Perfil epidemiológico dos pacientes do serviço de fisioterapia de um município da região metropolitana de Curitiba/PR

Palavras-chave: Perfil Saúde, Modalidades de Fisioterapia, Pacientes, Epidemiologia

Resumo

Estudos epidemiológicos favorecem a produção de conhecimento, a tomada de decisão e a formulação de políticas públicas para solucionar problemas de saúde específicos. Este estudo tem como objetivo descrever o perfil epidemiológico dos usuários do setor de fisioterapia de uma cidade da região metropolitana de Curitiba/PR. Trata-se de um estudo epidemiológico, descritivo, por meio de análise de prontuários, utilizando-se de um roteiro preestabelecido. Todos os prontuários disponíveis no setor, dos anos 2019 e 2020, foram incluídos. Documentos com dados faltantes ou ilegíveis foram excluídos. Foram analisados 277 prontuários. Destes, o sexo masculino foi o mais prevalente (56%) e a idade média geral foi de 43±20,0 e 52±17,2 anos para os gêneros masculino e feminino, respectivamente. O maior percentual de atendimentos ocorreu na área da fisioterapia ortopédica (66,06%), seguido pela neurológica (28,51%) e reumatológica (6,13%). A partir dos dados, reforça-se a importância da inserção do profissional fisioterapeuta tanto para a reabilitação desses pacientes como em campanhas de educação em saúde.

Biografia do Autor

Alexsandra Carvalho Ramos, Faculdade Paranaense

Fisioterapeuta, Egressa do Curso de Fisioterapia da Faculdade Paranaense, Curitiba, Paraná

Maricleia Carniel, Faculdade Paranaense

Fisioterapeuta, Egressa do Curso de Fisioterapia da Faculdade Paranaense, Curitiba, Paraná

Maria Fátima Fernandes Vara, Faculdade Paranaense

Fisioterapeuta, Doutoranda em Tecnologia em Saúde (PUCPR), Professora da Faculdade Paranaense – Curitiba, Paraná

Elgison Luz Santos, Centro Universitário Uninter

Fisioterapeuta, Doutor em Tecnologia em Saúde. Servidor da Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco do Sul/PR. Professor da Faculdade Paranaense e do Centro Universitário Uninter – Curitiba, Paraná

Referências

1. Silva PHB, Lima KA, Leroy PLA. Perfil epidemiológico dos pacientes assistidos na clínica de Fisioterapia Traumato-ortopédica da Prefeitura de Hidrolândia – Goiás. Movimenta [Internet]. 28fev.2018 [citado 23ago.2021]; 6(3):520-9. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/7015
2. Hartz ZMA, Contandriopoulos, AP. Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um "sistema sem muros". Cad. Saúde Pública [online]. 2004, v. 20, suppl2 [Acessado 23 Agosto 2021], pp. S331-S336. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000800026
3. Albuquerque MAL, Carvalho VCP. O papel do fisioterapeuta no Programa Saúde da Família. Revista Inspirar [Internet]. 2009 [Acesso em 13 Julho 2021];
1(2):15-9. Disponível em: http://www.inspirar.com.br/revista/wpcontent/uploads/2010/04/revista_cientifica_inspirar_edicao_2_2009.pdf
4. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Divergência no diagnóstico. Ciênc. saúde coletiva. [Internet]. 2010 [acesso em 07 dezembro 2021]. 15(5) doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000500005
5. Maciel RV, Silva PTG, Sampaio RF, Drummond AF. Teoria, prática e Realidade Social: uma Perspectiva Integrada para o Ensino de Fisioterapia. Fisioter. Mov. [Internet]. 2005 [acesso em 23 Agostos 2021]; 18(1). Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/fisio/article/view/18522
6. Ribeiro CD, Flores-Soares MC. Desafios para a inserção do fisioterapeuta na atenção básica: o olhar dos gestores. Rev. salud pública [online]. 2015 [acesso em 29 outubro 2021]; 17(3). doi: https://doi.org/10.15446/rsap.v17n3.44076
7. Bispo Júnior JP. Fisioterapia e Saúde Coletiva: Desafios e Novas Responsabilidades Profissionais. Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. 2010. [acesso em 30 agosto 2021]; 15(1). doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000700074
8. Couto C, Ribeiro FC, Barradas NA, Matos M, Coelho E, Luzes R. Perfil Epidemiológico dos Atendimentos Realizados na Clínica Escola de Fisioterapia da UNIABEL. Revista Saúde Física & Mental- UNIABEL [internet]. 2014 [acesso em 29 Agosto 2021]; 4(1). Disponível em: https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/SFM/article/view/1791/1167
9. Santos FAS, Netto JSL, Ramos JCL, Soares FO. Perfil Epidemiológico dos atendidos pela fisioterapia pelo programa saúde e reabilitação na família em Camaragibe, PE. Fisioter. pesqui. [Internet]. 2007 [acesso em 29 Agosto 2021]; 14(3). doi: https://doi.org/10.1590/fpusp.v14i3.76111
10. Batista AJ, Torres JR, Schwind RTF, Peternella FN, Mendes FV. Perfil Epidemiológico do Setor de Neurologia da Clínica Escola de Fisioterapia da Faculdade Uningá no ano 2013. UningáReview [Internet]. 2014 [acesso em 28 Agosto 2021]; 17(6). Disponível em http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1494/1109
11. Gil; AC. Como Elaborar Projeto de Pesquisa. 4ª Edição. São Paulo: Atlas; 2008.
12. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades e Estados - População Estimada [internet]. Brasil; 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pr/rio-branco-do-sul.html
13. Silva DV, Andrusaitis SF, Fernandes LG, Melo TB, Junior NC, Brech GC. Prevalência de idade e gênero e sua correspondência com os setores de fisioterapia ambulatorial de um instituto de ortopedia e traumatologia de referência da cidade de São Paulo. Fisioter Pesqui. [Internet] 2019 [acesso em 29 outubro 2021]; 26(4). doi: https://doi.org/10.1590/1809-2950/18026426042019
14. Menegazzo IR, Pereira MR, Villalba JP. Levantamento epidemiológico de doenças relacionadas à fisioterapia em uma Unidade Básica de Saúde do município de Campinas. J Health Sci Inst. [Internet] 2010 [acesso em 29 outubro 2021]; 28(4). Disponível em: https://repositorio.unip.br/wp-content/uploads/2020/12/V28_n4_2010_p348-351.pdf
15. Court-Browm CM, Caeser B. Epidemiology of adult fractures: A Review. Injury [Internet]. 2006 [acesso em 30 Agosto 2021]; 37(8). doi: https://doi.org/10.1016/j.injury.2006.04.130
16. Oliveira JC, Santos RPMC, Calles ACNC, Monteiro FT. Perfil Epidemiológico dos pacientes atendidos em uma Clínica-Escola de Fisioterapia na Cidade de Maceió-AL. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente. [internet]. 2018 [acesso em 29 outubro 2021]; 6(2). doi: https://doi.org/10.17564/2316-3798.2018v6n2p85-94
17. Souza JAG, Iglesias ACRG. Traumas no Idoso.AMB rev. Assoc. Med. Bras. [Internet]. 2002 [acesso em 30 Agosto 2021]; 48(1). doi: https://doi.org/10.1590/S0104-42302002000100037
18. Freitas EV, PY L.Cançado FA, Doll J, Gorzoni ML. Tratamento de Geriatria e Gerontologia. 3ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.
19. Mota E, Natalino MA, Waltrick, PT. Intervenção fisioterapêutica e tempo de internação em pacientes com Acidente Vascular Encefálico. Rev. neurociênc. [internet]. 2008 [acesso em 30 Agosto 2021]; 16(2). doi: https://doi.org/10.34024/rnc.2008.v16.8648
20. Gonçalves JL, Feitosa, ES, Borges, RT. Perfil epidemiológico de vítimas de acidente vascular encefálico em um hospital de referência do Ceará/Brasil. R. Interd. [Internet]. 2019 [acesso em 24 Agosto 2021]; 12(2). Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7868624
21. Farage L, Colares VS, Neto MC, Moraes MC, Barbosa MC, Branco Junior JA. As Medidas de Segurança no Transito e a Morbimortalidade Intrahospitalar por traumatismo cranioencefálico no distrito federal. AMB rev. Assoc. Med. Bras. [internet]. 2002 [acesso em 30 Agosto 2021]; 48(2). doi: https://doi.org/10.1590/S0104-42302002000200037
22. Vaz AE, Júnior WAF, Lazarski CFS, Carmo HF, Sobrinho HMR. Perfil epidemiológico e clínico de pacientes portadores de artrite reumatóide em um hospital escola de medicina em Goiânia, Goiás, Brasil. Medicina (Ribeirão Preto). [Internet]. 2013 [acesso em 29 Agosto 2021]; 46(2). doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v46i2p141-153
23. Malta DC, Stopa SR, Szwarcwald CL, Gomes NL, Júnior JBS, Reis AAC. A vigilância e o monitoramento das principais doenças crônicas não transmissíveis no Brasil – Pesquisa Nacional de Saúde. Rev. bras. epidemiol. [internet] 2015 [acesso em 29 Agosto 2021]; 18(2). doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201500060002
24. Dias CS, Camelier FWR, Santos MLM. Atuação dos fisioterapeutas no âmbito da Atenção Primária à Saúde (APS) junto a usuários suspeitos ou diagnosticados com COVID-19*: contribuições da Fisioterapia Respiratória. Assobrafir Ciência. [internet]. 2020 [acesso em 29 outubro 2021]; 11(supl 1). doi: http://dx.doi.org/10.47066/2177-9333.AC20.covid19.004
25. Pazin-Filho A, Jardim DB, Dallora MELV, et al. Gabinete de Crise do HCFMRP-USP como estratégia de gestão das demandas da crise de Pandemia COVID-19. Revista Qualidade HC – Revista Eletrônica. [internet]. 2021 [acesso em 07 dezembro 2021]; (1). Disponível em https://www.hcrp.usp.br/revistaqualidadehc/uploads/Artigos/448/448.pdf
26. Silva NCA, Moroço DM, Carneiro PS. O impacto da pandemia de COVID-19 no atendimento eletivo: experiência de um Hospital de nível terciário e Centro de Referência para a doença. Revista Qualidade HC – Revista Eletrônica. [internet]. 2021 [acesso em 07 dezembro 2021]; 2(1). Disponível em https://www.hcrp.usp.br/revistaqualidadehc/uploads/Artigos/447/447.pdf
27. Bottura C, Mazzoni AAS, Leite, MB, Hussein AM, Gastaldi AC. Atuação do serviço de fisioterapia nas unidades de terapia intensiva no contexto da pandemia de COVID-19. Revista Qualidade HC – Revista Eletrônica. [internet]. 2021 [acesso em 07 dezembro 2021]; 2(1). Disponível em https://www.hcrp.usp.br/revistaqualidadehc/uploads/Artigos/449/449.pdf
28. Tacon FSA, Moraes CL, Evangelista PG, Amaral WN, Amaral-Filho WN. Divergência no diagnóstico ultrassonográfico de malformações fetais entre nível primário e terciário do sistema única de saúde (SUS). Revista Brasileira de Ultrassonografia. [internet]. 2018 [acesso em 07 dezembro 2021]. 25 ed. Disponível em https://sbus.org.br/wp-content/uploads/2018/10/revista-setembro.pdf
Publicado
2021-12-23
Como Citar
1.
Ramos AC, Carniel M, Vara MFF, Santos EL. Perfil epidemiológico dos pacientes do serviço de fisioterapia de um município da região metropolitana de Curitiba/PR. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 23dez.2021 [citado 28nov.2022];4(4):145-61. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/586
Seção
Artigos originais