Percepção sobre a dinâmica do jogo InterRaps com estudantes de cursos de graduação da saúde

Palavras-chave: Educação interprofissional, Educação superior, Saúde Mental, Jogos Experimentais, Tecnologia Educacional

Resumo

Este estudo objetiva analisar a percepção de estudantes de cursos de graduação da saúde sobre a dinâmica do jogo InterRaps, identificando os seus limites e suas potencialidades. O jogo oferece uma imersão digital simulada da experiência de trabalho interprofissional nos equipamentos de saúde da Rede de Atenção Psicossocial. Estudo qualitativo, exploratório e descritivo. A coleta de dados ocorreu entre fevereiro e abril de 2021, durante quatro partidas do jogo InterRaps, com a participação de nove estudantes da área da saúde de uma universidade do sul do Brasil. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo, com o apoio do Software MaxQDA. Os resultados apontaram reflexões acerca da dinâmica do jogo, jogabilidade, interprofissionalidade e do uso de plataformas online para o ensino remoto durante a pandemia de COVID-19. Constatou-se que o jogo se apresenta como alternativa para o ensino remoto, pois utiliza a metodologia ativa de gamificação do ensino na perspectiva da interprofissionalidade.

Biografia do Autor

Maria Gabriela Rodrigues Souza, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Graduada em Enfermagem. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Rafaela Gessner Lourenço, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Danyelle Leonette Araújo Santos, Universidade de São Paulo

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Nicolle Boell Heiden, Universidade Federal do Paraná

Acadêmica. Graduanda em Farmácia. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Martha Porto Sabino, Universidade Federal do Paraná

Acadêmica. Graduanda em Enfermagem. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

1. Brasil. Lei no 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Congresso Nacional, Brasília, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm#:~:text=LEI%20No%2010.216%2C%20DE,modelo%20assistencial%20em%20sa%C3%BAde%20mental. Acesso em: 18 set. 2020.
2. Brasil. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ministério da Saúde, Brasília, 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt3088_23_12_2011_rep.html. Acesso em: 18 set. 2020
3. Carvalho MFAA, Coelho EAC, Oliveira JF, Freire AKS. Collaborative team under the interprofessional scope strengthening the integrality in psychosocial care. RSD, [S. l.], v. 9, n. 8, p. e552985762, 2020 [acesso em 2020 set 27]. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5762
4. Ceccim RB. Conexões e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação. Interface (Botucatu, Online). 2018, v. 22, n. Suppl 2 [Acessado 14 Setembro 2021], pp. 1739-1749 [acesso em 2021 ago 30]. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622018.0477
5. Emerich BF, Onocko-Campos R. Formação para o trabalho em Saúde Mental: reflexões a partir das concepções de Sujeito, Coletivo e Instituição. Interface (Botucatu, Online), Botucatu, v. 23, e170521, 2019 [acesso em 2020 set 27]. doi: https://doi.org/10.1590/Interface.170521
6. Lima ICBF, Passos ICF. Residências integradas em saúde mental: para além do tecnicismo. Trab. Educ. Saúde (Online). 2019, vol.17, n.2 [citado online 2020-09-11], e0020940 [acesso em 2020 set 18]. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00209
7. Machado MFAS, Machado LDS, Xavier SPL, Lima LA, Moreira MRC, Ferreira HS. Competências em promoção da saúde: o domínio parceria na residência multiprofissional em saúde. Rev. bras. promoç. saúde (Online), Fortaleza, v. 31, n. 4, 2018 [acesso em 2021 ago 30]. doi: https://doi.org/10.5020/18061230.2018.8761
8. Colares KTP, Oliveira W. Metodologias Ativas na formação profissional em saúde: uma revisão. Revista SUST, [S.l.], v. 6, n. 2, p. 300 - 320, jan. 2019. ISSN 2359-0424 [acesso em 2020 set 18]. doi: https://doi.org/10.12957/sustinere.2018.36910
9. Gadelha MMT, Andrade ME, Silva JMA, Bezerra ICB, Carmo AP, Fernandes MC.Tecnologias educativas no processo formativo: discurso dos acadêmicos de enfermagem. Rev enferm UFPE [on line], Recife, 13(1):155-61, jan, 2019 [acesso em 2020 set 18]. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i1a234817p155-161-2019
10. Silva MN, Polmonari ND, Castro DF, Oliveira ESCS, Lourenço RG. Jogo InterRaps: uma estratégia de ensino interprofissional em Saúde Mental. Interface (Botucatu, Online). 2021, v. 25 [Acessado 31 Julho 2021] , e200408. doi: https://doi.org/10.1590/interface.200408
11. Camacho ACLF, Joaquim FL, Menezes HF, Sant’Anna RM. Tutoring in distance education in times of COVID-19: relevant guidelines. RSD, [S. l.], v. 9, n. 5, p. e30953151, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i5.3151 [acesso em 2020 set 18]. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i5.3151
12. Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 7. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.
13. Soares AN, Gazzineli MF, Souza V, Ara[ujo LHL. Role Playing Game (RPG) como estratégia pedagógica na formação do enfermeiro: relato da experiência de criação do jogo. Texto & contexto enferm. (Online), Florianópolis , v. 24, n. 2, p. 600-608, Jun 2015 [acesso em 2020 set 18]. doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072015001072014
14. VERBI GmbH. Qualitative Data Analysis Software- MAXQDA. Berlin, Germany: VERBI GmbH, 2021 [acesso em 2021 jul 14]. Disponível em: https://www.maxqda.com/brasil/software-analise-qualitativa
15. Bardin L. Análise de Conteúdo. Edição revisada e atualizada. Edições 70, Lisboa, 2011.
16. Ministério da saúde (Brasil). Conselho Nacional da Saúde/ Ministério da Saúde- Brasília, 2012. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012 [acesso em 2021 ago 20]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf
17. Almeida RS, Teston EF, Medeiros AA. A interface entre o PET-Saúde/Interprofissionalidade e a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Saúde em debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. spe1, p. 97-105, Aug. 2019 [acesso em 2020 set 18]. doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042019S108
18. Ghezzi JFSA, Higa EFR, Nalom DMF, Biffe CRF, Lemes MA, Marin MJS. Metodologias de aprendizagem ativa e a formação do enfermeiro com pensamento crítico: revisão integrativa da literatura. In: Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa, 8, 2019, Lisboa. Atas - Investigação Qualitativa em Educação/Investigación Cualitativa en Educación. Lisboa: CIAIQ. 2019 [acesso em 2021 jul 29]. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/CIAIQ2019/article/view/2186
19. Souza V, Gazzineli MF, Soares AN, Fernandes MM, Oliveira RNG, Fonseca RMGS. O jogo como estratégia para abordagem da sexualidade com adolescentes: reflexões teórico-metodológicas. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 70, n. 2, p. 376-383, Abr. 2017 [acesso em 2020 set 27]. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0043
20. Souza MN, Guimarães LMS. Vulnerabilidade social e exclusão digital em tempos de pandemia: uma análise da desigualdade de acesso à internet na periferia de Curitiba. Revista Interinstitucional Artes de Educar, Rio de Janeiro, v. 6, Especial II - p. 279-296, jun-out 2020 [acesso em 2021 out 12]. doi: https://doi.org/10.12957/riae.2020.51097
21. Fornari LF, Fonseca RMGS. Prevenção e enfrentamento da violência de gênero por meio de jogos educativos: uma revisão de escopo. RISTI, Porto, n. 33, p. 78-93, set. 2019 [acesso em 2021 jul 28]. doi: https://doi.org/10.17013/risti.33.78-93
22. Oliveira RNR, Cardoso RP, Braga JCB,Rocha RV. Frameworks para Desenvolvimento de Jogos Educacionais: uma revisão e comparação de pesquisas recentes. In: Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE, 29., 2018, Porto Alegre. Anais do SBIE 2018. Porto Alegre: SBIE. 2018 [acesso em 2021 jul 29]. doi: http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2018.854
Publicado
2022-08-22
Como Citar
1.
Souza MGR, Lourenço RG, Santos DLA, Heiden NB, Sabino MP. Percepção sobre a dinâmica do jogo InterRaps com estudantes de cursos de graduação da saúde. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 22ago.2022 [citado 30set.2022];5(3):1-7. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/640
Seção
Artigos originais