Desfecho do tratamento da tuberculose latente em pessoas vivendo com vírus da imunodeficiência humana

Palavras-chave: Tuberculose, Tuberculose Latente, Saúde Pública, HIV

Resumo

Objetivou-se analisar o desfecho do tratamento da infecção latente da tuberculose nas pessoas vivendo com HIV no Paraná. Realizou-se estudo descritivo, com dados secundários. A amostra se deu pelas pessoas vivendo com HIV em tratamento da infecção latente da tuberculose no Paraná entre 2019 e 2020. Foram excluídos casos com sorologia desconhecida do HIV e confirmação/suspeita da tuberculose ativa. Os dados foram analisados em software estatístico. Foram registrados 386 indivíduos, das quais 275 foram em 2019 e 111 em 2020. 61,4% das pessoas evoluíram com o tratamento completo, apesar de ainda notar-se alta taxa de abandono (10,4%). Conclui-se que houve diminuição do número de pessoas em tratamento, o que pode estar atrelado ao enfrentamento da pandemia da COVID-19. Dentre as pessoas em tratamento, o desfecho favorável da completude foi majoritário.

 

Biografia do Autor

Lais Kaori Sato Murrugara, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda em Enfermagem. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Lucas Vinícius Lima, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeiro. Mestrando em Enfermagem. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Gabriel Pavinati, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeiro. Mestrando em Enfermagem. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Isadora Gabriella Paschoalotto Silva, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Letícia Rafaelle Souza Monteiro, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira. Mestranda em Enfermagem. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Nelly Lopes Moraes Gil, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira. Doutora em Doenças Tropicais. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Gabriela Tavares Magnabosco, Universidade Estadual de Maringá

Enfermeira. Doutora em Ciências. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná.

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. [Internet] Brasília; 2019. [acesso em 10 fev 22]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_recomendacoes_controle_tuberculose_brasil_2_ed.pdf

2. Junior CJDS, Rocha TJM, Soares VDL. Aspectos clínicos e epidemiológicos da tuberculose em pacientes com HIV/aids. Medicina (Ribeirão Preto) [Internet]. 2019 [cited 2022 Fev 22];52(3):231-238. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v52i3.p231-238

3. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância em saúde. [Internet]. Brasília; 2019. [acesso em 10 fev 22]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_vigilancia_saude_3ed.pdf

4. World Health Organization (WHO). Global tuberculosis report 2020 [Internet]. Switzerland; 2020. [cited 2022 Fev 22]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789240013131

5. Lewinsohn DM, Leonard MK, LoBue PA, Cohn DL, Daley CL, Desmond E, et al. Official American Thoracic Society/Infectious Diseases Society of America/Centers for Disease Control and Prevention Clinical Practice Guidelines: Diagnosis of Tuberculosis in Adults and Children. Clin Infec Dises [Internet]. 2017 [cited 2022 Fev 22];15;64(2):111-5. Disponível em: https://academic.oup.com/cid/article/64/2/111/2811357

6. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Protocolo de vigilância da infecção latente pelo Mycobacterium tuberculosis no Brasil. [Internet]. Brasília; 2018. [acesso em 10 fev 22]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/publicacoes-svs/vigilancia/guia-de-vigilancia-em-saude_5ed_21nov21_isbn5.pdf/viewhttps://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_vigilancia_infeccao_latente_mycobacterium_tuberculosis_brasil.pdf

7. Santos TS, Junior ESS, Siqueira MCC. Vigilância epidemiológica de tuberculose em portadores de HIV na região norte, no período de 2011 a 2020. Res Soc Dev [Internet]. 2021 [acesso em 2022 fev 22];10(16):1-11. doi: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i16.23906

8. Sena IVDO, Flôr SMC, Júnior FWD, Araújo MBD, Viana RR, Almeida PD. Estudo clínico-epidemiológico da coinfecção TB-HIV em município prioritário: análise de 10 anos. Enferm Glob [Internet]. 2020 [acesso em 2022 fev 22];19(4):85-119. doi: https://doi.org/10.6018/eglobal.414741

9. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasil Livre da Tuberculose Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública. [Internet]. Brasília; 2017. [acesso em 10 fev 22]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_livre_tuberculose_plano_nacional.pdf

10. Elm EV, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP, et al. The Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. Ann Intern Med [Internet]. 2007 [acesso 2022 fev 22];147(8):573-77. doi: http://dx.doi.org/10.7326/0003-4819-147-8-200710160-00010

11. Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Diagnóstico de novos casos de tuberculose caiu entre 15% e 20% nas Américas em 2020 devido à pandemia [Internet]. Mar 2021. [acesso em 10 fev 22]. Disponível em: https://www.paho.org/pt/noticias/24-3-2021-diagnostico-novos-casos-tuberculose-caiu-entre-15-e-20-nas-americas-em-2020

12. Hino P, Yamamoto TT, Magnabosco GT, Bertolozzi MR, Taminato M, Fornari LF. Impacto da COVID-19 no controle e reorganização da atenção à tuberculose. Acta Paul Enferm [Internet]. 2021 [acesso em 2022 fev 22];34. doi: https://doi.org/10.37689/acta-ape/2021AR02115

13. Marques CC, Medeiros EL, Sousa MES, Maia MR, Silva RAR, Feijão AR, et al. Casos de tuberculose coinfectados por HIV em um estado do nordeste brasileiro. Enferm Actual Costa Rica [Internet]. 2019 [acesso em 2022 fev 22];(36):62-76. doi: http://dx.doi.org/10.15517/revenf.v0i36.33583

14. Bastos SH, Taminato M, Tancredi MV, Luppi CG, Nichiata LYI, Hino P. Coinfecção tuberculose/HIV: perfil sociodemográfico e saúde de usuários de um centro especializado. Acta Paul Enferm [Internet]. 2020 [acesso em 2022 fev 22];34(eAPE20190051). doi: http://dx.doi.org/10.37689/acta-ape/2020AO00515

15. Amadou ML, Abdoulaye O, Amadou O, Biraïma A, Kadri S, Amoussa AA, et al. Epidemiological, clinical and evolutionary profile of patients with tuberculosis at the Regional Hospital of Maradi, Republic of the Niger. Pan Afr Med J [Internet]. 2019 [acesso em 2022 fev 22];33. doi: https://doi.org/10.11604/pamj.2019.33.120.17715

16. González-Fernández L, Casas EC, Singh S, Churchyard GJ, Bridgen G, Gotuzzo E, et al. New opportunities in tuberculosis prevention: implications for people living with HIV. J Int AIDS Soc [Internet]. 2020 [acesso em 2022 fev 22];23(1):e25438. doi: https://doi.org/10.1002/jia2.25438

17. Harries AD, Schwoebel V, Monedero‐Recuero I, Aung TK, Chadha S, Chiang C‐Y, et al. Challenges and opportunities to prevent tuberculosis in people living with HIV in low‐income countries. Int J Tuberc Lung Dis [Internet]. 2019 [acesso em 2022 fev 22];23:241-51. doi: https://doi.org/10.5588/ijtld.18.0207

18. Kaminski R, Chen Y, Fischer T, Tedaldi E, Napoli A, Zhang Y, et al. Elimination of HIV-1 genomes from human T-lymphoid cells by CRISPR/Cas9 gene editing. Sci Rep [Internet]. 2016 [acesso em 2022 fev 22];6:1-15. doi: https://doi.org/10.1038/srep22555

19. Cavalin RF, Pellini ACG, Lemos RRG, Sato APS. TB-HIV co-infection: spatial and temporal distribution in the largest Brazilian metropolis. Rev Saúde Públ [Internet]. 2020 [acesso em 2022 fev 22];54. doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054002108

20. Al-Mozaini M, Alrahbeni T, Dirar Q, Alotibi J, Alrajhi A. HIV in the Kingdom of Saudi Arabia: can we change the way we deal with co-infections. Infect Drug Resist [Internet]. 2021 [acesso em 2022 fev 22];14:111-7. doi: https://dx.doi.org/10.2147%2FIDR.S270355

21. Miranda LO, Araújo BFA, Furtado D, Carvalho ML, Silva SMF, Moreira AM, et al. Aspectos epidemiológicos da coinfecção tuberculose/HIV no Brasil: revisão integrativa. Rev Pre Infec Saúde [Internet]. 2017 [acesso em 2022 fev 22];3(3). doi: https://doi.org/10.26694/REPIS.V3I3.6450

22. Danyuttapolchai J, Kittimunkong S, Nateniyom S, Painujit S, Klinbuayaem V, Maipanich N, et al. Implementing an isoniazid preventive therapy program for people living with HIV in Thailand. PLoS One [Internet]. 2017 [acesso em 2022 fev 22];12:1-12. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0184986

23. Magnabosco GT, Andrade RLP, Arakawa T, Monroe AA, Villa TCS.Desfecho dos casos de tuberculose em pessoas com HIV: subsídios para intervenção. Acta Paul Enferm [Internet]. 2019 [acesso em 2022 fev 22];32(5):554-63. doi: https://doi.org/10.1590/1982-0194201900077

24. Lacourse SM, Deya RW, Graham S, Masese LN, Jaoko W, Mandaliya KN, et al. Evaluation of the Isoniazid Preventive Therapy Care Cascade Among HIV-Positive Female Sex Workers in Mombasa, Kenya. Clin Sci [Internet]. 2017 [acesso em 2022 fev 22];76:74-81. doi: https://doi.org/10.1097/qai.0000000000001461

25. Melo LSO, Oliveira EN, Ximenes Neto FRG, Viana LS, Prado FA, Costa JBC. Passos e descompassos no processo de cuidado aos portadores de tuberculose na atenção primária. Enferm Foco [Internet]. 2020 [acesso em 2022 mar 04];11(1):136-41. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2020.v11.n2.2917

26. Paz EPA, Cunha CLF, Menezes EA, Santos GL, Ramalho NM, Werner RCD. Práticas avançadas em enfermagem: rediscutindo a valorização do enfermeiro na Atenção Primária à Saúde. Enferm Foco [Internet]. 2018 [acesso em 2022 mar 04];9(1):41-3. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2018.v9.n1.1856

27. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico força de trabalho das coordenações estaduais e de capitais e o desenvolvimento das ações em tuberculose durante a pandemia de COVID-19. Brasília: Ministério da Saúde; 2022 [citado 2022 outubro 04]. Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/edicoes/2022/boletim-epidemiologico-vol-53-no33.
Publicado
2023-02-13
Como Citar
1.
Murrugara LKS, Lima LV, Pavinati G, Silva IGP, Monteiro LR S, Gil NLM, Magnabosco GT. Desfecho do tratamento da tuberculose latente em pessoas vivendo com vírus da imunodeficiência humana. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 13fev.2023 [citado 25maio2024];6(1):1-5. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/709
Seção
Artigos originais