Avaliação do estilo de vida e da autoestima de profissionais de enfermagem no âmbito hospitalar

Palavras-chave: Enfermagem do trabalho, Estilo de vida, Autoimagem, Qualidade de vida

Resumo

As atividades desenvolvidas pelos profissionais de enfermagem propiciam exposições aos riscos ocupacionais e aos desgastes, que se refletem no processo saúde-doença. O presente estudo visa avaliar o estilo de vida e a autoestima de profissionais de enfermagem hospitalar, por meio de um estudo transversal com 289 funcionários  de um hospital de Minas Gerais. Assim, foi possível verificar que a maioria deles era do sexo feminino, com a faixa etária entre 30 a 39 anos, casada e com renda de 1.501 a 3.000 reais mensais, apresentando autoestima média (68,18%) e  bom estilo de vida (43,71%). Diante dos resultados, os domínios: comportamento, introspecção e trabalho tiveram maiores alterações, e, na avaliação da confiabilidade dos instrumentos, constatou-se que há consistência interna entre os itens dos instrumentos (0,77 e 0,78). Além disso, identificou-se a necessidade de melhorias no estilo de vida desses trabalhadores, assim como para a promoção de ações que favoreçam uma autoestima adequada.

Biografia do Autor

Beatriz Maria Santos Santiago Ribeiro, Universidade de São Paulo

Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, São Paulo

Silvia Andreza Macedo Costa, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduanda de enfermagem. Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG – Unidade Acadêmica de Passos, Minas Gerais

Bruna Videira Silva, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduanda de enfermagem. Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG – Unidade Acadêmica de Passos, Minas Gerais

Rodrigo Lucas Campos, Universidade do Estado de Minas Gerais

Graduando de enfermagem. Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG – Unidade Acadêmica de Passos, Minas Gerais

Aline Oliveira Russi Pereira, Universidade do Estado de Minas Gerais

Enfermeira. Especialista em enfermagem do trabalho. Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG – Unidade Acadêmica de Passos, Minas Gerais

Sérgio Valverde Marques Santos, Universidade do Estado de Minas Gerais

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG – Unidade Acadêmica de Passos, Minas Gerais

Referências


  1. Almeida GFP, Ribeiro MHA, Silva MACN, Branco RCC , Pinheiro FCM , Nascimento MDSM. Patologias osteomusculares como causa de aposentadoria por invalidez em servidores públicos do município de São Luís, Maranhão. Rev Bras Med Trab. 2016;14(1):37-44. Disponível em: https://cdn.publisher.gn1.link/rbmt.org.br/pdf/v14n1a05.pdf

  2. Huebra PM, Ribeiro CA, Crescencio LNP, Huebra PM, Sampaio RMF, Silva RMGC, Silva RMCG. Condições de saúde mental e física do trabalhador. Anais do IV Seminário Científico da FACIG. 2018.

  3. Alves SR, Passoni RS, Oliveira RG, Yamaguchi MU. Serviços de saúde mental, percepção da enfermagem em relação à sobrecarga e condições de trabalho. Jornal fundamental Care. Online, 2018;10.25-29. doi: http://www.index-f.com/pesquisa/2018pdf/101025.pdf

  4. Porto JS, Marziale MHP. Motivos e consequências da baixa adesão às precauções padrão pela equipe de enfermagem Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(2):e57395. doi: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.57395

  5. Santos IN, Martins IC, Santos AC, Oliveira AS, Santos MSB. Distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho: caracterização de sintomatologia e exames diagnósticos. RSD. 2021;10(1): e36710111865. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11865

  6. United Nations. Departament of Economic and Social Affairs. World population prospects the 2015 revision: key findings and advanced tables. New York: United Nations; 2015 Disponível em: https://www.un.org/en/development/desa/publications/world-population-prospects-2015-revision.html#:~:text=The%20current%20world%20population%20of,2015%20Revision%E2%80%9D%2C%20launched%20today

  7. Almeida CB, Casotti CA, Sena, ELS. Reflexões sobre a complexidade de um estilo de vida saudável.Av. Enfer. 2018;36(2):220-29. doi: https://doi.org/10.15446/av.enferm.v36n2.67244

  8. Santos SVM, Macedo FR, Silva LA, Resck ZMR, Nogueira DA, Terra FS. Acidente de trabalho e autoestima de profissionais de enfermagem em ambientes hospitalares; Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2017;25:e2872. doi:https://doi.org/10.1590/1518-8345.1632.2872

  9. Backes DS, Backes MS, Erdmann AL, Buscher A. O papel profissional do enfermeiro no Sistema Único de Saúde: da saúde comunitária à estratégia de saúde da família.Ciênc. saúde coletiva. 2012;17(1):223-30. doi:https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000100024

  10.  RUBACK, S. P.; TAVARES, J. M. A. B.; LINS, S. M. S. B.; CAMPOS, T. S.; ROCHA, R. G.; CAETANO, D. A. Estresse e Síndrome de Burnout em Profissionais de Enfermagem que Atuam na Nefrologia: Uma Revisão Integrativa. Rev Fund Care. Online. 2018; 10(3):889-99. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i3.889-899

  11. Igreja, CT. Promoção de estilos de vida saudáveis nos Enfermeiros. Repositório Institucional, 2019, 14-64, Porto.'Disponivel em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/8774/1/PG_33955.pdf

  12. Riccio GMGE, Sampaio LABN, Faria MEFG, Caracciolo LT, Ribeiro FG, Cruz, MDA. Validação de instrumento de levantamento de dados para a formação de diagnóstico de enfermagem. Rev Socied Cardiologia. 1995;5(3):1-16. doi:https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000100011

  13. Rodriguez-Añez CR, Reis RS, Petroski EL. Versão brasileira do questionário “Estilo de Vida Fantástico”: tradução e validação para adultos jovens. Arq Bras Cardiol. 2008;91(2):102-09. doi:https://doi.org/10.1590/S0066-782X2008001400006

  14. Rosenberg M. Society and the adolescent self-image. New Jersey: Princeton University Press, 2017.

  15. Sbicigo JB, Bandeira DR, Dell'Aglio DD. Escala de Autoestima de Rosenberg (EAR): validade fatorial e consistência interna Psico-USF 2010, 15(3)doi: https://doi.org/10.1590/S1413-82712010000300012

  16. Fiocruz. Fundação Oswaldo Cruz. Perfil da Enfermagem no Brasil. Agência Fiocruz de Notícias. 2015.Dispónivel em : http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/index.html

  17. Machado MH, Aguiar Filho WA, Lacerda WF, Oliveira E,Wermelinger ML et al.,. Características gerais da enfermagem: o perfil sociodemográfico. Enferm. Foco. 2016;6,(¼):11-17. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2016.v7.nESP.686

  18. Kaiser Family Foundation. Total Number of Professionally Active Nurses, by Gender. EUA, 2018.

  19. Hashemian SM, Farzanegan B, Fathi M, Ardehali SH, Vahedian-Azimi A, Asghari-Jafarabadi M et al. Stress Among Iranian Nurses in Critical Wards. Iran Red Crescent Med J. 2015;23;17(6):e22612. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4568573/

  20. Nursing Process. What Is the Starting Salary of a Registered Nurse? 2018. Dispónivel em: https://www.nursingprocess.org/rn-salary/

  21. Wang SS, Liu YH, Wang LL. Nurse burnout: Personal and environmental factors as predictors. Int J Nurs Pract. 2015;21(1):78-86. doi: https://doi.org/10.1111/ijn.12216

  22. Kim YH, Jung MH. Effect of occupational health nursing practice on musculoskeletal pains among hospital nursing staff in South Korea. Int J Occup Saf Ergon. 2016;22(2):199-206. doi: https://doi.org/10.1080/10803548.2015.1078046.

  23. Machado EO, Oliveira E, Lemos W, et al. Mercado de trabalho da enfermagem: aspectos gerais. Enferm. Foco. 2016;6(¼):43-78. doi: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2016.v7.nESP.691

  24. Rosenberg M. The Rosenberg self-Esteem Scale. 2014.

  25. Moreira P, Honório LC. Burnout: avaliação da propensão à síndrome em enfermeiros que atuam nos serviços de urgência e emergência de um hospital público de Belo Horizonte. BJD. 2021;7(4):40555-77. doi: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-490

  26. Cordeiro EL, Silva TM da, Silva EC, Silva JED, Alves RFG, Silva LSRD. Estilo de vida e saúde do enfermeiro que trabalha no período noturno. Rev enferm UFPE . 2017;11(9):3369-75. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i9a110235p3369-3375-2017

  27. Pereira SS, Fornés-Vives J, Preto VA; Pereira Junior GA, Juruena MF, Cardoso L. Variáveis interventoras do burnout em profissionais de saúde dos serviços emergenciais. Texto Contexto Enferm. 2021;30:e20190245. doi: https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2019-0245

  28. Michelin SR, Nitschke RG, Martini JG, Tholi AD, Souza LCSL, Henckimaier L. (Re)cognizing healthcare center workers’ routine: a path for burnout prevetion and health promotion. Texto Contexto Enferm. 2018;27(1):e5510015. doi: https://doi.org/10.1590/0104-07072018005510015

  29. Marques CR, Ribeiro BMSS, Martins JT, Dias HG, Dalri RDCDMB, Bernardes MLG, Karino. Fatores de satisfações e insatisfações no trabalho de enfermeiros. Rev. enferm. UFPE. 2020;14: e244966. doi: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2020.244966

  30. Bührer BE, Tomiyoshi AC, Furtado MD, Nishida FS. Análise da Qualidade e Estilo de Vida entre Acadêmicos de Medicina de uma Instituição do Norte do Paraná. Rev. bras. educ. med. 2019;43(1):39-46. doi: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1RB20170143

Publicado
2023-05-31
Como Citar
1.
Ribeiro BMSS, Costa SAM, Silva BV, Campos RL, Pereira AOR, Santos SVM. Avaliação do estilo de vida e da autoestima de profissionais de enfermagem no âmbito hospitalar. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 31maio2023 [citado 15abr.2024];6(2):1-3. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/747
Seção
Artigos originais