Doença celíaca e o conhecimento dos profissionais de saúde da atenção primária

Palavras-chave: Doença Celíaca, Pessoal de Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

A doença celíaca é um problema de ordem mundial em decorrência da sua alta prevalência. O objetivo foi identificar o conhecimento dos enfermeiros, médicos e farmacêuticos da atenção primária sobre a doença celíaca. Trata-se de uma pesquisa quantitativa e descritiva. Realizada no município do interior do Paraná em 19 unidades de saúde, com 82 profissionais, em 2016. A coleta de dados se deu pela aplicação de um questionário com perguntas fechadas, fundamentadas no Protocolo Clínico de Diretrizes Terapêuticas da Doença Celíaca. A análise dos dados foi por meio de tratamento estatístico. Resultou-se em 93,0% dos profissionais de saúde responderam conhecer sobre a doença e 15,0% relatam ter ciência do protocolo de atendimento ao paciente celíaco. Obteve-se 80,0% de acertos referentes à sintomatologia típica e 40,0% da forma atípica. Conclui-se há necessidade de capacitação por meio da educação em serviço, como estratégia de reforçar o manejo desta doença na atenção primária.

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 1149, de 11 de novembro de 2015: aprova o protocolo clínico e diretrizes terapêuticas da doença celíaca. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

2. Nadal J, Ferreira SMR, Costa IB, Schmidt ST. O princípio do direito humano à alimentação adequada e a doença celíaca: avanços e desafios. Demetra [Internet]. 2013 [citado 2018 Out 22]; 8(3):411-23. Disponível em: http://www.fenacelbra.com.br/arquivos/publicacoes/principio_direito_humano_alimentacao.pdf

3. Magalhães JP, Oliveira MS, Monteiro MAM, Schaefer, MA, Garcia MAVT. Riscos de contaminação por glúten em um restaurante universitário com preparações para indivíduos celíacos: um estudo de caso.Nutr.Clín.Diet.Hosp. 2017; 37(1):165-70.

4.Rocha S, Gandolfi L, Santos JE. The psychosocial impacts caused by diagnosis and treatment of Coeliac Disease. Rev. Esc. Enferm USP. 2016; 50(1):66-72. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-6234201c60000100009

5. Araújo HMC, Araújo WM, Botelho RBA, Zandonadi RP. Doença celíaca, hábitos e práticas alimentares e qualidade de vida. Rev. Nutr. 2010; 23(3): 467-74. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732010000300014

6. Sdepanian VL, Morais MB, Neto UF. Doença celíaca: avaliação da obediência a dieta isenta de glúten e do conhecimento da doença pelos pacientes cadastrados na Associação dos Celíacos do Brasil (ACELBRA). Arq. Gastroenterol. 2001;38(4):232-39. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032001000400005.

7. Medina MG, Aquino R, Vilasbôas ALQ, Mota E, Pinto Junior EP, Luz LA, et al. Promoção da saúde e prevenção de doenças crônicas: o que fazem as equipes de saúde da família?. Saúde debate. 2014;38(spe):69-82. doi: http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014S006

8. Ministério da Saúde (BR). Secretaria Municipal de Ponta Grossa. Plano Municipal de Saúde Ponta Grossa 2018 /2021. Ponta Grossa: Ministério da Saúde; 2017.

9. Ojeda BS, Eidt OR, Canabarro S, Corbellini VL, Creutzberg M. Saberes e verdades acerca da enfermagem: discursos de alunos ingressantes. Rev. bras. enferm. [Internet] 2008 [citado em 2016 out 26];61(1):78-84. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672008000100012.

10. Paula FA, Crucinsky J, Benati R. Fragilidades da atenção à saúde de pessoas celíacas no Sistema Único de Saúde (SUS): a perspectiva do usuário. Demetra. 2014;9(supl 1):311-28. doi: http://dx.doi.org/10.12957/demetra.2014.10499

11. Oliveira A, Trindade E, Tavares M, Lima R, Terra M,Dias JA. Celiac disease in first degree relatives of celiac children. Arq. Gastroenterol.2012;49(3):204-207. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032012000300007

12. Leandro AIP, Branco ES. Importância do treinamento e desenvolvimento nos serviços de saúde. Rev. Adm. Hosp. Inov. Saúde 2011;(6):64-69. doi: http://dx.doi.org/10.21450/rahis.v0i6.1018.

13. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

14. Ludvigsson JF, Leffler DA, Bai JC, Biagi F, Fasano A, Green PHR, et al. The oslo definitions for coeliac disease and related terms. Gut [Internet]. 2013 [cited 2016 fev. 20]; 2(1):43-52. doi: http://gut.bmj.com/content/gutjnl/62/1/43.full.pdf

15. Pelleboer RAA, Janssen RLH, Deckers-Kocken JM, Wouters E, Nissen AC, Bolz WEA, et al. Celiac disease is overrepresented in patients with constipation. J Pediatr (Rio J).2012;88(2):173-6. doi: http://dx.doi.org/10.2223/JPED.2155

16. Utiyama SRR, Reason IJTM, Kotze LMS. Aspectos genéticos e imunopatogênicos da doença celíaca: visão atual. Arq. Gastroenterol. [Internet];2004;41(2):121-28. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-28032004000200010.

17. Roy A, Pallai M, Lebwohl B, Taylor AK, Green PH. Attitudes toward genetic testing for celiac disease. J Genet Counsel.2016;25(2):270-8.doi:http://dx.doi.org/10.1007/s10897-015-9867-z.

18. Nobre SR, Silva T, Cabral JEP. Doença celíaca revisitada. Jornal Português de Gastrenterologia, Lisboa 2007;14(4):184-93.

19. Paul SP, McVeigh L, Gil-Zaragozano E, Basude D. Diagnosis and nursing management of coeliac disease in children. Nurs Child Young People 2016 Feb;28(1):18-24. doi: 10.7748/ncyp.28.1.18.s28.

20. Boé, C, Lozinsky AC, Patrício FR, Andrade JAB, Fagundes-Neto UF. Doença celíaca e constipação: uma manifestação clínica atípica e pouco frequente. Rev. Paul. Pediatr. 2012 Jun;30(2):283-87.

21. Abreu LCS. A importância da fnfermagem no tratamento de doenças celíacas. Web Artigos [Internet]. 2015 [citado 2018 Out 10]. Disponível em: http://www.webartigos.com/_resources/files/_modules/article/article_136789_201510191700426dda.pdf

22. Ribeiro PVM,Santos AP,Andreoli CS, Ribeiro SMR, Jorge MP, Moreira AV. Nutritional status variation and intestinal and extra intestinal symptomatology in patients with celiac disease and non-celiac gluten sensitivity given specialized dietary advice. Rev Nutr. 2017;30(1):57-67.doi: http://dx.doi.org/10.1590/1678-98652017000100006.
Publicado
2018-12-14
Seção
Artigos originais