O referenciamento de usuários ao centro de atenção psicossocial álcool e drogas

Palavras-chave: Atenção à Saúde. Saúde Mental. Usuários de Drogas. Alcoólicos.

Resumo

O objetivo deste trabalho é conhecer, descrever e problematizar o referenciamento de usuários ao Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS ad) em Teresina (PI). Estudo descritivo realizado no CAPS ad após a investigação de 272 prontuários do período de julho de 2013 a janeiro de 2014. Identificou-se um pequeno número de usuários oriundos da Estratégia Saúde da Família (2,94%), enquanto que a demanda espontânea e as indicações de amigos e familiares somam 53,3%, além de se ter constatado que existem vários pontos emissores de referenciamento para o usuário. Tais resultados sugerem a necessidade de uma avaliação do trabalho realizado pela Estratégia Saúde da Família frente a esta demanda, a fim de se problematizar a sua falta de integração com o CAPS ad com vistas em ações resolutivas da vigilância em saúde, as quais controlem os entraves ao referenciamento dos usuários.

Referências

1. Who - World Health Organization. Reducing risks, promoting healthy life: Geneva (Swi): WHO; 2002.
2. Lefio LA, Villarroel SR, Rebolledo C, Zamorano P, Rivas K. Intervenciones eficaces en consumo problemático de alcohol y otras drogas. Rev Panam Salud Publica. 2013;34(4):257–66.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. 60 p.
4. Cecílio LCO, Merhy EE. A integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar. In: Pinheiro R, Mattos R. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: IMS/Abrasco; 2003; p. 197-210.
5. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2011. 549 p.
6. Souza TMS, Roncalli AG. Saúde bucal no Programa de Saúde da Família: uma avaliação do modelo assistencial. Cad Saude Publica 2007; 23(11):2727-2739.
7. Marra SMP, Arcieri RM. Análise da inclusão da odontologia nos planos municipais de saúde das cidades integrantes da gerência regional de saúde de Uberlândia-MG. Biosci J 2011;27(3):510-517.
8. Vazquez FL, Guerra LM, Vítor ES, Ambrosano GMB, Mialhe FL, et al. Referência e contrarreferência na atenção secundária em odontologia em Campinas, SP, Brasil. Ciênc. saúde coletiva 2014;19(1):245-255, 2014.
9. Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. (Cadernos de atenção básica; n. 34). 176 p.
10. Merhy EE. Ato de cuidar: a alma dos serviços de saúde. In: Saúde: cartografia do trabalho vivo em ato. São Paulo: Editora HUCITEC, 2002; p.115-135.
11. Delfini PSS, Reis AOA. Articulação entre serviços públicos de saúde nos cuidados voltados à saúde mental infanto-juvenil. Cad. Saúde Pública 2012, 28(2):357-366.
12. Britto RC. A Internação psiquiátrica involuntária e a Lei 10.216/01. reflexões acerca da garantia de proteção aos direitos da pessoa com transtorno mental. [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, 2004. 210 p.
13. Pereira MM. As ações do Programa de Saúde da Família na promoção da saúde dos dependentes químicos [Internet]. [local desconhecido]: Faculdade Eficaz; [citado 2011 Dez 29]. Disponível em: http://www.faculdadeeficaz.com.br/?c=revista_eficaz.
14. Lopes DCT. Saúde mental na Estratégia Saúde da Família: notas cartográficas sobre processo de trabalho em saúde [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009. 14 p.
15. Foucault, M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, Forense Universitária; 1994. 241 p.
16. Vieira Filho NG. Sofrimento e desisntitucionalização: construindo redes de apoio em saúde mental. Rev. Mal Estar e Subjetividade 2011;9(1):309-333.
17. Benevides R; Passos E. A humanização como dimensão pública das políticas de saúde. Ciênc. saúde coletiva 2005;10(3): 561-571.
18. Reis, AOA; Marazina, I; Gallo, PR. A Humanização na Saúde como instancia libertadora. Saude Soc. 2004;13(3):p. 36-43.
Publicado
2018-12-14
Seção
Artigos originais