Características de gestantes com sífilis em um hospital universitário do Paraná

Palavras-chave: Cuidado pré-natal. Notificação de doenças. Sífilis.

Resumo

A sífilis em gestante constitui uma importante causa evitável de morbimortalidade neonatal. O objetivo do estudo foi estimar a magnitude e características de gestantes com sífilis atendidas em um hospital universitário da região oeste do Paraná. Foi realizado um estudo descritivo, conduzido com revisão de prontuários e fichas de notificação de gestantes diagnosticadas com sífilis, no período de 2010 - 2016. Os resultados referem-se a 121 casos, a taxa de detecção de sífilis em gestantes foi 5,96 casos por mil nascidos vivos. Mostrou-se mais frequente em mulheres com idade ≥ 20 anos e escolaridade ≤ 8 anos. O tratamento foi inadequado em 68,7% das gestantes e 14,9% dos recém-nascidos foram notificados com sífilis congênita. Recomenda-se melhorar a qualidade do pré-natal, dos registros de notificação e providenciar educação continuada para os profissionais de saúde.

Referências

1. Secretaria de Estado da Saúde (SES-SP); Serviço de Vigilância Epidemiológica; Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP; Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Sífilis congênita e sífilis na gestação. Rev Saúde Pública. 2008 ago; 42(4): 768-772.
2. Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. An Bras Dermatol. 2006 mar; 81(2): 111-126.
3. Rodrigues CS, Guimarães MDC. Positividade para sífilis em puérperas: ainda um desafio para o Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2004 sep;16(3): 168-75.
4. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016 [citado 2017 Out 22]; 32(6):e00082415. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605002 &lng=en
5. Pires ACS, Oliveira DD, Rocha GMNM, Santos. Ocorrência de sífilis congênita e os principais fatores relacionados aos índices de transmissão da doença no Brasil da atualidade - revisão de literatura. Rev Uningá Review. 2014 jul-set; 19(1): 58-64.
6. Araújo CL, Shimizu HE, Souza AIA, Hamann EM. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2012 jun; 46(3): 479-86.
7. Pan-American Health Organization (PAHO). Elimination of congenital syphilis. Bul Pan Am Health Organ. 1995; 29: 364-8.
8. Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: estrutura do financiamento e do gasto setorial. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República; 2013 [citado 2017 Out 24]. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/98kjw/pdf/noronha-9788581100173.pdf
9. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde [Internet]. 2015. [acesso em 2015 dez 28]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/node/88
10. Ministério da Saúde (BR). Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Sífilis 2016. Brasília: Ministério da Saúde. 2016; 47(35): 1-29.
11. Brasil. Legislação básica do Sistema único de Saúde (SUS). Portal da Saúde. [citado 2017 Out 24]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/legislacao
12. Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para o Controle da Sífilis Congênita. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. Série Manuais nº 62.
13. Domingues RMSM, Szwarcwald CL, Junior PRBS, Leal MC. Prevalência de sífilis na gestação e testagem pré-natal: Estudo Nascer no Brasil. Rev Saúde Pública. 2014 out; 48(5): 766-774.
14. Rede interagencial de informações para a saúde – RIPSA. Indicadores e dados básicos. Brasil [internet]. 2012. [citado 2017 Set 29]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm
15. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais; Secretaria de Vigilância em Saúde. Indicadores e dados básicos da sífilis nos municípios brasileiros. Paraná: Sífilis em gestantes. Brasil [internet]. 2005-2016. [citado 2017 Set 29]. Disponível em: http:// http://indicadoressifilis.aids.gov.br
16. Lago ACO, Gomes DS. Perfil epidemiológico e transmissão materno-fetal da sífilis de gestantes em Cascavel (PR). DST - J Bras Doenças Sex Transm. 2016 mar; 28(1): 29-35.
17. Malisan JN, Nascimento BL, Malisan JM, Horvath JD, Silva CM; Peder LD. Prevalência e fatores associados à sífilis em gestantes atendidas em um centro de referência no Oeste do Paraná. In: Anais do 6º Congresso de Ciências Farmacêuticas do Mercosul e 6º Simpósio em Tecnologia de Alimentos do Mercosul, 2016; Cascavel.
18. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública [internet]. 2016 Jun. [citado 2017 Fev 04]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2016000605002&lng=en
19. Schetini J, Ferreira DC, Passos MRL, Salles EB, Santos DDG, Rapozo DCM. Estudo da prevalência de sífilis congênita em um hospital da rede SUS de Niterói – RJ. DST – J bras Doenças Sex Transm. 2005 mar; 17(1): 18-23.
20. Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JDE. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol Serv Saude. 2017 abr-jun;26(2):255-264.
21. Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon, IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad Saúde Pública. 2017 abr-jun; 26(2): 255-264.
22. Nascimento MI, Cunha AA, Guimarães EV, Alvarez FS, Oliveira SRSM, Bôas ELV. Gestações complicadas por sífilis materna e óbito fetal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012 fev; 34(2): 56-62.
23. Lafeta KRG, Martelli Junior H, Silveira MF, Paranaiba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev Bras Epidemiol. 2016 mar;19(1): 63-74.
24. Martinelli KG, Santos Neto ET, Gama SGN, Oliveira AM. Adequação do processo de assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014 fev; 36(2): 56-64.
25. Baggio MA, Pereira FC, Guimarães ATB, Caldeira S, Vieira CS. Programa rede mãe paranaense: análise da atenção pré-natal em uma regional de saúde. Cogitare Enferm. 2016 jul-set; 21(3): 01-10.
26. Campos ALA, Araújo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad Saúde Pública. 2010 set; 26(9): 1747-55.
Publicado
2018-12-14
Seção
Artigos originais