Conquistas, desafios e fragilidades de um Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino-Saúde

Palavras-chave: Gestão em Saúde, Educação Médica, Política de Saúde., Ensino

Resumo

O Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino-Saúde é um instrumento de gestão através do qual são pactuados compromissos entre instituições de ensino superior e gestores municipais do Sistema Único de Saúde. Esta pesquisa objetiva descrever as principais conquistas, desafios e fragilidades do Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino-Saúde-Guarapuava. Trata-se de um estudo descritivo de abordagem qualitativa, por meio de uma pesquisa documental. Algumas conquistas do processo de contratualização foram a transparência e equidade na regulação e gestão do acesso aos cenários de prática e o fortalecimento do Comitê Gestor Municipal durante a COVID-19. Configuram desafios e fragilidades a regulamentação das preceptorias, elaboração e execução de contrapartidas disparadoras de educação permanente, lacunas legislativas e o aumento no potencial formador. Despontam como estratégias o fortalecimento das preceptorias, sensibilização e pactuação com todos os níveis hierárquicos envolvidos, elaboração conjunta de contrapartidas disparadoras de educação permanente e a regionalização do contrato local.

Biografia do Autor

Anderson Vinicius Kugler Fadel, Secretaria Municipal de Saúde de Guarapuava

Médico. Mestre em Ensino nas Ciências da Saúde pela Faculdade Pequeno Príncipe, Curitiba, Paraná, Brasil. Coordenador Adjunto do Curso de Medicina do Centro Universitário Campo Real, Guarapuava, Paraná

Izabel Cristina Meister Martins Coelho, Faculdades Pequeno Príncipe

Médica. Doutora em Clínica Cirúrgica pela Universidade Federal do Paraná. Coordenadora do Curso de Medicina e do Programa de Mestrado Acadêmico na Faculdade Pequeno Príncipe, Curitiba, Paraná, Brasil.

Luís Fernando Boff Zarpelon, Universidade Federal da Integração Latino Americana

Médico. Doutor em Ciência da Saúde pela Universidade Federal de São Paulo, Santos, São Paulo, Brasil. Docente do curso de Medicina da Universidade Federal da Integração Latino Americana, Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil.

Márcio José Almeida, Faculdades Pequeno Príncipe.

Médico. Doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo. Docente da Faculdade Pequeno Príncipe, Curitiba, Paraná, Brasil.

Referências

1. Zarpelon LFB, Terencio ML, Batista NA. Education-service integration in the contexto of Brazilian medical schools: an integrative review. Ciênc. saúde colet. 2018;23(12). doi: https://doi.org/10.1590/1413-812320182312.32132016

2. Coelho MGM. Estudo sobre a inserção de discentes de medicina na atenção primária a saúde. [Dissertação]. Eusébio: Fundação Oswaldo Cruz; 2019. 79 f. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/48525/2/marcia_gomes_marinheiro_coelho_profsaude_2019.pdf

3. Ministério da Educação (Brasil), Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Brasil, [Internet] 2014. [citado em 2019 nov 07]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192

4. Khalaf DK, Reibnitz KS, Vendruscolo C, Lima MM, Oliveira VBCA, Correia AB. Integração ensino-serviço sob a percepção dos seus protagonistas. Rev. Enferm. UFSM. 2019; 9(9):1-20. doi: https://doi.org/10.5902/21797692231464

5. Ministério da Educação. Portaria Interministerial (Brasil). Portaria n° 1.127, de 04 ago. 2015. Diário Oficial da União: seção 1. [Internet]. Brasília, DF, 2015. [citado em 2019 mai 20]. Disponível em: https://www.ufjf.br/icvgv/files/2017/06/2.-Portaria-Interministerial-N%c2%ba-1.127-DE-04-de-Agosto-de-2015.pdf

6. Brasil. Lei n° 12.871, de 22 de outubro de 2013. Altera as Leis n° 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e n° 6.932, de 7 de julho de 1981, que institui o Programa Mais Médicos e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, [Internet]. Brasília, DF, out. 2013. [citado em 2019 nov 07]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/Lei/L12871.htm

7. Cechinel A, Fontana SAP, Giustina KPD, Pereira AS, Prado SS. Estudo/Análise Documental: Uma Revisão Teórica e Metodológica. Rev. Criar. educ. 2016; 5(1). doi: http://dx.doi.org/10.18616/ce.v5i1.2446

8. Cellard A. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes; 2008. 464 p.

9. Decreto n°6197, de 27 de julho de 2017 (Brasil). Fixa normas para formalização do COAPES e concessão de campo de atuação para estágios obrigatórios e residências nas unidades da Rede de Assistência da Secretaria Municipal da Saúde de Guarapuava/PR, e dá outras providências. [Internet]. Boletim Oficial do Município de Guarapuava, Guarapuava, PR, jul. 2017b. [citado em 2021 jun 21]. Disponível em: https://www.guarapuava.pr.gov.br/wp-content/uploads/2019/05/Boletim-Oficial-1187.pdf

10. Zarpelon LFB. A Gestão da Internação Ensino Serviço nas Escolas Médicas do Paraná. [Tese]. Santos: Universidade Federal de São Paulo; 2021. 194 f. Disponível em: https://dspace.unila.edu.br/bitstream/handle/123456789/6233/A%20Gest%C3%A3o%20da%20Integra%C3%A7%C3%A3o%20Ensino%20Servi%C3%A7o%20nas%20Escolas%20M%C3%A9dicas%20do%20Paran%C3%A1?sequence=1&isAllowed=y

11. Carvalho ER, Pauletti LHT. O COAPES e o seu papel na integração ensino-serviço-comunidade: disciplinando campos de prática. International Journal of Development Research. 2019; 11(9):50274-75. doi: https://doi.org/10.37118/ijdr.22849.09.2021

12. Aguiar NA, Alves MSCF. The community as a place of leadership in education-service integration and multi-professional performance. Trab. educ. saúde. 2016; 14(1): 221-35. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00089

13. Santana RR, Santana CCAP, Neto SBC, Oliveira EC. Extensão Universitária como Prática Educativa na Promoção da Saúde. Educ. Real. 2021; 46(2). doi: https://doi.org/10.1590/2175-623698702

14. Oliveira RZ, Miguel ERA, Vier BP, Yoshizawa JK, Esteves RZ, Tintori SM, Brandão JCC, Dutra MC. Ensino e trajetória da Atenção Primária à Saúde em um curso de medicina. Rev. Saúde Pública do Paraná.2021; 4(2):184-93. doi: https://doi.org/10.32811/25954482-2021v4n2p184

15. Decreto n°6196, de 27 de julho de 2017 (Brasil). Institui diretrizes para a celebração do Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino-Saúde no município de Guarapuava/PR (COAPES-Guarapuava), e dá outras providências. [Internet]. Boletim Oficial do Município de Guarapuava, Guarapuava, PR, jul. 2017a. [citado em 2019 jun 21]. Disponível em: https://www.guarapuava.pr.gov.br/wp-content/uploads/2019/05/Boletim-Oficial-1187.pdf

16. Botti SHO, Rego S. Preceptor, Supervisor, Tutor e Mentor: Quais são seus papéis? Rev. bras. educ. méd. 2008; 32(3):363-73. doi: https://doi.org/10.1590/S0100-55022008000300011

17. Brasil. Lei n°5.556, de 31 de julho de 2020. Institui o Programa de Preceptoria e Supervisão em Atividades de Estágio e Internato exercidas por alunos de instituições de ensino superior privadas na área da saúde na Rede Pública de Saúde do Município de Pato Branco, Paraná. Diário Oficial dos Municípios do Paraná. [Internet]. Curitiba, PR, ago. 2020e. [citado em 2020 ago 01]. Disponível em: https://sapl.patobranco.pr.leg.br/ta/4762/text?

18. Decreto n°8258, de 04 de novembro de 2020 (Brasil). Institui o Programa de Preceptoria e Supervisão em Atividades de Estágio, Internato e Programas de Residência Médica exercidas por alunos do Curso de Medicina de Instituições de Ensino Superior privadas, e estabelece outras providências. [Internet]. Boletim Oficial do Município de Guarapuava, Guarapuava, PR, nov. 2020a. [citado em 2021 jun 28]. Disponível em: https://www.guarapuava.pr.gov.br/wp-content/uploads/2020/11/Boletim-Oficial-1959.pdf

19. Albuquerque NMDS, Ribeiro JT, Resende TIM. Interação, Ensino, Saúde e Comunidade pela perspectiva dos discentes de medicina. Espac. Saude. 2021; 22:e728. doi: https://doi.org/10.22421/1517-7130/es.2021v22.e728

20. Belfor JA, Sena IS, Silva DKB, Lopes BRS, Koga Júnior M, Santos BEF. Competências pedagógicas docentes sob a percepção de alunos de medicina de universidade da Amazônia brasileira. Ciênc & Saúde Col. 2018; 23(1):73-82. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018231.21342017

21. Vidal CP. Relato de Experiência: Desafios e Vivência no COAPES em um Município no Interior de Minas Gerais. In: Castro LHA, Moreto FVC, Pereira TT. Política, planejamento e gestão em saúde 10. 1ª Ed. Ponta Grossa, PR: Atena, 2020. doi: https://doi.org/10.22533/at.ed.96820220813

22. Ministério da Saúde (Brasil), Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Manual de Apoio aos Gestores do SUS para a implementação do COAPES. [Internet]. Brasília, DF; 2015. 29 p. [citado em 2019 mai 20]. Disponível em: https://www.ufjf.br/icvgv/files/2017/06/3.-Manual-de-Apoio-aos-Gestores-do-SUS-para-implementa%C3%A7%C3%A3o-do-COAPES.pdf
Publicado
2022-05-12
Como Citar
1.
Fadel AVK, Coelho ICMM, Zarpelon LFB, Almeida MJ. Conquistas, desafios e fragilidades de um Contrato Organizativo de Ação Pública Ensino-Saúde. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 12maio2022 [citado 24maio2022];5(2):1-1. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/670
Seção
Artigos originais