Formação para a interprofissionalidade e o matriciamento

Palavras-chave: Educação Interprofissional, Práticas Interdisciplinares, Sistema Único de Saúde

Resumo

Objetivou-se analisar as concepções de estudantes do Programa de Educação para o Trabalho em Saúde/Educação Interprofissional sobre a formação para a interprofissionalidade e o matriciamento. Utilizou-se da técnica do Grupo Focal on-line para a coleta de dados. O registro da discussão foi submetido à análise de conteúdo. Os resultados delinearam três categorias: 1) Formação em interprofissionalidade, matriciamento e a experiência do Programa de Educação para o Trabalho em Saúde/Educação Interprofissional; 2) Potencialidades da interprofissionalidade e do matriciamento; e 3) Desafios da interprofissionalidade e do matriciamento. O Programa de Educação para o Trabalho em Saúde/Educação Interprofissional configurou-se como uma ferramenta importante para o fomento da colaboração interprofissional e do exercício do matriciamento, proporcionando aos estudantes a aplicação dos conceitos e fundamentos da Educação Interprofissional no cenário das práticas.

Biografia do Autor

Meyrielle Belotti, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Adjunto do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória -ES

Carolina Dutra Degli Esposti, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Adjunto do Departamento de Medicina Social e do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Saúde Pública. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória-ES

Bruna Lídia Taño, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Adjunta do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Doutora em Educação Especial. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória -ES

Magda Ribeiro Castro, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Professora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC), da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória -ES, Brasil. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória -ES

Flávia Fonseca Venancio, Universidade de São Paulo

Enfermeira. Residência em Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiátrica. Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Caroline Travesani Marchezi, Universidade Federal do Espírito Santo

Cirurgiã-Dentista pela Universidade Federal do Espírito Santo- UFES. Guarapari- ES

Alexandra Iglesias, Universidade Federal do Espírito Santo

Professora Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e professora colaboradora do Programa de Pós Graduação em Psicologia - PPGP-UFES. Doutora em Psicologia. Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória -ES.

Referências

1. Ogata MN, Silva JAM, Peduzzi M, Costa MV, Fortuna CM, Feliciano AB. Interfaces between permanent education and interprofessional education in health. Rev Esc Enferm USP. 2021;55:e03733. https://doi.org/10.1590/S1980-220X202001890373
2. Ferreira L, Barbosa JSA, Esposti CDD, Cruz MM. Permanent Health Education in primary care: an integrative review of literature. Saúde Debate. 2019;43(120):223-9. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912017
3. Gadotti, M. A educação contra a educação: o esquecimento da educação e a educação Permanente. 5th ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1992.
4. Ministério da Saúde e Ministério da Educação (Brasil). Portaria interministerial nº 1.802, de agosto de 2008. Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET - Saúde. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 2008, 27 Ago. [Acesso em 07 de novembro de 2022]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/pri1802_26_08_2008.html
5. Almeida RGS, Teston EF, Medeiros AA. A interface entre o PET-Saúde/ Interprofissionalidade e a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Saúde e debate. 2019; 43(2): 97-105. doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042019S108
6. Alencar TOS, Oliveira SS, Coelho MMP, Souza CS, Freitas JO, Santos MS, et al. Uso de tecnologias digitais na educação interprofissional: experiência do PET-Saúde Interprofissionalidade. REVISA. 2020; 9(Esp.1): 603-9. doi: https://doi.org/10.36239/revisa.v9.nesp1.p603a609
7. Batista NA, Rossit RAS, Batista SHSS, Silva CCB, Uchôa-Figueiredo LR, Poletto PR. Educação interprofissional na formação em Saúde: a experiência da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista, Santos, Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [online]. 2018; 22 (Suppl 2): 1705-1715. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0693.
8. Peduzzi M, Agreli HLF, Silva JAM, Souza HS. Teamwork: revisiting the concept and its developments in inter-professional work. Trab Educ Saúde. 2020;18(suppl 1):e0024678. Portuguese. doi: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00246
9. Campos GWS, Figueiredo MD, Pereira Junior N, Castro CP. A aplicação da metodologia Paideia no apoio institucional, no apoio matricial e na clínica ampliada. Interface (Botucatu) 2014; 18(Supl. 1):983-995. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0324
10. Oliveira JC, Penido CMF, Franco ACR, Santos TLA, Silva BAW. Especificidades do grupo focal on-line: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva. 2022;27(05):1813-1826. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232022275.11682021.
11. Bardin L. A análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
12. Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução no 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, 2012. [Acesso em 07 de novembro de 2022]. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf
13. Feuerwerker, L.C.M. Algumas reflexões sobre o desenvolvimento do Programa UNI. Divulgação em saúde para debate, 2000; 22(2): 63-70. [Acesso em 03 de novembro]. Disponível em: https://cebes.org.br/revista-saude-em-debate/17376/
14. Costa MV. A educação interprofissional no contexto brasileiro: algumas reflexões. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2016: 20(56): 197-198. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0311
15. Ministério de Educação (Brasil). Resolução nº 3, de 21 de junho de 2021. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Odontologia. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 2021, 22 junho. [Acesso em 24 de novembro de 2022]. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-n-3-de-21-de-junho-de-2021-327321299
16. Reeves S. Why we need interprofessional education to improve the delivery of safe and effective care. Interface (Botucatu). 2016; 20(56):185-96. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0092
17. Costa MV, Azevedo GD, Vilar MJP. Aspectos institucionais para a adoção da Educação Interprofissional na formação em enfermagem e medicina. Saúde em Debate. 2019; 43(supl 1): 64-76, 2019. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-11042019S105
18. Reeves S, Goldman J, Gilbert J, Tepper J, Silver I, Suter E et al. A scoping review to improve conceptual clarity of interprofessional interventions. J Interprof Care. 2011;25(3):167-74. doi: http://dx.doi.org/10.3109/13561820.2010.529960
19. Camara AMCS, Grosseman S, Pinho DLM. Educação interprofissional no Programa PET-Saúde: a percepção de tutores. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2015; 19(supl 1):817-829. doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0940.
20. Merhy, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002.
21. Constantinidis TC, Cunha AC. A formação em terapia: entre o ideal. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2013; 24(2): 149-54. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v24i2p149-154
Publicado
2023-03-14
Como Citar
1.
Belotti M, Esposti CDD, Taño BL, Castro MR, Venancio FF, Marchezi CT, Iglesias A. Formação para a interprofissionalidade e o matriciamento. Revista de Saúde Pública do Paraná [Internet]. 14mar.2023 [citado 25maio2024];6(1):1-7. Available from: http://revista.escoladesaude.pr.gov.br/index.php/rspp/article/view/755
Seção
Artigos originais