Atuação do enfermeiro na equipe gestora de saúde em municípios de pequeno porte

  • Fernanda de Freitas Mendonça Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Enfermagem em saúde pública, Gestão em Saúde, Sistema Único de Saúde

Resumo

O estudo tem o objetivo de analisar a atuação dos enfermeiros como integrantes da equipe gestora de saúde em municípios de pequeno porte. Trata-se de um estudo transversal, exploratório e descritivo, com 176 enfermeiros integrantes das equipes gestoras de 82 municípios de pequeno porte da macrorregião norte do Paraná. Os dados foram coletados durante entrevista com os profissionais, por meio de formulário estruturado. Os resultados revelaram que a maioria era do sexo feminino, com idade superior a 30 anos e pós-graduada. Desempenhavam 595 funções, destacando-se o gerenciamento de Sistemas de Informações, sendo que 69,9% dos enfermeiros acumulavam entre 2 e 14 funções. A maioria conhecia os Instrumentos de Gestão investigados. Considerando a participação estratégica dos enfermeiros, ratifica-se a importância da qualificação desses profissionais, visto que a instituição de mudanças requer profissionais capacitados e implicados com a efetivação do Sistema Único de Saúde.

Referências

1. Constituição da República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Brasília (DF): Senado Federal; 1988.
2. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Apoio integrado à gestão descentralizada do SUS: estratégia para a qualificação da gestão descentralizada. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.
3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) [homepage na internet]. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro (RJ). 2010. [acesso em 07 out 2015]. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=29&uf=41
http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=29&uf=414. 4.Castro ALB, Machado CVA. Política de Atenção Primária à Saúde no Brasil: notas sobre a regulação e o financiamento federal. Cad Saúde Pública. 2010;26(4):693-705.
5. Machado CV, Lima LD, Baptista TWF. Princípios organizativos e instâncias de gestão do SUS. In: Gondim R, Gabrois V, Mendes W, organizadores. Qualificação de gestores no SUS. Rio de Janeiro (RJ): EAD/ Ensp; 2011. p. 49-74.
6. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): Instrumentos de Gestão em Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002.
7. Barreto AJR, Sá LD, Silva CC, Santos SR, Brandão GCG. Experiências dos enfermeiros com o trabalho de gestão em saúde no estado da Paraíba. Texto & Contexto Enferm. 2010;19(2):300-08.
8. Souza MKB, Melo CMM. Atuação de enfermeiras nas macrofunções gestoras em saúde. Rev. Enferm. UERJ. 2009;17(2):198-202.
9. Borges MASF, Nascimento MAA. A enfermeira no processo de descentralização do sistema de saúde. Rev. Bras. Enferm. 2004;57(6):666-70.
10. Resolução 466, de 12 de dezembro de 2012 (BR). Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos [resolução na internet]. Diário Oficial da União 13 jun 2013. [acesso em 06 abr 2016]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf
11. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. O SUS no seu município: garantindo saúde para todos. 2. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.
12. Melo CMM, Santos TA. A participação política de enfermeiras na gestão do Sistema Único de Saúde em nível municipal. Texto & Contexto Enferm. 2007;16(3):426-32.
13. Peres AM, Ciampone MHT. Gerência e competências gerais do enfermeiro. Texto & Contexto Enferm. 2006;15(3):492-99.
14. Fonseca MGM. Mulheres e poder na saúde: estudo de enfermeiras secretarias municipais de saúde no estado da Bahia. Dissertação [Mestrado em Enfermagem] - Universidade Federal da Bahia; 2001.
15. Assis MMA, Santos DG, Cerqueira EM. A prática da enfermeira no processo de municipalização da saúde: ampliando o espaço profissional. Rev. Baiana Enferm. 2003;18(1/2):111-23.
16. Portaria 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para formação e do desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências [portaria na internet] . Diário Oficial da União 2004. [acesso em 06 abr 2016]. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1832.pdf
17. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.
18. Alves M, Penna CMM, Brito MJM. Perfil dos gerentes de Unidades Básicas de Saúde. Rev. Bras. Enferm. 2004;57(4):441-46.
19. Paim JS, Teixeira CT. Configuração institucional e gestão do Sistema Único de Saúde: problemas e desafios. Ciênc. Saúde Coletiva. 2007;12(Sup):1819-29.
20. Mitre SM, Siqueira-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, Morais-Pinto NM, Meirelles CAB, et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. Saúde Coletiva. 2008;13(Sup2): 2133-44.
21. Benito GAV, Licheski AP. Sistemas de Informação apoiando a gestão do trabalho em saúde. Rev. Bras. Enferm. 2009;62(3):447-50.
22. Ohira RHF, Cordoni L Jr, Nunes EFPA. Perfil dos gerentes de Atenção Primária à Saúde de municípios de pequeno porte do norte do Paraná, Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva. 2014;19(2):393-400.
Publicado
2018-12-14
Seção
Artigos originais