Vivências do parto: discursos de puérperas sobre o processo de parturição

Palavras-chave: Trabalho de Parto, Período Pós-Parto, Saúde da Mulher, Enfermagem, Pesquisa Qualitativa

Resumo

O estudo objetivou conhecer a vivência de mulheres durante o processo de parturição. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória-descritiva, desenvolvida com doze puérperas em um município do extremo oeste de Santa Catarina. A coleta de dados aconteceu por entrevista semiestruturada, gravada, e posteriormente transcrita na íntegra. Para análise dos dados utilizou-se a análise de conteúdo do tipo temática, proposta por Minayo. Algumas participantes associam a vivência do parto a ansiedade, medo e angústia, somados à preocupação com o bem-estar do bebê e com o novo papel a ser assumido. A falta de privacidade e de orientações foi citada como aspecto negativo, evidenciando-se a importância da escuta, do acolhimento e humanização. O processo de parturição é vivenciado de forma particular por cada mulher, e uma compreensão mais abrangente desse processo contribui para (re)pensar estratégias de humanização e de mudanças na dinâmica do atendimento em ambiente hospitalar, com vistas ao protagonismo das parturientes.

Biografia do Autor

Camila Amthauer, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa MariaUFSM (2010). Especialização em Saúde Pública pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Universidade Federal do Rio Grande do SulUFRGS (2012). Mestrado em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PPGENFUFRGS (2015). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível SuperiorCAPES (2013 - 2015). Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PPGENFUFRGS. Docente do Curso de Enfermagem da Universidade do Oeste de Santa CatarinaUNOESC, Campus São Miguel do Oeste (SC). Membro do Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Enfermagem, Campus São Miguel do Oeste (SC). Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa no Processo de Cuidado em Enfermagem e SaúdeGEP-PCES.

Jaqueline Griebeler Preuss, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Enfermeira. Pós-graduada em Enfermagem do Trabalho. Universidade do Oeste de Santa Catarina, São Miguel do Oeste, Santa Catarina, Brasil.

Aline Loebens, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Enfermeira. Universidade do Oeste de Santa Catarina, São Miguel do Oeste, Santa Catarina, Brasil

Referências


  1. Escobal APL, Matos GC, Gonçalves KD, Quadro PP, Cecagno S, Soares MC. Participation of women in decision-making in the process of parturition. J Nurs UFPE online. 2018; 12(2):499-509. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i2a231114p499-509-2018

  2. Lima MM, Ribeiro LN, Costa R, Monguilhot JJC, Gomes IEM. Obstetric nurses in the childbirth process: the women's perception. Rev Enferm UERJ. 2020; 28:e45901. doi: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2020.45901

  3. Cunha ACB, Santos C, Gonçalves RM. Concepções sobre maternidade, parto e amamentação em grupo de gestantes. Arq Bras Psicol. 2012; 64(1):139-55. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/arbp/v64n1/v64n1a11.pdf

  4. Pires D, Fertonani HP, Conill EM, Matos TA, Cordova FP, Mazur CS. A influência da assistência profissional em saúde na escolha do tipo de parto: um olhar sócio antropológico na saúde suplementar brasileira. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010; 10(2):191-7. doi: https://doi.org/10.1590/S1519-38292010000200006

  5. Milbrath VM, Amestoy SM, Soares DC, Siqueira HCH. Vivências maternas sobre a assistência recebida no processo de parturição. Esc Anna Nery. 2010; 14(3):462-7. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000300005

  6. Barros WLL, Costa E, Boeckmann LMM, Reis PED, Leon CGRMP, Fungheto SS. Parto humanizado: uma realidade na casa de parto? J Nurs UFPE online. 2011; 5(1):67-74. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-30252

  7. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

  8. Alves TCM, Coelho ASF, Sousa MC, Cesar NF, Silva PS, Pacheco LR. Contribuições da enfermagem obstétrica para as boas práticas no trabalho de parto e parto vaginal. Enferm. Foco 2019; 10(4):54-60.

  9. Scarton J, Prates LA, Wilhelm LA, Silva SC, Possati AB, Ilha CB, et al. “It was worth it when I saw his face”: experiences of primiparous women during natural childbirth. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(spe):143-51. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2015.esp.56786

  10. Santana CS, Oliveira AMN, Medeiros SP, Cardoso VM, Silva MRS, Cezar-Vaz MR. Expectativas e sentimentos das puérperas acerca do trabalho de parto e parto. Research, Society and Development. 2020; 9(9):e375997076. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7076

  11. Medeiros J, Hamad GBNZ, Costa RRO, Chaves AEP, Medeiros SM. Métodos não farmacológicos no alívio da dor de parto: percepção de puérperas. Rev Espaç. Saúde. 2015; 16(2):37-44. doi: https://doi.org/10.22421/15177130-2015v16n2p37

  12. Tostes NA, Seidl EMF. Expectativas de gestantes sobre o parto e suas percepções acerca da preparação para o parto. Temas psicol. 2016; 24(2):681-93. doi: http://dx.doi.org/10.9788/TP2016.2-15

  13. Brasil. Lei nº 11.634, de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e a vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/lei/l11634.htm

  14. Melo JKC, Santos RB, Barros SCP, Pinheiro HDM. Itinerário da assistência ao parto de puérperas assistidas em uma maternidade de referência. Brazilian Journal of Health Review. 2021; 4(1):1929-43. doi: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n1-156

  15. Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Brasília, 2005. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm

  16. Leal MC, Bittencourt SA, Esteves-Pereira AP, Ayres BVS, Silva LBRAA, Thomaz EBAF, et al. Progress in childbirth care in Brazil: preliminary results of two evaluation studies. Cad. Saúde Pública 2019; 35(7):e00223018. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00223018

  17. Valadão CL, Pegoraro RF. Vivências de mulheres sobre o parto. Fractal, Rev. Psicol. 2020; 32(1): 91-8. doi: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v32i1/5739

  18. Lunda P, Minnie CS, Benade P. Women’s experiences of continuous support during childbirth: a meta-synthesis. BMC Pregnancy Childbirth 2018; 18:167

  19. Brüggemann OM, Ebele RR, Ebsen ES, Batista BD. No parto vaginal e na cesariana acompanhante não entra: discursos de enfermeiras e diretores técnicos. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(esp):152-58. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983- 1447.2015.esp.53019

  20. Ferreira MC, Monteschio LVC, Teston EF, Oliveira L, Serafim D, Marcon SS. Percepções de profissionais de enfermagem sobre humanização do parto em ambiente hospitalar. Rev Rene. 2019;20:e41409. doi: https://doi.org/10.15253/2175-6783.20192041409

  21. Melo DSA, Silva JMO, Santos AA, Sanches METL, Cavacante KOR, Jacintho KS. Percepção da mulher quanto à assistência ao parto. J Nurs UFPE online. 2016; 10(2):814-20. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i2a11024p814-820-2016

  22. Medeiros RMK, Figueiredo G, Correa ACP, Barbieri M. Repercussions of using the birth plan in the parturition process. Rev Gaúcha Enferm. 2019;40:e20180233. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180233

  23. Mouta RJO, Silva TMA, Melo PTS, Lopes NS, Moreira VA. Plano de parto como estratégia de empoderamento feminino. Rev Baiana Enferm. 2017;31(4):e20275. doi: https://doi.org/10.18471/rbe.v31i4.20275

  24. Oliveira VJ, Penna CMM. Every birth is a story: process of choosing the route of delivery. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(suppl 3):1228-36. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0497

  25. Chourabi LF, Njaine K, Cecchetto F, Pieszak GM, Streck MTH. Assistência ao parto e violências sob a ótica de profissionais de saúde. R Saúde Publ. Paraná. 2019; 2(2):28-38. doi: http://dx.doi.org/10.32811.25954482-2019v2n2p28

Publicado
2023-05-12
Como Citar
1.
Amthauer C, Preuss JG, Loebens A. Vivências do parto: discursos de puérperas sobre o processo de parturição. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 12maio2023 [citado 15abr.2024];6(2):1-5. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/720
Seção
Artigos originais