Características de gestantes com sífilis em um hospital universitário do Paraná

Palavras-chave: Cuidado pré-natal. Notificação de doenças. Sífilis.

Resumo

A sífilis em gestante constitui uma importante causa evitável de morbimortalidade neonatal. O objetivo do estudo foi estimar a magnitude e características de gestantes com sífilis atendidas em um hospital universitário da região oeste do Paraná. Foi realizado um estudo descritivo, conduzido com revisão de prontuários e fichas de notificação de gestantes diagnosticadas com sífilis, no período de 2010 - 2016. Os resultados referem-se a 121 casos, a taxa de detecção de sífilis em gestantes foi 5,96 casos por mil nascidos vivos. Mostrou-se mais frequente em mulheres com idade ≥ 20 anos e escolaridade ≤ 8 anos. O tratamento foi inadequado em 68,7% das gestantes e 14,9% dos recém-nascidos foram notificados com sífilis congênita. Recomenda-se melhorar a qualidade do pré-natal, dos registros de notificação e providenciar educação continuada para os profissionais de saúde.

Referências

1. Secretaria de Estado da Saúde (SES-SP); Serviço de Vigilância Epidemiológica; Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP; Coordenadoria de Controle de Doenças (CCD). Sífilis congênita e sífilis na gestação. Rev Saúde Pública. 2008 ago; 42(4): 768-772.
2. Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: diagnóstico, tratamento e controle. An Bras Dermatol. 2006 mar; 81(2): 111-126.
3. Rodrigues CS, Guimarães MDC. Positividade para sífilis em puérperas: ainda um desafio para o Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2004 sep;16(3): 168-75.
4. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2016 [citado 2017 Out 22]; 32(6):e00082415. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2016000605002 &lng=en
5. Pires ACS, Oliveira DD, Rocha GMNM, Santos. Ocorrência de sífilis congênita e os principais fatores relacionados aos índices de transmissão da doença no Brasil da atualidade - revisão de literatura. Rev Uningá Review. 2014 jul-set; 19(1): 58-64.
6. Araújo CL, Shimizu HE, Souza AIA, Hamann EM. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2012 jun; 46(3): 479-86.
7. Pan-American Health Organization (PAHO). Elimination of congenital syphilis. Bul Pan Am Health Organ. 1995; 29: 364-8.
8. Fundação Oswaldo Cruz. A saúde no Brasil em 2030 - prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: estrutura do financiamento e do gasto setorial. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde/Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República; 2013 [citado 2017 Out 24]. Disponível em: https://static.scielo.org/scielobooks/98kjw/pdf/noronha-9788581100173.pdf
9. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico Sífilis. Brasília: Ministério da Saúde [Internet]. 2015. [acesso em 2015 dez 28]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/node/88
10. Ministério da Saúde (BR). Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico Sífilis 2016. Brasília: Ministério da Saúde. 2016; 47(35): 1-29.
11. Brasil. Legislação básica do Sistema único de Saúde (SUS). Portal da Saúde. [citado 2017 Out 24]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/legislacao
12. Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para o Controle da Sífilis Congênita. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. Série Manuais nº 62.
13. Domingues RMSM, Szwarcwald CL, Junior PRBS, Leal MC. Prevalência de sífilis na gestação e testagem pré-natal: Estudo Nascer no Brasil. Rev Saúde Pública. 2014 out; 48(5): 766-774.
14. Rede interagencial de informações para a saúde – RIPSA. Indicadores e dados básicos. Brasil [internet]. 2012. [citado 2017 Set 29]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm
15. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais; Secretaria de Vigilância em Saúde. Indicadores e dados básicos da sífilis nos municípios brasileiros. Paraná: Sífilis em gestantes. Brasil [internet]. 2005-2016. [citado 2017 Set 29]. Disponível em: http:// http://indicadoressifilis.aids.gov.br
16. Lago ACO, Gomes DS. Perfil epidemiológico e transmissão materno-fetal da sífilis de gestantes em Cascavel (PR). DST - J Bras Doenças Sex Transm. 2016 mar; 28(1): 29-35.
17. Malisan JN, Nascimento BL, Malisan JM, Horvath JD, Silva CM; Peder LD. Prevalência e fatores associados à sífilis em gestantes atendidas em um centro de referência no Oeste do Paraná. In: Anais do 6º Congresso de Ciências Farmacêuticas do Mercosul e 6º Simpósio em Tecnologia de Alimentos do Mercosul, 2016; Cascavel.
18. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congênita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública [internet]. 2016 Jun. [citado 2017 Fev 04]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2016000605002&lng=en
19. Schetini J, Ferreira DC, Passos MRL, Salles EB, Santos DDG, Rapozo DCM. Estudo da prevalência de sífilis congênita em um hospital da rede SUS de Niterói – RJ. DST – J bras Doenças Sex Transm. 2005 mar; 17(1): 18-23.
20. Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JDE. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol Serv Saude. 2017 abr-jun;26(2):255-264.
21. Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon, IMP. Sífilis materna e congênita: ainda um desafio. Cad Saúde Pública. 2017 abr-jun; 26(2): 255-264.
22. Nascimento MI, Cunha AA, Guimarães EV, Alvarez FS, Oliveira SRSM, Bôas ELV. Gestações complicadas por sífilis materna e óbito fetal. Rev Bras Ginecol Obstet. 2012 fev; 34(2): 56-62.
23. Lafeta KRG, Martelli Junior H, Silveira MF, Paranaiba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev Bras Epidemiol. 2016 mar;19(1): 63-74.
24. Martinelli KG, Santos Neto ET, Gama SGN, Oliveira AM. Adequação do processo de assistência pré-natal segundo os critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e nascimento e Rede Cegonha. Rev Bras Ginecol Obstet. 2014 fev; 36(2): 56-64.
25. Baggio MA, Pereira FC, Guimarães ATB, Caldeira S, Vieira CS. Programa rede mãe paranaense: análise da atenção pré-natal em uma regional de saúde. Cogitare Enferm. 2016 jul-set; 21(3): 01-10.
26. Campos ALA, Araújo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad Saúde Pública. 2010 set; 26(9): 1747-55.
Publicado
2018-12-14
Como Citar
1.
Bertusso T, Obregón P, Moroni J, Silva E, Silva T, Wagner L, Piazza T. Características de gestantes com sífilis em um hospital universitário do Paraná. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 14dez.2018 [citado 25jul.2024];1(2):129-40. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/59
Seção
Artigos originais