Conhecimento popular e automedicação com plantas medicinais em gestantes de um município do Nordeste brasileiro

Palavras-chave: Automedicação, Gestantes, Plantas medicinais, Educação em Saúde

Resumo

O objetivo do presente estudo foi avaliar o conhecimento popular e automedicação com plantas medicinais em gestantes do município de Juazeiro do Norte, Ceará, Brasil. Trata-se de uma pesquisa exploratória com abordagem quali-quantitativa. As informações foram coletadas por meio de um questionário semiestruturado e um grupo focal de gestantes. Em relação ao conhecimento e uso de plantas de medicinais, afirma-se que as gestantes utilizam plantas medicinais. Na análise dos riscos, todas plantas relatadas apresentavam toxicidade fetal, com exceção da cebola branca. Nota-se que as gestantes utilizam plantas medicinais por influência da cultura familiar. As gestantes acreditam que as plantas medicinais ingeridas na gestação não causam efeitos nocivos por serem de origem natural, o que contribui para a automedicação. Destaca-se a importância do diálogo entre o saber popular e o conhecimento científico na construção de uma educação terapêutica que previna problemas relacionados ao uso de produtos terapêuticos na gestação.

Biografia do Autor

Rejane Cristina Fiorelli Mendonça, MSc, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade de Marília (1998) e pós-graduação Latu Sensu em Fisioterapia Dermato funcional(CE) e Metodologia do Ensino Superior (RO). Mestranda em Ensino em Saúde pelo Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO-CE). Professora orientadora da Liga Acadêmica de Fisioterapia Dermatofuncional (LADEF- UNILEÃO). Professora colaboradora do Programa de Educação Ambiental e Social (PEAS-Unielão) e orientadora do projeto de Sustentabilidade do curso de Fisioterapia (Terapia Elástica Sustentável- Unileão). Docente do curso de fisioterapia da Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO) e Centro Universitário Vale do Salgado (UNIVS). Coordenadora dos programas de pós graduação do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Leão Sampaio (UNILEÃO).

Jaime Ribeiro Filho, PhD, Instituto Gonçalo Moniz, Fundação Oswaldo Cruz

Possui Graduação em Farmácia pela Universidade Federal da Paraiba (2008). Realizou Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos com área de concentração em Farmacologia (UFPB - 2011) e Doutorado em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular da Fundação Oswaldo Cruz, com área de concentração em Imunologia e Farmacologia (2013). É Pesquisador no Instituto Gonçalo Moniz (IGM) / Fundação Oswaldo Cruz. É docente e orientador nos Programas de Pós-Graduação em Patologia (UFBA/FIOCRUZ) e Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa (PgBSMI) e no Mestrado Profissional em Pesquisa Clínica e Translacional (PPgPCT). É orientador colaborador no Programa de Pós-graduação em Ensino em Saúde (MePESa). Atua na investigação pré-clínica de novos candidatos a fármacos para o tratamento de doenças inflamatórias e infecciosas. Os projetos mais recentes abordam a fisiopatologia e farmacoterapia da anemia falciforme. Também desenvolve Pesquisa e Extensão em Etnofarmacologia e Educação terapêutica. É divulgador científico (criador do podcast "que droga é essa") e membro da Sociedade Brasileira de Imunologia. 

Francois Isnaldo Dias Caldeira, MSc, Universidade Estadual Paulista

Cirurgião-dentista formado pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG). Atua como assistente de pesquisas nas áreas de Periodontia; Saúde Pública e Biologia Molecular/Celular. Suas linhas de pesquisas se concentram na área de qualidade de vida, demarcação étnico territorial e sociodemográfica, e-health, contaminação de dispositivos, genética/ imunologia avançada e revisões em literatura. Participou de diversas linhas de pesquisas e obteve financiamento das principais agências de fomento do país e do estado de Minas Gerais: MEC; FAPEMIG; FINEP e CNPQ. Foi membro bolsista do grupo PET-Odontologia da UNIFAL-MG. Possui formação técnica em Segurança do Trabalho e com experiência profissional na promoção da saúde e a prevenção de acidentes do trabalhador. Tem interesse de trabalhar com Medicina Periodontal, Engenharia genética, Bioinformática, Ferramentas Ômicas, E-health e Revisões de literatura.

Kellen Cristina Silva Gasque, PhD, Fundação Oswaldo Cruz

Professora e Pesquisadora na Fiocruz Brasília, trabalhando na Secretaria Executiva da UNA-SUS. Coordenadora do Polo da Fiocruz-DF do Mestrado profissionalizante em rede oferecido na modalidade híbrida em Saúde da Família (PROF SAÚDE). Previamente, Professora Visitante do Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL). Atuou coordenadora de Odontologia (na Universidade di Sagrado Coração) e Professora Universitária, prioritariamente nos cursos de Saúde, ministrando disciplinas da área de Saúde Coletiva, Cariologia e disciplinas básicas (Metodologia,TCC, Bioquímica). Experiência no uso de Metodologias Ativas. Atuação como Coordenadora do Escritório Internacional, Responsabilidade Social e Extensão da Uninorte -Laureate International Universities, quando participou do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE). Experiência internacional como Posdoutora associada no Sanford Burnham Medical Research Institute, San Diego, California, EUA (bolsista Ciências Sem Fronteiras e recebia auxílio suplementar de grant de pesquisa da NIH e AM-PHARMA). Formação Acadêmica pela Universidade de São Paulo - Faculdade de Odontologia de Bauru). Interesses: Educação em Saúde; uso de Tecnologias WEB na Educação Permanente em Saúde; Políticas Públicas em Saúde; Ead.

Referências

1. Lemos A. Fisioterapia obstétrica baseada em evidências. Fisioterapia obstétrica baseada em evidências 2014:452-452. Disponível em : https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-773762
2. Nascimento ÁM, Gonçalves RELM, Medeiros RMK, Lisboa HCF. Avaliação do uso de medicamentos por gestantes em Unidades Básicas de Saúde de Rondonópolis, Mato Grosso. Ver. Gest. Saúde. 2016;7(1):96-112. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/3392
3. Organization WH. Action plan for healthy newborn infants in the Western Pacific Region (2014-2020): Manila: WHO Regional Office for the Western Pacific 2014. Disponível em: https://iris.wpro.who.int/
4. Pontes SM, Souza APM, Barreto BF, Oliveira HSB, Oliveira LBPD, Saraiva AM et al. Utilização de plantas medicinais potencialmente nocivas durante a gestação na cidade de Cuité-PB. Comun. Ciên. Saúde. 2012;34(4):305-311. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/mis-36477
5. Brito MF, Marín EA, Cruz DDD. Plantas medicinais nos assentamentos rurais em uma área de proteção no litoral do nordeste brasileiro. Ambient. Soc. 2017;20(1):83-104. doi: https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC20150034R2V2012017
6. Silva C, Marinho M, Lucena M, et al. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em área de Caatinga na comunidade do Sítio Nazaré, município de Milagres, Ceará, Brasil. Rev. Bras. Pl. Med. 2015;17(1):133-142. doi: https://doi.org/10.1590/1983-084X/12_055
7. Almeida Neto JR, Barros RFM, Silva PRR. Uso de plantas medicinais em comunidades rurais da Serra do Passa-Tempo, estado do Piauí, Nordeste do Brasil. Rev Bras Biocienc. 2015;13(3).Disponível em: http://www.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/view/3280
8. Bitu VCN, Bitu VCN, Matias EFF, Lima WP, Costa-Portelo A, Coutinho HDM et al. Ethnopharmacological study of plants sold for therapeutic purposes in public markets in Northeast Brazil. J. Ethnopharmacol. 2015;172:265-272. doi: https://doi.org/10.1016/j.jep.2015.06.022
9. Soldati G. Transmissão de Conhecimento: origem social das informações e da evolução cultural. NUPEEA 2013:37-61. Disponível em: http://www.nupeea.com/etnobiologia-bases-ecologicas-e-evolutivas-1.html
10. Ribeiro AS, Silva MV, Guerra PG, Saick KW, Uliana MP, Loss R. Risco potencial do uso de medicamentos durante a gravidez e a lactação. Infarma-Ciên. Farma. 2013;25(01):62-67. doi: http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v25.e1.a2013.pp62-67
11. Borges VM, Moura F, Cerdeira CD, Barros, GBS.Uso de medicamentos entre gestantes de um município no suL de Minas Gerais, Brasil. Infarma-Ciên. Farma. 2018;30(1):30-43. doi: http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v25.e1.a2013.pp62-67
12. Carneiro, ACLL, Souza VD, Godinho LK, Faria ICMD, Silva KL, Gazzinelli MF. Educação para a promoção da saúde no contexto da atenção primária. Rev. Panam. Salud Publica 2012;31(2):115-120. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892012000200004
13. Oliveira MDD, Oliveira DP, Diniz MIG. A relação farmacêutico-paciente através da inserção da política de atenção farmacêutica na atenção primária/SUS. Rer. Rede Cuid. Saúde. 2015;9(2). Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/rcs/article/view/2591/1294
14. Zuluaga GCR. A assistência farmacêutica e a atenção primária à saúde: coordenação, integralidade e continuidade do cuidado na Dispensação e Atenção Farmacêutica no Brasil. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) 2014:101. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/36180
15. Fagundes DQ, Oliveira AE. Educação em saúde no pré-natal a partir do referencial teórico de Paulo Freire. Rev. Trab. Educ. Saúde. 2016;15(1):223-243. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00047
16. Camillo BS, Nietsche EA, Salbego C, Cassenote LG, Osto D, Silva D, Böck A. Ações de educação em saúde na atenção primária a gestantes e puérperas: revisão integrativa. Rev. Enferm. UFPE on line 2016;10(6):4894-4901. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i6a11270p4894-4901-2016
17. ESTATÍSTICA I-IBDGE. Censo Demográficos: resultados preliminares de Juazeiro do Norte, CE 2018, 2022. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ce/juazeiro-do-norte/panorama
18. Souza RM. Cuidado à saúde na gestação: saberes e práticas populares de gestantes participantes de ação educativa em unidade de saúde da família em Piracicaba-SP. 2015. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8310
19. Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70 ed. 2011.
20. Freitas RM, Assunção AKD, Rocha RMM. Perfil sociodemográfico e hábitos de vida de gestantes para realização de acompanhamento farmacoterapêutico. 2014. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/10119
21. Oliveira AS. Associação entre as funções cognitivas e a adesão à farmacoterapia durante a gestação. 2018. Disponível em: http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/12534
22. Campos PSS, Correia R, Marisco G. Plantas Medicinais Utilizadas por Quilombolas na Gestação e Lactação, e Riscos no Uso Indiscriminado. Rev. Contexto Saúde. 2020;20(40):236-243. doi: https://doi.org/10.21527/2176-7114.2020.40.236-243
23. Lima MB, Santos SLF, Barros KBNT, Oliveira-Vasconcelos LM, Pessoa CV. Plantas medicinais utilizadas por gestantes em unidades básicas de saúde. Revista UNIANDRADE. 2019;20(2):90-97. Disponível em: https://revista.uniandrade.br/index.php/revistauniandrade/article/view/1237
24. Rangel M, Bragança F. Representações de gestantes sobre o uso de plantas medicinais. Rev. Bras. de Plantas Med. 2009;11(1):100-109. doi: https://doi.org/10.1590/S1516-05722009000100016
25. Carvalho NS, Bezerra AN, Viana ACC, Morais SR, Azevedo DV. Percepção de gestantes quanto ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos: Uma revisão integrativa da literatura. Braz. Jour. Health Rev. 2020;3(4):9282-9298. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/13849
26. Brum LFS, Pereira P, Felicetti LL, Silveira RDD. Utilização de medicamentos por gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde no município de Santa Rosa (RS, Brasil). Ciênc. Saúde Colet. 2011;16(5):2435-2442. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2011.v16n5/2435-2442/
27. Pires AM, Araújo PS. Percepção de risco e conceitos sobre plantas medicinais, fitoterápicos e medicamentos alopáticos entre gestantes. Rev. baiana saúde pública. 2011;35(2):320-320. doi: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2011.v35.n2.a308
28. Bispo GL, Marco CA, Silva Ferreira F, Chaves JTL, Farias RB. Estudo etnobotânico de plantas medicinais no comércio da cidade de Juazeiro do Norte, CE. Jour. Biol. Pharm. Agricul. Manag. 2019;15(4). doi: https://doi.org/10.18068/IVSBRNS.2019.020
29. Pereira J, Rodrigues M, Morais I, Vieira CRS, Sampaio JPM, Moura MG. O papel terapêutico do Programa Farmácia Viva e das plantas medicinais. Rev. Bras. Pl. Med. 2015;17(4):550-561. doi: https://doi.org/10.1590/1983-084X/14_008
30. Silva LG, Braga NNG, Nascimento Amorim JGC, Silva Corrêa R, Silva FS, Lemos MPSO. Automedicação entre gestantes do Brasil: revisão integrativa. Braz. Jour. Health Ver. 2021;4(1):3947-3959.Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/25465
Publicado
2022-09-22
Como Citar
1.
Mendonça RCF, Ribeiro Filho J, Caldeira FID, Gasque KCS. Conhecimento popular e automedicação com plantas medicinais em gestantes de um município do Nordeste brasileiro. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 22set.2022 [citado 30set.2022];5(3):1-3. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/685
Seção
Artigos originais