A Estratégia de Saúde da Família e as internações por condições sensíveis à atenção primária no Paraná

série temporal, 2007-2016

Palavras-chave: Estratégia de Saúde da Família. Saúde pública. Hospitalizações. Sistema Único de Saúde. Atenção Básica à Saúde.

Resumo

Propõe-se com o presente estudo, descrever a evolução das ações da atenção primária em saúde e correlaciona-las às hospitalizações por condições sensíveis a esse nível de atenção. Trata-se de um estudo ecológico, retrospectivo e analítico, a partir de dados secundários. Foram objetos de estudo a abrangência populacional das eSF, PACS e número de NASF, além das internações por condições sensíveis a atenção primária, no Paraná e suas cinco maiores cidades. Utilizou-se o modelo de correlação de Pearson, a fim de investigar a relação entre as variáveis.  Observou-se tendência crescente na abrangência das eSF em todos os locais do estudo. Houve decréscimo importante no número de ICSAP no período estudado, bem como correlação estatística negativa com o a ampliação da cobertura das ações da APS no estado do Paraná.

Biografia do Autor

Eliz Cassieli Pereira Pinto, Especialista, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Graduada em Farmácia pela Universidade Estadual do Centro Oeste - UNICENTRO, no ano de 2015. Especialista em Farmácia Hospitalar pelo Programa de Residência Farmacêutica da Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE, turma 2016-2018. Atualmente é mestranda no Programa de Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Londrina - UEL, na área de epidemiologia, tendo como linha de pesquisa a análise das condições de saúde de grupos populacionais.

Rafaela Sirtoli, Especialista, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Farmacêutica Especialista em Farmácia Hospitalar, atualmente é mestranda em Saúde Coletiva.

Ligiane de Lourdes da Silva, Mestra, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestra em Ciências Farmacêuticas, Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil.

Poliana Vieira da Silva Menolli, Mestra, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestra em Saúde Coletiva, Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná, Brasil.

Referências

1. Organização Pan-Americana de Saúde. Doenças Crônicas Não Transmissíveis: Estratégias de Controle e Desafios para os Sistemas de Saúde. Distrito Federal, Brasília; 2011.
2. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc saúde coletiva 2010;15(5):2297-2305.
3. Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet: Health in Brazil 2011:61-64.
4. Andrade SF, Cordoni Jr, Carvalho BG, González AD, Silva AMR. Bases da Saúde Coletiva. 2. ed. Londrina: Eduel; 2017.
5. Declaração de Alma-Ata. In: Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Alma Ata, Cazaquistão; 1978.
6. Carta de Ottawa. In: 1ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde. Ottawa, Canadá; 1986.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648, de 28 de março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília, DF; 2006.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para reorientação do modelo assistencial. Brasília, DF; 1997.
9. Claunara SM. Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária e Qualidade da Saúde da Família em Belo Horizonte/Brasil. Tese [Doutorado em Epidemiologia] - Porto Alegre; 2016
10. Albuquerque M do SV de, Lyra TM, Farias SF, Mendes MF de M, Martelli PJ de L. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde debate. 2014;38(spe):182-194
11. Costa NR. A Estratégia de Saúde da Família, a atenção primária e o desafio das metrópoles brasileiras. Ciênc saúde coletiva 2016 May; 21(5): 1389-1398.
12. Alfredique ME, Bonolo PF, Dourado I, Lima-Costa MF, Macinko J, Mendonça CS, et al. Internações por condições sensíveis atenção primária: a construção da lista brasileira como ferramenta para medir o desempenho do sistema de saúde. (ICSAP – Brasil). Cad Saúde Pública. 2009 Jun;25(6):1337-1349.
13. Campos MR, Martins M, Noronha JC, Travassos C. Proposta de integração de dados do Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS) para pesquisa. Inf Epidemiol SUS 2000 Mar;9(1):51-8.
14. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) [homepage na internet]. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação [acesso em 18 out 2018]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica (DAB). [homepage na internet]. Histórico cobertura SF [acesso em 18 out 2018] . Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php/cnv.
16. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (SIH-SUS). [homepage na internet]. Sistema de Informações Hospitalares [acesso em 18 out 2018]. Disponível em: .
17. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 221, de 17 de abril de 2008 [portaria na internet]. Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Diário Oficial da União 2008. [acesso em 18 out 2018] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0221_17_04_2008.html
18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde da Família no Brasil: uma análise de indicadores selecionados. 2 ed. Brasília, DF; 2008.
19. Silva MAP da, Menezes RCE de, Oliveira MAA, Longo-Silva G, A Leiko. Atenção Básica em Alagoas: expansão da Estratégia Saúde da Família, do Nasf e do componente alimentação/nutrição. Saúde debate 2014 Dez; 38(103): 720-732.
20. Mattos RA de. O incentivo ao Programa de Saúde da Família e seu impacto sobre as grandes cidades. Physis 2002, 12(1): 77-108.
21. Brasil. Ministério da Saúde - Secretaria de Políticas Públicas, Universidade Federal da Bahia. O Programa de Saúde da Família: evolução de sua implantação no Brasil: relatório final. Salvador, BA; 2002.
22. Tuchlinski C. Os Belinati e o dinheiro público de Londrina (PR). Estadão. 2015 nov 3. [acesso em 18 out 2018] Disponível em: https://politica.estadao.com.br/blogs/humberto-dantas/os-belinati-e-o-dinheiro-publico-de-londrina-pr/.
23. Silveira F. Prefeito de Londrina é preso e renuncia ao cargo. Gazeta do Povo. 2012 set 20. [acesso em 18 out 2018] Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/prefeito-de-londrina-e-preso-e-renuncia-ao-cargo-3sk7avgc46p5dyuzy5niy3ary.
24. Chomatas E, Vigo A, Marty I, Hauser L, Harzheim E. Avaliação da presença e extensão dos atributos da atenção primária em Curitiba. Rev Bras Med Fam Comunidade. Rio de Janeiro 2013 Out-Dez; 8(29):294-303.
25. Prefeitura Municipal de Ponta Grossa. Secretaria Municipal de Saúde. Relatório anual de gestão exercício 2015. Ponta Grossa, 2015.
26. Ministério da Saúde. Portaria n° 154, de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – NASF. Brasília (DF); 2008. Diario Oficial Uniao. 4 mar 2008; Seção1:35-7.
27. Lancman S, Gonçalves RMA, Cordone AG, Barros JO. Estudo do trabalho em Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Rev Saúde Pública 2013;47(5):968-75.
28. Sampaio J, Martiniano CS, Rocha AMO, Neto AAS, Sobrinho GDO, Marcolino EC, et al. Núcleo de Apoio à Saúde da Família: refletindo sobre as acepções emergentes da prática. Rev Bras de Ciênc da Saúde. 2013; 17 (1): 47-54.
29. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de apoio à saúde da família. Brasília,DF: Ministério da Saúde; 2014.
30. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 22 set 2017; Seção 1: 68.
31. Marques AP, Montilla DER, Almeida WS, Andrade CLT. Internação de idosos por condições sensíveis à atenção primária à saúde. Rev Saúde Pública. 2014;48(5):817-826
32. Andrade SSS. Estratégia Saúde da Família e sua relação com as internações por condições sensíveis à atenção primária em Pernambuco, no período de 2000-2014. Dissertação [Mestrado em Saúde Pública] - Fundação Oswaldo Cruz; 2016.
33. Arruda GO, Schmidt DB, Marcon SS. Internações por diabetes mellitus e a Estratégia Saúde da Família, Paraná, Brasil, 2000 e 2012. Ciênc saúde coletiva, 23(2):543-552, 2018.
34. Pazó RG, Frauches DO, Molina MCB, Cade NV. Panorama das internações por condições sensíveis à atenção primária no Espírito Santo, Brasil, 2000 a 2014. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-12.
35. Magalhães ALA, Neto OL. Desigualdades intraurbanas de taxas de internações por condições sensíveis à atenção primária na região central do Brasil. Ciênc saúde coletiva 2017;22(6):2049-2062.
36. Silva LF. Internações por condições sensíveis à atenção primária em Minas Gerais: análise da prevalência e os gastos nas macrorregiões de saúde. Dissertação [Mestrado em Saúde Coletiva] - Universidade Federal de Juiz de Fora; 2017.
37. Costa JSD, Arruda JS. Internações por condições sensíveis à atenção primária em Novo Hamburgo, Rio Grande do Sul. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2017;12(39):1-11.
38. Castro MSM, Travassos C, Carvalho MS. Efeito da oferta de serviços de saúde no uso de internações hospitalares no Brasil. Rev Saúde Pública. 2005;39(2):277-284.
39. Brasil. Ministério da Saúde [homepage na internet].. Informações de Saúde (TABNET): rede assistencial. [acesso em 18 out 2018]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0204&id=11665&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?cnes/cnv/leiint
40. Mendes EV. As redes de atenção à Saúde. Brasília, DF: OPAS; 2011.
41. Brasil VP, Costa JSD. Hospitalizações por condições sensíveis à atenção primária em Florianópolis, Santa Catarina – estudo ecológico de 2001 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(1):75-84.
42. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1007, de 4 de maio de 2010. Define critérios para regulamentar a incorporação do Agente de Combate às Endemias - ACE, ou dos agentes que desempenham essas atividades, mas com outras denominações, na atenção primária à saúde para fortalecer as ações de vigilância em saúde junto às Equipes de Saúde da Família. Diário Oficial da União 5 maio 2010; Seção 1: 36-37.
43. Pagano M, Gauvreak K. Princípios de bioestatística. São Paulo: Cengage Learning, 2010.
44. Santos LA, Oliveira VB de, Caldeira AP. Internações por condições sensíveis à atenção primária entre crianças e adolescentes em Minas Gerais, 1999-2007. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2016;16(2):169-178.
45. Cardoso CS, Pádua CM, Rodrigues-Júnior AA, Guimarães DA, Carvalho SF, Valentin RF. Contribuição das internações por condições sensíveis à atenção primária no perfil das admissões pelo sistema público de saúde. Rev Panam Salud Publica. 2013;34(4):227-34.
46. Rehem TCMSB, Oliveira MRF, Amaral TCL, Ciosak SI, Egry EY. Internações por condições sensíveis à atenção primária em uma metrópole brasileira. Rev. esc enferm USP. 2013; 47(4):884-90.
47. Levorato CD, Mello LM, Silva AS, Nunes AA. Fatores associados à procura por serviços de saúde numa perspectiva relacional de gênero. Ciênc saúde coletiva. 2014; 19(4):1263-1274
48. Meneghell SN, Armani TB, Rosa RS, Carvalho L. Internações hospitalares no Rio Grande do Sul. Inf Epidemiol SUS. 1997;6(2): 49-59.
49. Bittencourt SA, Camacho LAB, Leal MC. O sistema de informação hospitalar e sua aplicação na saúde coletiva. Cad Saúde Pública. 2006;22(1):19-3.
Publicado
2018-12-14
Seção
Artigos originais