da população de uma cidade do Vale do Paraíba. 110 Encontro Latino Americano de Iniciação Científica; 2007 Out 18-19; São José dos Campos – SP. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba; 2007. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2007/trabalhos/saude/inic/INICG00420_01O.pdf
10. Machado CV, Salvador FGF, O’dwyer G. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência: análise da política brasileira. Rev. saúde pública [Internet]. 2011 [citado em 8 ago. 2020]; 45(3): 519-528. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rsp/2011.v45n3/519-528/
11. Gomide MFS, Pinto IC, Figueiredo LA. Acessibilidade e demanda em uma Unidade de Pronto Atendimento: perspectiva do usuário. Acta Paul Enferm. [Internet] 2012 [citado em 18 ago. 2020];25(spe2):19-25. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000900004
12. Caccia-Brava MCG, Pereira MJB, Rocha JSY, Martinez EZ. Pronto-atendimento ou atenção básica: escolhas dos pacientes no SUS. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 2011 [citado em 18 ago. 2020];44(4):347-54. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/47446
13. Cassettari SSR, Mello ANSF. Demand and type of care provided in emergency services in the city of Florianópolis, Brazil. Texto Contexto Enferm. [Internet]. 2017 [citado em 18 ago. 2020];26(1). doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072017003400015
14. Oliveira, MD. Perfil da demanda de atendimentos realizados pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Tramandaí/RS [trabalho de conclusão de curso]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Escola de Administração, Curso de Especialização em Gestão em Saúde; 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/201878
15. Oliveira GN, Silva MFN, Araujo IEM, Carvalho-Filho MA. Perfil da população atendida em uma unidade de emergência referenciada. Rev. latinoam. enferm. [Internet]. Maio-jun 2011 [citado em 19 ago. 2020];19(3):[09 telas]. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n3/pt_14
16. Marques GQ, Lima MADS. Demandas de usuários a um serviço de pronto atendimento e seu acolhimento ao sistema de saúde. Rev. latinoam. enferm. [Internet]. Jan-fev 2007 [citado em 25 ago. 2020]; 15(1): 13-19. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n1/pt_v15n1a03.pdf
17. Siqueira ILCP. Qualidade em serviço de emergência. In: Sallum AMC, Paranhos WY. O enfermeiro e as situações de emergência. 2. ed. São Paulo: Atheneu; 2010. p. 25-34.
18. Coutinho AAP, Cecílio LCO, Mota JAC. Classificação de risco em serviços de emergência: uma discussão da literatura sobre o Sistema de Triagem de Manchester. Rev. Med. Minas Gerais [Internet]. Abr-Jun 2012 [citado em 12 set. 2020]; 22(2): 188-198. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/101#
19. Mackway-Jones K, Marsden J, Windle J. Emergency triage: manchester triage group [Internet]. 3a ed. Oxford: John Wiley & Sons, Ltd.; 2014 [citado em 12 set. 2020]. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3639780/mod_folder/content/0/Emergency_Triage.pdf?forcedownload=1
20. Azevedo ALCS, Pereira AP, Lemos C, Coelho MF, Chaves LDP. Organização de serviços de emergência hospitalar: uma revisão integrativa de pesquisas. Rev. eletrônica enferm. [Internet]. 2010 [citado em 18 set. 2020]; 12(4): 736-45. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/6585/8497
21. Stein AT, Harzheim E, Costa M, Busnello E, Rodrigues LC. The relevance of continuity care: a solution for the chaos in the emergency services. Fam Pract. 2002 Apr; 19(2): 207-10. Acesso em 9 out 2020. doi: https://doi.org/10.1093/fampra/19.2.207
Publicado
2021-11-29
Como Citar
1.
Kulicz TK, Uscocovich KJSO. Perfil de atendimento em unidades de pronto atendimento em um município do oeste paranaense. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 29nov.2021 [citado 28nov.2022];4(3):96-04. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/526
Seção
Artigos originais