Perfil de dermatoses ocupacionais notificadas no Brasil entre o período de 2009 a 2016

Palavras-chave: Dermatite Ocupacional, Sistemas de Informação em Saúde, Riscos Ocupacionais, Saúde do Trabalhador

Resumo

Propõe uma análise epidemiológica de Dermatoses Ocupacionais (DOs) que foram notificadas no Brasil entre 2009 a 2016, utilizando banco de dados secundários para verificar o perfil de DOs em trabalhadores de acordo com regiões do país, sexo e faixa etária. Trata-se de um estudo descritivo de caráter quantitativo que utilizou dados do SINAN, disponibilizado pelo Centro Colaborador da Vigilância dos Agravos à Saúde do Trabalhador (CCVISAT) do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC-UFBA). Identificou-se que o sexo masculino apresentou maiores índices de DOs que o sexo feminino, bem como a região Centro Oeste do país se destacou com 48% dos casos. A relevância dos resultados apresentados é de levantar hipóteses sobre a determinação da ocorrência de DOs no Brasil, segundo as especificidades analisadas, e posteriormente auxiliar na elaboração de estudos mais aprofundados e políticas de saúde do trabalhador.

Biografia do Autor

Manoela Carvalho, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutora em Saúde Coletiva. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil.

Alana Caroline Czaika, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduanda do Curso de Enfermagem. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil.

Júlia Ampessan, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduanda do Curso de Enfermagem. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil

Gabriely Souza Voigt, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduanda do Curso de Enfermagem. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil

Laura Vitória Scheuermann Bonatto, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduanda do Curso de Enfermagem. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil

Letícia Squizatto, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduanda do Curso de Enfermagem. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Dermatoses ocupacionais. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2006. 92p. Disponível em: https://renastonline.ensp.fiocruz.br/sites/default/files/arquivos/recursos/protocolo_dermatoses.pdf
2. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n°104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil [Internet]. 2011 [acesso em 2021 jul 01]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt0104_25_01_2011.html.
3. Miranda FMD, Purim KSM, Sarquis LMM, Shwetz ACA, Delatorre LS, Saalfeld RM. Dermatoses ocupacionais registradas em sistema de notificação na região Sul do Brasil (2007 a 2016). Rev Bras Med Trab [Internet]. 2018 [acesso em 2021 jul 01]; 16(4):442-450. doi: https://doi.org/10.5327/Z1679443520180261
4. Alchorne AOA, Alchorne MMA, Silva MM. Dermatoses ocupacionais. An Bras Dermatol [Internet]. 2010 [acesso em 2021 jul 02]; 85(2):137-147. doi: https://doi.org/10.1590/S0365-05962010000200003
5. Svoboda, CPG. Dermatoses ocupacionais: identificação de casos suspeitos através da análise de prontuários médicos do serviço de dermatologia de um hospital geral. UFPR [Internet]. 2012 [acesso em 2021 jul 02]. Disponível em: https://hdl.handle.net/1884/44645
6. Plombom, GY, Tabushi FL, Purim KSM, Oliveira MS, Kassem AJ, Nisihara RM. Epidemiological analysis of occupational dermatitis notified in Brazil in the period 2007 to 2012. An Bras Dermatol [Internet]. 2016 [acesso em 2021 jul 03]; 91(6):732-736. doi: https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20164762
7. Cacciamali MC, Tatei F. Mercado de trabalho: da euforia do ciclo expansivo e de inclusão social à frustração da recessão econômica. Estudos avançados [Internet]. 2016 [acesso em 2021 jul 05]; 30(87):103-121. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.30870007
8. Duarte I, Rotter A, Lazzarini R. Frequência da dermatite de contato ocupacional em ambulatório de alergia dermatológica. An Bras. Dermatol [Internet]. 2010 [acesso em 2021 jul 04]; 85(4):168-172. doi: https://doi.org/10.1590/S0365-05962010000400006
9. Meding B. Differences between sexes with regard to work-related skin disease. Contact Dermatitis [Internet]. 2000 [acesso em 2021 jul 03]; 43:65-71. doi: https://doi.org/10.1034/j.1600-0536.2000.043002065.x
10. Belsito DV. Occupational contact dermatitis: etiology, prevalence, and resultant impairment/disability. J Am Acad Dermatol [Internet]. 2005 [acesso em 2021 jul 03]; 53(2):303-313. doi: https://doi.org/10.1016/j.jaad.2005.02.045
11. Ali, SA. Dermatoses ocupacionais. 2a. ed. São Paulo: Fundacentro; 2009.
12. Lise MLZ, Feijó FR, Lise MLZ, Lise CRZ, Campos LCE. Occupational dermatoses reported in Brazil from 2007 to 2014. An Bras Dermatol [Internet]. 2018 [acesso em 2021 jul 06]; 93(1):27-32. doi: https://doi.org/10.1590/abd1806-4841.20185314
13. Lameiras MAP. Efeitos da população economicamente ativa sobre a taxa de desemprego. Carta de Conjuntura. Brasília: IPEA [Internet]. 2013 [acesso em 2021 jul 05]; 21:107–114. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/4309
14. Felix J. O idoso e o mercado de trabalho. In: Alcântara AO, Camarano AA, Giacomin KC. Política Nacional do Idoso velhas e novas questões. Rio de Janeiro: IPEA; 2016. p.241–263. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9092
15. Brasil. Ministério da Industria, Comércio Exterior e Serviços. Departamento das Indústrias Intensivas em Mão-de-Obra e Recursos Naturais. Coordenação-Geral de Agronegócios. Secretaria de Desenvolvimento da Produção. O Setor de Agronegócio no Brasil: Histórico e Evolução do Agronegócio Brasileiro; 2005.
16. Araújo IMM, Oliveira ÂGRC. Agronegócio e Agrotóxicos: Impactos à Saúde dos Trabalhadores Agrícolas no Nordeste Brasileiro. Trab. Educ. Saúde [Internet]. 2017 [acesso em 2021 jul 08]; 15(1):117-129. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00043
17. Domingues MR, Bernardi MR, Ono EYS, Ono MA. Agrotóxicos: Risco à Saúde do Trabalhador Rural. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde [Internet]. 2004 [acesso em 2021 jul 04]; 25:45-54. doi: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2004v25n1p45
18. Costa, LGAD. A importância da prevenção de doenças ocupacionais e acidentes de trabalho para a capacidade produtiva organizacional [dissertação] [Internet]. Cocoal: Universidade Federal de Rondônia; 2007. [citado em 2021 jul. 05]. Disponível em: https://ri.unir.br/jspui/handle/123456789/817
19. Kaddourah, SMEH, Costa FAA, Fábrega JF, Rabello LVA. Relação entre a ocorrência de dermatite de contato irritativa e o uso dos equipamentos de proteção individual. Rev Bras Med Trab [Internet]. 2015 [acesso em 2021 jul 08]; 13(2). Disponível em: https://www.rbmt.org.br/details/13/pt-BR/relacao-entre-a-ocorrencia-de-dermatite-de-contato-irritativa-e-o-uso-dos-equipamentos-de-protecao-individual
Publicado
2021-11-29
Como Citar
1.
Carvalho M, Czaika AC, Ampessan J, Voigt GS, Bonatto LVS, Squizatto L. Perfil de dermatoses ocupacionais notificadas no Brasil entre o período de 2009 a 2016. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 29nov.2021 [citado 28nov.2022];4(3):87-5. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/581
Seção
Artigos originais